Administração e Sucesso

Assuntos sobre administração, economia, política, atualidades, educação, dicas para Word, Excel e muito mais

Tag: Governo (page 1 of 3)

Brasil vive uma crise sem fim

O Brasil vive uma crise sem fim, deixando de lado ideologias políticas é possível perceber que o problema é muito mais grave do que aparenta.

Brasil vive uma crise sem fim

O desemprego atingiu números assustadores e a inflação alta ameaçava dar as caras novamente. A então presidente Dilma sofreu impeachment, o que por alguns foi chamado de golpe. Golpe ou não é absolutamente verdade que Dilma já não conseguia mais governar o país que estava cada dia pior, mesmo ela tendo colocado em prática tudo o que disse que não faria durante a sua campanha. Lógico que não seria reeleita se tivesse falado a verdade durante a campanha.

Temer assumiu o Governo interinamente, em meio as denúncias e os envolvidos na operação lava jato o Governo também tomou medidas pouco populares com o objetivo de tirar o país da crise. O fato é que muita gente envolvida no Governo foi acusada de envolvimento em corrupção, não apenas de um partido ou de outro, mas sem distinção as denúncias foram ocorrendo e as delações foram enfraquecendo o Governo.

Apesar de tudo isso a economia já apresentava sinais de melhora, mas então ocorrem novas denúncias e agora o próprio presidente Temer é acusado de corrupção. Também uma das maiores empresas brasileiras e do mundo está envolvida em um esquema de propina que envolve vários políticos.

A pequena recuperação da economia está ameaçada e o Governo também. Será que por de trás de tantas denúncias não existe algo verdadeiro? Todas as denúncias contra o antigo Governo e o atual são infundadas? Acredito que não. Os políticos brasileiros em sua maioria almejam o poder apenas para benefício próprio, jamais pensando no bem do povo.

A única forma de acabar com toda essa cambada de corruptos seria tirar todos os políticos que estão em Brasília e ainda proibi-los de se candidatarem novamente. Criar leis que impeçam o recebimento de doações de empresas para campanha e reduzir as mordomias que nossos deputados possuem.

Sei que tudo isso não passa de utopia, pois jamais aprovariam algo que os prejudicasse. Então só nos resta esperar que um dia isso acabe e o país possa se tornar um país desenvolvido e não simplesmente o país do jeitinho.

O dilema da reforma da previdência

Um dos assuntos mais comentados do momento é a reforma da previdência que o Governo está propondo.

O dilema da reforma da previdência

As piadas são em quantidade absurda. Que você terá que começar a trabalhar o mais jovem possível ou trabalhar até perto dos cem anos para conseguir a aposentadoria.

Atualmente a lei já diz que para ter direito a aposentadoria é preciso ter 65 anos de idade para homens e 60 anos para mulheres, essa é a regra principal para aqueles que contribuíram com a quantidade de anos suficiente para garantir o benefício, mas não completaram o tempo suficiente para se aposentar por tempo de contribuição. No caso 35 anos homens e 30 anos para mulheres.

Na lei atual já é bastante complicado garantir o benefício, pois o trabalho informal, sem registro em carteira muitas vezes obriga o trabalhador a esperar a idade mínima para a aposentadoria. Com as frequentes crises e altas taxas de desemprego são poucos que conseguem se aposentar por tempo de serviço.

Logo se o Governo pretende dificultar ainda mais o acesso ao benefício, o trabalhador não tem outra saída a não ser tentar se enquadrar as regras. Sempre que não estiver em um emprego formal tentar fazer o pagamento do INSS para continuar segurado pelo Governo. Isso para todos os casos, auxílio doença, licença maternidade, etc.

Quanto a idade que é o maior empecilho principalmente para algumas profissões onde o desgaste é muito grande e dificilmente o trabalhador consegue suportar e aguardar a aposentadoria só existe uma solução. Quando a expetativa de vida está próxima dos 70 anos e você tem que trabalhar até os 65 anos para se aposentar é como se você entrasse de férias por alguns anos esperando o fim da vida chegar. Isso só pode ser modificado por você. Na verdade você não deve esperar a vida inteira por uma aposentadoria que talvez nunca chegará, mas sim desfrutar da vida ainda enquanto trabalha e tentar ao máximo possível poupar dinheiro ou ter alguma fonte de renda que posso lhe garantir na velhice.

Isso mesmo. Muitas pessoas passam a vida inteira sem se preocuparem com a aposentadoria e quando chega o tempo querem o benefício sem terem contribuído quase absolutamente nada e além disso, durante a vida não fizeram nada para garantir alguma renda que os sustentem até conseguir o benefício.

A maioria das aposentadorias é de apenas um salário mínimo, portanto, ela não é a salvação e nem a garantia de que você irá conseguir se manter para o resto da vida. Já imaginou comprar remédios e tudo mais com apenas um salário mínimo?

Pense nisso!

O horário de verão é ridículo

Isso mesmo, o horário de verão é ridículo. Para mim é verdadeiramente inútil.

O horário de verão é ridículo

Tenho que acordar uma hora mais cedo, quando ainda está escuro e preciso ficar com a luz acessa por um bom tempo. Por outro lado quando chego do trabalho o sol ainda está longe de se pôr. Então quando eu chego em casa eu tenho tempo para aproveitar o restante do dia numa boa? Nem tanto. Como o relógio está adiantado em uma hora rapidamente serão oito da noite e consequentemente eu terei que dormir no mesmo horário de sempre, pois no dia seguinte preciso acordar antes do dia amanhecer. Logo não se tem benefício, pois terei que dormir uma hora mais cedo. Vou dormir quando ainda não estou com sono e tenho que acordar em um horário que ainda deveria estar dormindo. Esse é o pior transtorno que enfrentamos nos primeiros dias do horário de verão, então quando já estamos começando a acostumar o horário de verão termina.

Mas para que serve o horário de verão afinal?

A principal desculpa é de que gera economia e que diminui os riscos de apagões por prolongar o período de maior consumo de energia durante o dia. Mas de quanto é essa economia em valores? Estamos falando de míseros R$ 147,5 milhões de reais, isso mesmo, a economia estimada pelo governo é de menos de 150 milhões de reais. Isso dividido pela população brasileira daria uma média aproximada de R$ 1,40 por habitante. Sei que não são todos os estados que utilizam o horário de verão, mas esse valor ainda tem que ser dividido por 4 meses que é o período de vigência do horário de verão. Então de qualquer forma pode ser considerado um valor irrisório para algo que causa mais transtornos do que benefícios à população. Eu preferiria que este valor fosse incluído em minha conta de energia.

Com tanta corrupção no governo e mordomias que os políticos possuem será que não conseguiriam economizar bilhões apenas fazendo uma reforma no governo reduzindo gastos e desvios do que penalizar a população por uma coisa tão pequena?

Dia do Trabalhador: muitos não têm o que comemorar

Mais um dia do trabalhador está se aproximando, porém este ano muitas pessoas não possuem motivos para comemorar.

Dia do Trabalhador: muitos não têm o que comemorar

Hoje existe no Brasil um número recorde de desempregados, os últimos números divulgados apontam 11,1 milhões de pessoas desempregadas.  A apenas um ano o número de desempregados era de 7,9 milhões de pessoas.

O governo Dilma ainda durante as eleições de 2014 pregava que a taxa de desemprego estava controlada no Brasil e que o candidato da oposição dizia mentiras quando falava que o país estava prestes a entrar em uma grande crise.

Como vimos a oposição estava certa sobre a crise que se instalou no Governo logo no início do segundo mandato de Dilma. Aumento crescente do desemprego, inflação atingindo o maior limite dos últimos anos, aumento da tarifa de energia elétrica, aumento dos combustíveis, ou seja, tudo o que o Governo dizia que não ia acontecer se tornou realidade. O governo se defendeu dizendo que teve que mudar o discurso devido ao momento enfrentado no país, mas será que realmente Dilma seria reeleita se falasse toda a verdade sobre a situação que o país atravessava ainda em 2014?

Hoje o Governo coloca toda a culpa na oposição, mas quem esteve no comando do país durante os últimos anos não foi a oposição. Não sei dizer se Dilma cometeu crime de responsabilidade, mas certamente mereceria perder o mandato apenas por ter mentido durante a sua campanha para a reeleição.

Não digo que Dilma é melhor ou pior do que Temer, mas o que realmente importa é aquilo que é melhor para o país. Quem se lembra do impeachment de Collor sabe muito bem disso. O país estava uma bagunça e após o vice-presidente Itamar Franco assumir a presidência o país começou a entrar nos eixos com a implantação do Plano Real no ano de 1994.

Sei que muitos defenderão até o fim a presidente, mas como disse anteriormente isso pouco importa, o que importa é que haja uma mudança urgente na maneira de governar este país, não importa o partido. É preciso fortalecer a economia do país e gerar novos empregos, só assim o trabalhador realmente vai ter o que comemorar no seu dia.

Curta nossa página no Facebook

Inflação e desemprego avançam no Brasil

O ano de 2015 começou com a inflação em alta, o Índice Nacional de Preços ao Consumidor Amplo -IPCA de janeiro a junho já ultrapassa 6% e é quase o mesmo índice apurado para o ano inteiro de 2014. A tendência é que tenhamos neste ano de 2015 a maior inflação dos últimos 11 anos.

Inflação e desemprego

Inflação no Brasil

O aumento da gasolina, da energia, das bebidas, dos alimentos e até mesmo das loterias foram alguns dos responsáveis pela inflação em alta.

O discurso do Governo de que a inflação estava controlada está caindo por terra, assim como os níveis de desemprego no país.

Aliás, o desemprego está em alta, já ultrapassa a taxa de 8%. Isso representa aproximadamente 8 milhões de brasileiros desempregados. O comércio está em queda e a tendência é que o desemprego aumente mais ainda. Apenas a venda de veículos caiu mais de 20% nos seis primeiros meses de 2015, isso está obrigando as montadoras a reduzirem a produção e darem férias coletivas aos funcionários. Segundo a Fenabrave 250 concessionárias já fecharam as portas em 2015.

O Estado de Mato Grosso que é um dos maiores produtores de carne bovina do Brasil também enfrenta dificuldades, várias unidades frigoríficas já fecharam as portas em 2015 causando milhares de demissões no Estado.

O Governo cancelou vários investimentos no país para reduzir as despesas. Cortou investimentos do PAC. Minha Casa Minha Vida. Ministério das Cidades, Saúde e Educação.

Todos estes cortes ajudam o Governo a economizar, mas refletem negativamente na economia. Ou seja, o tiro pode sim sair pela culatra.

A situação da Saúde Pública e da Educação no Brasil não é das melhores e mesmo assim o Governo reduz investimentos. Por outro lado vemos rios de dinheiro sendo desviados através da corrupção que assola nosso país.

Dilma herdou uma herança maldita, ou seja, está colhendo os frutos dos erros que cometeu na gestão anterior.

Governo modifica seguro desemprego outra vez

A Medida Provisória que estava em vigor desde o dia 28 de fevereiro já não está mais valendo.

Governo modifica seguro desemprego

Seguro desemprego

A Lei 13.134 sancionada pela presidente dita as novas regras para o acesso ao seguro desemprego.

A presidente vetou alguns pontos da Medida Provisória 665 que dificultou o acesso ao seguro desemprego. A princípio seria necessário ter 18 meses de trabalho consecutivo para ter direito ao benefício. Com a aprovação da nova regra agora é preciso ter 12 meses de trabalho consecutivo para ter direito ao primeiro pedido.

Para o segundo pedido era necessário ter no mínimo 12 meses de trabalho, o novo texto aprovado diz que agora é preciso ter apenas 9 meses de trabalho consecutivo.

Para o terceiro pedido é necessário ter pelo menos 6 meses de trabalho.

Anteriormente a medida provisória eram necessários 6 meses para qualquer pedido.

Entre a vigência da Medida Provisória e a sua sanção pela presidente muita gente pode ter ficado sem o benefício por causa das regras vigentes. Agora que as regras foram alteradas novamente o Governo estuda formas de verificar as pessoas que tiveram o pedido negado a fim de não prejudicá-las.

Aqueles que fizeram o pedido durante este período devem ficar atentos, pois mesmo que remota ainda existe a possibilidade de conseguir o benefício. O Governo estuda pagar de forma retroativa aqueles que tiveram o benefício negado.

O ajuste no seguro desemprego faz parte do ajuste fiscal do Governo, apenas com estas mudanças o Governo pretende conseguir uma economia de aproximadamente 15 bilhões por ano.

A questão é a seguinte, o Governo vai fazer uma grande economia, por outro lado muitos desempregados vão ficar sem o auxílio e consequentemente sem estes 15 bilhões para gastarem com supermercado, roupas, transporte, etc.

O resultado disso pode não ser muito favorável para a economia brasileira que já está mal das pernas.

Além do seguro-desemprego outros ajustes em benefícios salariais podem ser aplicados pelo Governo, vamos aguardar para ver no que isso vai dar.

Novo seguro-desemprego, veja o que mudou

Novas regras do seguro-desemprego já estão valendo. Você já sabe o que mudou?

Seguro-desemprego

Seguro-desemprego

Anteriormente a Medida Provisória que alterou o seguro-desemprego era muito fácil conseguir o benefício, bastava ter 6 meses de trabalho com carteira assinada para ter direito ao benefício. Muitos usavam de má fé e recebiam o benefício indevidamente, porém, com a nova regra isso não vai mais acontecer. No entanto, aqueles que realmente precisam do benefício terão bastante dificuldade para consegui-lo.

A partir do dia 28 de fevereiro de 2015, para ter direito ao primeiro benefício é preciso ter trabalho no mínimo 18 meses. Isso quer dizer que se você foi demitido quando tinha apenas 17 meses de trabalho não terá direito ao benefício.

Para ter direito ao segundo pedido agora é preciso trabalhar por no mínimo 12 meses e para um terceiro pedido é preciso trabalhar pelo menos 6 meses. Percebe-se que o mais difícil realmente é conseguir o primeiro benefício, por um lado vai reduzir os custos do Governo e por outro vai prejudicar quem realmente precisa.

No primeiro pedido o trabalhador terá direito a 4 parcelas se trabalhou entre 18  e 23 meses, ou cinco parcelas se trabalhou pelo menos 24 meses no período.

No segundo pedido o trabalhador terá direito a 4 parcelas se tiver trabalhado no mínimo 12 meses, caso tenha trabalhado pelo menos 24 meses terá direito a 5 parcelas.

No terceiro pedido o trabalhador terá direito a 3 parcelas pelo menos 6 meses, 4 parcelas se tiver trabalhado entre 12 e 23 meses, 5 parcelas se tiver trabalho no mínimo 24 meses.

Como podemos observar ficou bem mais difícil de conseguir o benefício, o melhor mesmo é torcer para não ser demitido sem justa causa. É melhor ter um salário ruim do que ficar desempregado sem receber seguro-desemprego.

Reajuste do salário mínimo

A partir de janeiro de 2015 o salário mínimo foi reajustado em 8,8% elevando assim o valor R$ 724,00 para R$ 788,00.

O reajuste é mais uma vez pouco acima da inflação, pouco mesmo, pois a inflação de 2014 foi acima de 6%. Portanto, o reajuste real é de aproximadamente 2%.

Salário mínimo

Salário Mínimo

O Governo diz que continua com a valorização do salário mínimo, porém a inflação acumulada apenas neste início de ano já corroeu o aumento que o trabalhador recebe.

A energia elétrica sofreu reajuste acima de 20% no início de 2015 e ainda está previsto um novo reajuste para o mês de abril.

Os combustíveis também tiveram reajuste no início do ano. Certo, mas você pode dizer que quem recebe apenas um salário mínimo não possui veículo. Pode ser, mas utiliza transporte público e este utiliza combustível, a alta no preço dos combustíveis pressiona o preço do transporte que pode sofrer reajustes.

Os alimentos também ficam mais caros, a produção tem aumento de custos por decorrência do aumento da energia elétrica, o transporte fica mais caro por causa do preço dos combustíveis, no final das contas o poder de compra do trabalhador pode não sofrer alteração.

Além de ganhar pouco, quem depende do salário mínimo ainda tem que torcer muito para não perder o emprego, esse pode ser uma reflexo do desempenho econômico atual do país. Perder o emprego se tornou uma verdadeira tragédia depois do pacote de mudanças no seguro-desemprego. Principalmente se você está no primeiro emprego e ainda não atingiu 18 meses de trabalho, anteriormente bastava ter apenas 6 meses de carteira assinada para ter direito ao benefício.

O aumento do salário mínimo beneficia muito mais quem recebe vários salários, ou seja, se você ganhar uma ação na justiça e ela for calculada no salário mínimo você pode ser beneficiado. Por outro lado se você tiver que pagar um advogado em salário mínimos você sairá prejudicado.

Veja também: É possível viver com um salário mínimo?

Como anda a logística de transporte no Brasil?

Logística no Brasil

Transporte no Brasil

A greve dos motoristas no Brasil expõe um problema crônico que o país tem. Este problema é a dependência quase que na totalidade do transporte por meio de rodovias, mas precisamente por caminhões. Em pouco mais de uma semana de greve já começam a faltar produtos em supermercados, lojas, postos de combustíveis estão fechados, falta gás de cozinha e tudo aquilo que depende do transporte rodoviário fica com o prazo de entrega comprometido.

Grandes empresas alimentícias correm risco de parar as atividades por falta de insumos e por não poderem despachar seus produtos. Frigoríficos não conseguem enviar a carga processada. Portos não conseguem receber cargas comprometendo o embarque em navios. Ou seja, o país é realmente dependente do transporte rodoviário.

O Brasil nunca levou realmente a sério outras alternativas de transporte, como o ferroviário, hidroviário e aéreo. Esse modais de transporte existem, mas representam uma parcela pequena em comparação com o transporte rodoviário.

O Estado de Mato Grosso, maior produtor de grãos do país é totalmente dependente do transporte rodoviário para escoar a safra. Mesmo em se tratando de rodovias que é o principal meio para o transporte o Governo Federal deixa a desejar, como exemplo tem a BR 163 Cuiabá Santarém que poderia reduzir a distância e diminuir o fluxo de caminhões para o Sul e Sudeste. Esta rodovia foi aberta ainda nos anos 80 e até hoje ainda não foi totalmente asfaltada.

Hidrelétricas são construídas nos rios pelo país sem que exista no projeto a inclusão de eclusas para viabilizar o transporte por hidrovias.

Ferrovias demoram décadas para sair do papel, outras são mal projetadas e acabam sofrendo atrasos e custam muito mais do que deveriam.

Esse é o reflexo de décadas de descaso com a infraestrutura logística no país, sem caminhão o Brasil para, não totalmente, mas chega perto disso.

A falta de água no Brasil

Falta de água

falta de água

O Brasil esta passando por um problema sério de falta de água potável para abastecimento da população nas grandes cidades. Esse sempre foi um problema da Região Nordeste do país, porém nunca atingiu de maneira severa a Região Sudeste como acontece atualmente.

 

Os Estados de São Paulo, Rio de Janeiro e Minas Gerais enfrentam problemas com a falta de chuva. Aliás, está chovendo, porém mesmo que as chuvas se normalizem não é suficiente para recuperar o nível dos reservatórios em poucos meses. Isso ainda vai levar algum tempo, caso as chuvas caiam com normalidade. Mas de quem é a culpa da falta de água? O Governo Federal põe a culpa nos Estados, os Estados por sua vez culpam o Governo por falta de recursos. Já sei, a culpa é de São Pedro que não mandou chover o suficiente.

Tirando a ironia de lado, todos são culpados, é claro com exceção de São Pedro. A falta de chuvas em abundância já ocorre a algum tempo, esta situação que está aí agora poderia ser prevista. Governos estaduais e federal poderiam ter realizado investimentos para prevenir o pior. O racionamento de água poderia estar vigente a bastante tempo para reduzir o consumo de água. Os habitantes já deveriam estar fazendo economia de água desde o primeiro momento em que se ouviu sobre a possibilidade de faltar água.

E agora, o que fazer? Existem muitas soluções, algumas simples e outras bastante complicadas.

A solução mais simples é a economia, ou seja, a redução do consumo. Gestos simples que muitos estão careca de saber e mesmo assim não estão nem um pouco preocupados, só vão lembrar disso o dia que faltar água mesmo. Vamos ver algumas soluções simples.

Abrir o registro do chuveiro apenas para se molhar e depois fechar em seguida, só abrir novamente para enxaguar o corpo.

Manter a torneira fechada enquanto escova os dentes, enquanto lava a louça abrir apenas molhar e para enxaguar.

Lavar o carro em casa com um balde de água. Usar água da máquina de lavar roupas para limpar as calçadas.

Molhar as plantas só quando necessário.

Coletar água da chuva e armazená-la para limpeza da casa.

Lavar roupas apenas em grande quantidade evitando desperdício. Se você mora na beira de um córrego não jogue lixo nem esgoto dentro dele.

Soluções mais complicadas.

Despoluir rios como o Tietê.

Multar pesado empresas que poluem rios que poderiam fornecer água para a população. Multar pessoas que consomem muita água.

Tratar a água poluída para que possa ser consumida.

Utilizar a água do mar para consumo humano (retirar o sal), pode ser muito caro, mas é um absurdo ficar sem água com tanta água salgada que temos no planeta.

Fazer edificações sustentáveis que coletam a água da chuva e utilizam para limpeza e higienização de banheiros, tratamento da água antes de despejá-la no esgoto, ou reutilizá-la sempre que possível.

Recuperar nascentes, reflorestar beiras de rios.

Tudo isso não é ficção, na realidade já existe a tecnologia, apenas falta vontade e interesse de colocar em prática.

Também publicado em: http://www.administradores.com.br/artigos/cotidiano/a-falta-de-agua-no-brasil/85293/

Fonte da imagem: https://encrypted-tbn3.gstatic.com/images?q=tbn:ANd9GcS69EMU4drvG2wyVYjOHn-SSTEKJXHWOV88BHE08Nu3A4_oXg03ww

Older posts