Mais uma vez vemos a Petrobras anunciar recordes de lucro, tudo bem que a empresa teve que investir muito para ter esse retorno, mas por outro lado sabemos que nada adiantaria se não existissem clientes para os seus produtos, existem sim, e são muitos. Todos os brasileiros dependem da Petrobras, não venha me dizer que você não tem carro, você pode não ter, mas já andou de ônibus, os produtos chegam até sua cidade através de transportes que utilizam combustível produzido pela Petrobras, o plástico é produzido a base de petróleo, etc.

Já escrevi sobre esse assunto, vemos os recordes de lucro, mas continuamos pagando preços exorbitantes pelos combustíveis, houve uma época que a empresa alegou que teve prejuízos por não acompanhar o preço do barril de petróleo do exterior, e que quando o preço lá fora caiu ela não pode baixar seus preços para que assim pudesse recuperar as perdas. Outra hora a desculpa é que os preços devem continuar do jeito que estão para que a empresa não perca sua capacidade de novos investimentos.

Certa vez recebi um e-mail pedindo para que todos boicotassem os postos com bandeira da BR (Petrobras), para ver se assim milhões de pessoas deixariam de adquirir seus produtos e assim ela se visse obrigada a reduzir seus preços, esses dias andando pela cidade reparei que a Petrobras tomou conta dos postos, praticamente todos tem bandeira BR.

A empresa alega que o preço da gasolina sai baixo da refinaria, mas ele chega até o dobro do preço para o consumidor, ou seja, a maior parte dos acréscimos é imposto. Resumindo, o Governo não abre mão de diminuir os lucros da Petrobras e não abre mão de enfiar a faca na hora de cobrar impostos, como somos dependentes temos que pagar o preço que eles querem, o engraçado é que já ouvi falar que nossos vizinhos do Paraguai pagam em torno de R$ 1,50 por litro de gasolina e não produzem nada, eles compram gasolina brasileira.

Se pelos menos esses recordes de lucros e de arrecadação de impostos tivessem uma influência maior na melhoria da qualidade de vida de nós brasileiros.