Administração e Sucesso

Assuntos sobre administração, economia, política, atualidades, educação, dicas para Word, Excel e muito mais

Tag: Brasil (page 1 of 3)

Por que a educação no Brasil ainda é ruim?

Educação no Brasil

Educação no Brasil

Recentemente foi divulgado o resultado do Enem de 2014 com dados preocupantes. O desempenho dos estudantes piorou em alguns aspectos em relação ao ano de 2013. Entre as pioras uma queda de 7% no desempenho em matemática e o mais terrível de tudo. Mais de 500 mil tiraram nota zero em redação, ou seja, quase 10% dos estudantes que fizeram o Enem. Estes estudantes perdem a chance de entrarem na universidade neste ano por causa da nota zero em redação.

Isso tudo é reflexo do que? O Brasil diz que está investindo cada vez mais em educação, mas cadê a melhora?

Ainda temos poucos jovens na universidade. Também pudera em um país onde pouco mais da metade dos jovens conclui o ensino médio na idade correta. Se está investindo, então por que não melhora?

A resposta pode ser a seguinte. O Governo está investindo mais, porém ainda investe pouco em relação ao necessário.

Se perguntarmos a um jovem que está cursando o ensino médio qual é a profissão que ele deseja ter, dificilmente ouviremos que ele pretende ser professor. Isso é o reflexo da situação precária da educação brasileira. Onde um professor precisa trabalhar em três turnos para conseguir um salário razoável e em consequência não tem tempo para preparar aulas, corrigir provas e trabalhos. Por este motivo faltam professores qualificados nas escolas, onde ainda existem muitos professores em sala de aula que não possuem um curso superior. Sobra boa vontade, mas falta qualificação.

Nas universidades a situação não é muito diferente. O governo criou várias universidades e institutos federais, mas isso não era suficiente. Para tentar reverter a situação criou o ProUni, onde universidades privadas passaram a absorver aquilo que o governo não dava conta. Hoje as instituições privadas respondem pela maior parte das matrículas no ensino superior no Brasil.

As instituições privadas de nível superior geralmente possuem boa estrutura física, no entanto, falham no quesito quadro de professores. Enquanto nas universidades publicas a maioria dos docentes possui mestrado e doutorado, esta já não é a realidade das instituições privadas.

Pensam em virar professor apenas aqueles que amam a profissão, em muitas áreas as disciplinas são lecionadas por profissionais com outras formações o que acaba prejudicando o aprendizado.

Falta de estrutura + falta de qualificação + falta de investimento = alunos com baixo rendimento escolar

Fonte da imagem: http://www.blogdozebrao.com.br/v1/wp-content/uploads/2014/05/BRASIL-%C3%89-O-ANTEPEN%C3%9ALTIMO-EM-RANKING-GLOBAL-DA-EDUCA%C3%87%C3%83O.jpg

O Paraíso da Corrupção

o paraíso da corrupção

paraíso da corrupção

É isso o que o Brasil parece ser, o paraíso da corrupção. Um país onde as notícias sobre corrupção em todas as esferas do Governo são constantes. Um país onde quem desvia milhões dos cofres públicos fica preso pouco tempo, quando fica.

Um país onde uma das maiores empresas do país está tomada pela corrupção, fazendo com que aquilo que deveria gerar riquezas para o país está na verdade dando prejuízos. Um país onde as evidências sobre corrupção no Governo estão em toda parte e a justiça não é capaz de tomar uma atitude para tirar esta corja do poder. Por muito menos Collor sofreu um impeachment, dizem que contra ele existiam provas, mas contra o governo petista dizem não existir provas. Mas seria possível tanta corrupção ocorrer sem que o Governo não tivesse nenhum conhecimento disso?

A verdade é que o país possui muita riqueza, mas a aplicação dos recursos não é feita da maneira que deveria.

O país continua fazendo feio quando o assunto é educação, os indicadores não melhoram, metade dos jovens não conclui sequer o ensino médio. Um país onde grande parte dos professores não possui graduação. Um país onde os jovens não querem de maneira alguma tornarem-se professor. Isso porque o salário de professor é degradante, um professor precisa lecionar em três períodos para conseguir sobreviver e não tempo nem ao menos para preparar aulas.

Afinal para que estudar em um país onde a educação nunca foi uma prioridade do Governo, não é preciso ter diploma para aprender a ser corrupto. A impunidade que vemos em nosso país é um desestímulo para aqueles que ainda acreditam na honestidade e de quem ainda acredita que o Brasil pode ser uma país melhor para viver.

Corrupção no Brasil: a mudança deve começar em nossas atitudes

Corrupção no Brasil

Diga não à corrupção

A corrupção assola nosso país e constantemente ouvimos pessoas reclamando e pedindo mudanças na política brasileira. Porém, este é um problema difícil de ser resolvido. Recente pesquisa mostrou que a maioria dos brasileiros procuram sempre um jeitinho para burlar as regras. Pode parecer que não, mas pequenas atitudes típicas que cometemos no dia a dia são formas de corrupção, embora não façam o mesmo estrago das noticiadas na TV, são atitudes que prejudicam as pessoas e dão prejuízos para nosso país.

Todos sabem que é proibido ingerir bebida alcoólica e dirigir veículos, no entanto, as blitz de trânsito encontram com frequência pessoas sem a mínima condição de dirigir atrás de um volante. Pessoas bêbadas ao volante são responsáveis por milhares de mortes todos os anos. Além da perda de vidas, isso dá um prejuízo incalculável para o Governo com o uso dos hospitais para tratamento dos feridos em acidentes de trânsito.

Um dia destes, eu seguia com meu veículo quando de repente a pessoa que estava dirigindo o veículo a frente jogou uma lata de cerveja pela janela do veículo. São três infrações, dirigir sob a influência de álcool, utilizar apenas uma das mãos no volante e jogar lixo em via pública. Este é um exemplo de como as pessoas não respeitam as leis.

Posso enumerar várias atitudes que as pessoas fazem no dia a dia e acreditam que não estão fazendo nada de mais.

Dirigir veículo sem habilitação, com documento vencido, sem os documentos do veículo ou pessoais, excesso de velocidade, desrespeito a sinalização, desrespeito aos pedestres, veículo com pneus carecas e equipamentos de segurança que não funcionam.

Cortar filas, utilizar assentos reservados para pessoas que realmente precisam, subornar guardas de trânsito, utilizar a posição social para levar vantagens, não pagar dívidas no prazo combinado.

Subornar agentes públicos para ir para frente da lista de espera, receber benefícios sociais sabendo que não se enquadra nos critérios preestabelecidos, sair do emprego para receber seguro-desemprego, arrumar emprego e continuar sem registro para não perder o seguro-desemprego, utilizar veículos ou outros bens públicos para uso particular.

Exercer profissão ilegalmente, sonegar impostos, desviar dinheiro de obras de caridade, pedir isenção de taxa de concurso público sem ter direito, etc.

Estas são apenas algumas das situações que ocorrem diariamente e que são formas de corrupção ou descumprimento das leis.

Se quisermos um país menos corrupto temos que começar mudando nossas atitudes, não podemos exigir um país melhor quando nós mesmos não fazemos a nossa parte.

Fonte da imagem: http://radaramazonico.com.br/wp-content/uploads/2013/04/chega-de-corrup%C3%A7%C3%A3o.jpg

Bolsa Família: benefício social ou compra de votos legalizada?

Bolsa família: benefício ou compra de votos

Bolsa Família

O programa foi criado com o objetivo de diminuir a pobreza no país, ainda no Governo FHC. O Governo Lula unificou todos os benefícios e mudou o nome para Bolsa Família. Atualmente aproximadamente 14 milhões de famílias recebem o benefício, se levarmos em consideração que cada família possui 4 integrantes teremos 56 milhões de pessoas beneficiadas pelo programa.

Logo o Governo tem 14 milhões de votos garantidos, isso considerando que apenas uma pessoa da família é eleitor. Lembram-se daquele boato de que o Bolsa Família iria acabar. As agências da Caixa ficaram lotadas com pessoas desesperadas querendo sacar o dinheiro. Aquele episódio serviu para mostrar o medo que as pessoas beneficiadas têm de perder o benefício. Portanto, eu não acredito que alguém que recebe o benefício vote em outro candidato. Principalmente com o terrorismo eleitoral utilizado pelo PT dizendo que se a oposição ganhar o benefício seria extinto.

Existem no Brasil municípios onde quase a totalidade da população é beneficiada direta ou indiretamente pelo Bolsa Família, como Belágua – MA, onde Dilma obteve maior percentual de votos. Porém, a qualidade de vida nestes municípios é simplesmente horrível. Isso porque o benefício apenas garante um pouco o sustento das pessoas, mas não gera empregos para os beneficiados. Por falar em emprego, se uma pessoa da família estiver empregada recebendo um salário mínimo e existirem quatro integrantes na família, esta perde o direito de receber o benefício, porque ultrapassará o limite de renda por membro da família. Por outro lado, é possível aumentar a renda da família mesmo sem emprego, basta ter mais filhos. Vejam o exemplo da cidade onde Dilma obteve a maior votação, a população aumentou consideravelmente nos últimos anos. Segundo o IBGE a população de Belágua – MA aumentou 10% nos últimos 4 anos, e a maioria da população está concentrada na faixa etária de 5 a 9 anos e de 10 a 14 anos. Contra fatos não há argumentos.

O Bolsa Família se transformou em uma compra de votos legalizada. É uma maneira de manter os índices de desemprego em baixa, sem realmente gerar emprego, sendo que aqueles que possuem algum tipo de renda não são considerados desempregados.

Frota de veículos no Brasil dobrou em 10 anos

Veículos

Frota de veículos

A frota de automóveis no Brasil mais que dobrou nos últimos 10 anos, já a frota de motocicletas mais que quadruplicou neste mesmo período. Só automóveis já são mais de 40 milhões, motocicletas já são quase 20 milhões segundo dados do DENATRAN.

Se olharmos apenas o lado econômico, isso foi muito bom para o crescimento do comércio de veículos e mostra que o poder aquisitivo do brasileiro melhorou muito na última década. Principalmente com a facilidade em conseguir financiamentos para compra de veículos e incentivos do Governo com a redução de IPI.

Porém, quando olhamos para os congestionamentos nas grandes cidades, claramente percebemos que as cidades não se prepararam para esse aumento da frota. Dez anos atrás os congestionamentos eram notícia constante nos jornais e hoje não é diferente. As cidades não possuem infraestrutura para tanto carro e a péssima qualidade do transporte público obriga cada vez mais as pessoas a comprarem um veículo próprio aumentando cada vez mais o problema. Ou seja, o correto seria investir em transporte público de qualidade e em ciclovias.

A deficiência do transporte público ou até mesmo a sua inexistência pode explicar o fenômeno do crescimento do número de motocicletas no país. Quando analisamos a frota de veículos em algumas cidades percebemos que elas possuem uma frota compatível com a média nacional. Ou seja, mais automóveis do que motos. Ao verificarmos os dados de Curitiba Capital do Paraná, conhecida pela eficiência no transporte público, temos os seguintes dados. Aproximadamente 1 milhão de automóveis e pouco mais de 150 mil motocicletas ou motonetas. Agora observando uma pequena cidade que também tem transporte público que funciona, a cidade de União da Vitória-PR com pouco mais de 50 mil habitantes, tem pouco mais de 17 mil automóveis e pouco mais de 6 mil motocicletas e motonetas. Curitiba tem apenas 15% de motos se comparado aos automóveis e União da Vitória tem pouco mais de 35% de motos se comparado aos automóveis. (IBGE, 2013)

Agora comparamos uma cidade onde o transporte público é ineficiente. Alta Floresta-MT com aproximadamente 50 mil habitantes em maio de 2014 tinha 8.703 automóveis e mais de 20.000 entre motocicletas e motonetas. Até o ano de 2000 quando a cidade ainda tinha transporte coletivo que funcionava razoavelmente, a frota de automóveis era maior do que a de motocicletas. Hoje as motos já são mais que o dobro dos veículos.

Isso é o que acontece com praticamente todas as cidades onde não existe transporte público de qualidade. Existem mais motocicletas do que automóveis. Se o número de automóveis já impressiona, o número de motos é pior ainda. Um veículo leva até 5 passageiros, enquanto a motocicleta legalmente só pode levar duas pessoas. Uma coisa é certa, só com transporte público de qualidade e construção de ciclovias nas cidades é que o problema do congestionamento pode ser solucionado. Porém o que vemos é cada vez menos gente andando de bicicleta, principalmente pelo perigo de disputar espaço em meio aos veículos.

Privatização de indústrias brasileiras: foi bom ou ruim?

empresas e setores privatizados no Brasil

Privatização no Brasil

As privatizações realizadas pelos Governos brasileiros nas últimas décadas foram muito criticadas, diziam que o Governo estava entregando seu patrimônio para a iniciativa privada praticamente de graça, e isso traria prejuízos para o Brasil. Mas será que as privatizações foram mesmo um mau negócio? Vamos analisar as principais empresas e setores privatizados no Brasil.

  • Vale do Rio Doce

Hoje se chama simplesmente Vale, a empresa criada pelo Governo Getúlio Vargas foi privatizada na década de 90 pelo Governo Fernando Henrique Cardoso. A privatização recebeu muitas críticas, porém, após a privatização a Vale incorporou outras mineradoras e hoje é uma das maiores mineradoras do mundo e consequentemente uma das maiores empresas do mundo. Por mais que os problemas internos fossem resolvidos e a privatização não se concretizasse, dificilmente a empresa teria alcançado este porte e os lucros que tem atualmente.

  • Embraer

A empresa criada na década de 40 e que estava à beira da falência foi privatizada no início dos anos 90, hoje oscila entre terceira e quarta maior indústria aeronáutica do mundo. Portanto, dispensa comentários, de empresa quase falida está hoje entre as maiores do mundo.

  • Telefonia

A Telebrás foi privatizada na década de 90, na época em muitas localidades do país não existia serviço de telefonia e nem ao menos previsão de quando iria existir. Mesmo em regiões onde existia o serviço era preciso esperar até mais de um ano na fila e ainda pagar mais de mil reais por uma linha telefônica.

Atualmente basta querer para ter uma linha telefônica, tanto fixa como móvel. No Brasil existem mais celulares em operação do que o número de habitantes, nos lugares mais remotos existe o serviço de telefonia de no mínimo uma operadora. O setor de telefonia é campeão de reclamações por parte dos usuários, porém, é inegável o avanço nos serviços após a privatização do setor.

  • Energia

O setor de energia elétrica não foi totalmente privatizado, porém, o Brasil possui uma das tarifas elétricas mais caras do mundo. Portanto, pelo menos para o pequeno consumidor esse é um mau negócio e dispensa comentários.

  • Rodovias

Muitas rodovias brasileiras já foram concedidas à iniciativa privada e outras serão concedidas. O Governo mostra que não tem capacidade para manter as rodovias federais e estaduais em condições de trafegabilidade. A cobrança de pedágio é muito criticada principalmente por aqueles que utilizam as rodovias frequentemente, porém, é visível a qualidade das rodovias privatizadas quando comparadas com as que ainda estão sob a responsabilidade do Governo ou do Estado.

Existem rodovias que ficam anos e anos em péssimas condições de tráfego, no entanto, as cobranças por parte da população não surtem efeito. No caso das concessões as empresas são obrigadas a manter as rodovias em boas condições, além de promover melhorias e dar assistência aos usuários da via. Em caso de não cumprimento das obrigações o Estado pode revogar a concessão e realizar outra.

Campeão de vendas desde 1987, Volkswagen Gol está ameaçado, será?

Veículo líder de vendas no Brasil

Carro mais vendido

Vou falar de Gol, mas desta vez não tem nada a ver com Copa do Mundo.

Vinte e sete anos consecutivos o veículo mais vendido do Brasil, este sim merece o título de Campeão. O Volkswagen Gol superou outro campeão de vendas da própria marca, o Volkswagen Fusca foi líder de vendas entre 1959 e 1982. Aliás, desde 1959, apenas em quatro anos a Volkswagen não liderou as vendas anuais, de 1983 a 1986 a Chevrolet liderou as vendas com o Chevette e o Monza.

Desde então vários veículos tentaram bater o Gol, mas sem sucesso. O Volkswagen Gol passou por várias modificações, de Gol quadrado passou por uma total reestilização e passou a ser chamado de Gol bola, atualmente já está na quinta geração e mesmo apesar das mudanças continua líder de vendas. No entanto, neste ano os veículos fabricados no Brasil não podem ser produzidos sem freios ABS e Air Bag, fato que de certa forma obrigou a Volkswagen a encerrar a produção do Gol G4 que ainda estava em produção e ajudava significativamente nas vendas totais do Gol, pois eram computadas como se fossem apenas um veículo. A queda nas vendas é visível, no primeiro semestre de 2014 foram vendidos 93.611, contra 121.356 no primeiro semestre de 2013. A mesma coisa ocorreu com o Fiat Uno, segundo colocado nas vendas em 2013, as vendas do Uno Mille eram computadas as do novo Fiat Uno, com o fim da produção do Uno Mille em 2014 as vendas despencaram e no primeiro semestre de 2014 o Fiat Uno é apenas o 6º veículo mais vendido. No primeiro semestre de 2013 foram vendidas 96.508 unidades contra apenas 61.049 unidades no primeiro semestre de 2014.

Porém, a Fiat tinha a segunda e terceira colocação nas vendas, o Fiat Palio assumiu a segunda colocação e mesmo mantendo a mesma média de vendas do ano passado já está ameaçando o reinado do Volkswagen Gol, no acumulado de 2014 a diferença é de apenas 10.721 unidades a mais para o Gol, e neste ano o Palio já superou o Gol em duas ocasiões, no mês de março e novamente agora no mês de junho. Será que é o fim da liderança está a caminho?

Apesar da Volkswagen  ter o carro mais vendido, a liderança das vendas é da Fiat, certamente seria ruim para a Volkswagen perder também a posição de carro mais vendido, justamente para a líder de vendas no Brasil.

 

E o Brasil não ganhou a Copa

Copa do Mundo no Brasil

Brasil perde a Copa em casa mais uma vez

Desde o início da Copa a seleção brasileira não apresentou bom futebol, por isso a minha desconfiança quanto a conquista do título pela seleção brasileira. Quase a seleção foi eliminada pelo Chile e depois também sofreu para derrotar a seleção da Colômbia. Chegamos a semifinal sem enfrentar uma grande seleção. Mas desta vez pela nossa frente tínhamos a seleção da Alemanha.

Os brasileiros estavam confiantes na vitória, mas em um jogo destes não existe favorito, qualquer um pode vencer. Muito se falou que Neymar faria falta para a seleção, concordo que sim, mas não a ponto de abalar o time da maneira que aconteceu. Afinal, se o Neymar fez tanta falta assim, então quer dizer que todos tinham razão, a seleção era dependente do Neymar?

Prefiro acreditar que não. Uma seleção brasileira não pode depender apenas de um jogador com tantos craques que temos no país. Prefiro acreditar que faltou experiência e principalmente qualidade para alguns jogadores, não por deficiência técnica, mas sim por má fase de alguns dos jogadores. Também faltou controle emocional, disseram que o fator emocional não estava atrapalhando, mas não foi isto que vimos no jogo. Depois do primeiro gol o time se perdeu em campo. Levar cinco gols em menos de trinta minutos de jogo, sendo quatro gols em sequência, isso não tem desculpa.

Entre as seleções campeãs mundiais a França jogou duas copas em casa ganhou uma, a Alemanha também, a Itália também. A Argentina, a Inglaterra e o Uruguai jogaram apenas uma Copa em casa e venceram. O Brasil passou a ser a única seleção que jogou duas Copas em casa e perdeu as duas. Derrota no Maracanã lotado em 1950 na final e vexame nesta Copa de 2014 perdendo de goleada para a Alemanha na semifinal por incríveis 7 X 1, a maior goleada da história, justamente em uma Copa disputada no Brasil. A Espanha fica de fora porque sediou apenas uma Copa em 1982 quando ainda nem era Campeã.

Uma coisa é certa, não coloquem um técnico campeão da Copa pela seleção brasileira para tentar outro título, Zagallo ganhou em 1970 e perdeu em 1998, Parreira ganhou em 1994 e perdeu em 2006, Felipão ganhou em 2002 e tentou neste ano, definitivamente isto não dá certo.

Em 2002 Felipão foi contra o clamor popular e não levou Romário, mas Ronaldo fenômeno e Rivaldo foram excelentes e o Brasil ganhou. A mesma sorte não teve Dunga em 2010, não levou Neymar e P. H. Ganso em ótima fase no Santos, o resultado todos sabem.

Felipão também foi muito criticado pela lista de convocados, levou jogadores que não estavam em boa fase ou em recuperação de lesão. Os torcedores estavam com razão, em seis jogos Fred fez apenas um gol, Hulk não marcou nenhum. Onde já se viu atacante que não faz gol? Não vou falar de qual jogador deveria ser convocado, mas tínhamos jogadores em boa fase que não foram convocados por preferência do treinador.

Agora resta esperar a próxima Copa na Rússia em 2018.

Uma Análise sobre os Carros mais Vendidos no Brasil

Veículos mais vendidos do Brasil

Carros mais vendidos

O Brasil já teve como carro mais vendido o VW Fusca durante 24 anos consecutivos e atualmente Volkswagen mantém a liderança de vendas com o VW Gol desde o ano de 1987. Entre a segunda, terceira e outras posições alguns carros figuram constantemente. Entre os anos de 2010 e 2013 o Fiat Uno foi o segundo carro mais vendido do Brasil. O Fiat Palio foi o segundo carro mais vendido entre os anos de 2006 e 2009 e no início de 2014 recuperou a segunda colocação nas vendas, roubando a colocação do Fiat Uno que teve queda nas vendas, o que pode ser consequência da saída de linha do Fiat Mille em 2014.

Atualmente o Fiat Uno perdeu até a terceira colocação nas vendas, o Fiat Strada assumiu a terceira colocação nas vendas nos primeiros quatro meses de 2014. Aliás, a quarta colocação do Fiat Uno está ameaçada pela entrada no mercado do GM Onix. No acumulado das vendas nos primeiros quatro meses de 2014 a vantagem do Fiat Uno sobre o Onix é de pouco mais de 1.000 unidades.

Nos anos de 2010 e 2011 o GM Celta foi o terceiro carro mais vendido do Brasil. Atualmente as vendas do Celta despencaram, no acumulado de 2014 o GM Celta está na 16ª colocação nas vendas. O motivo pode ser a falta de inovação, pois o carro é praticamente o mesmo desde o seu lançamento no ano de 2000.

Carros lançados recentemente estão entre os 10 carros mais vendidos do país, GM Onix está na 5º posição,  Hyunday HB20 está na 8ª posição. O GM Prisma que no ano de 2012 ocupava apenas a 27ª colocação nas vendas passou por mudanças e a partir do ano de 2013 virou o GM “Onix sedan”. Com a mudança de visual as vendas aceleraram e o GM Prisma já ocupa a 11ª colocação nas vendas nos primeiros 4 meses de 2014.

Observa-se claramente que os veículos que estão com o visual desgastado tiveram quedas nas vendas, entre eles o GM Celta, GM Classic. Ambos perderam vendas para os próprios carros da GM, como o Onix e o Prisma.

Na VW observa-se o caso do Fox que ocupava a 5ª colocação nas vendas e caiu para 9ª colocação nos primeiros meses de 2014. O próprio gol está em perigo no posto de carro mais vendido, nos meses de fevereiro, março e abril as vendas do Fiat Palio ficaram bem próximas das vendas do VW Gol, sendo que o Fiat Palio foi o carro mais vendido no mês de março de 2014. Acontece que o VW Gol é praticamente o mesmo carro desde o ano de 2009, basicamente ocorreram alterações na frente e traseira, sendo que a traseira ficou mais feia do que antes, na minha opinião.

Qual é a lógica então para este carro ser o mais vendido até hoje. Primeiramente o preço, segundo a confiabilidade que os consumidores possuem na marca VW, porém com a obrigatoriedade do Air Bag e Freios ABS o carro já não ficou assim tão barato. Aliás, um VW Gol completo fica mais carro do que muitos de seus concorrentes. Outro detalhe foi a saída de linha do VW Gol G4 que ocasionou perca nas vendas para o Gol.

A lógica tem sido esta, carros mais baratos são os que vendem mais, porém com a obrigatoriedade o Air Bag e freios ABS e com a entrada de concorrentes fortes no mercado que oferecem preços razoáveis por veículos completos, este panorama esta mudando um pouco. Quando falo em veículo completo não digo tudo aquilo que um veículo pode ter, mas o básico para o conforto, ar-condicionado, direção hidráulica, vidros elétricos, alarme.

Se analisarmos as vendas do mês de abril e excluirmos os comerciais leves temos outro panorama. O GM Onix fica em terceiro lugar, o Fiat Uno cai para quinto, o Hyundai HB20 fica em sexto e o GM Prisma na nona posição. A Fiat está com folga na liderança de vendas, enquanto GM e VW ocupam segunda e terceira colocação numa disputa acirrada. O VW Up ainda não é sucesso de vendas, mas isso pode mudar nos próximos meses.

1º VW /GOL 16.963
2º FIAT /PALIO 15.409
3º GM /ONIX 13.247
4º FORD /FIESTA 12.042
5º FIAT /UNO 11.286
6º HYUNDAI/HB20 9.715
7º FIAT /SIENA 8.940
8º RENAULT/SANDERO 8.746
9º GM /PRISMA 8.122
10º VW/FOX/CROSS FOX 7.770

Fonte: http://quatrorodas.abril.com.br/autoservico/top50/2014.shtml

Fonte: http://www.noticiasautomotivas.com.br/os-carros-mais-vendidos-de-abril-de-2014/

Educação não é Prioridade no Brasil

Educação no Brasil

Educação

Por mais que o Governo tente dizer o contrário, a educação ainda está longe de ser prioridade no país. Nos últimos anos o Governo Federal investiu maciçamente no ensino superior criando várias universidades federais e institutos federais de educação tecnológica. Apesar dos investimentos na rede pública a rede privada ainda é responsável pelo maior número de matrículas no ensino superior de acordo com o Censo da Educação Superior de 2011. O número de matrículas aumentou nos últimos anos, mas o Brasil ainda está longe de alcançar números como o dos países desenvolvidos.

O Governo criou o FIES, programa de financiamento estudantil onde o estudante só começa a pagar o valor referente ao curso após concluir a graduação e começar a trabalhar. Criou também o ProUni onde o estudante pode conseguir estudar totalmente de graça em uma instituição particular. A instituição só pode oferecer o FIES se obedecer a certos critérios impostos pelo Ministério da Educação, no caso do ProUni a instituição recebe isenção de alguns impostos. Tudo isto para ver se o Brasil consegue atingir níveis satisfatórios de matriculas no ensino superior.

Mas e a educação básica onde fica? Certamente que ela é a base para uma boa nota no vestibular, no Enem e se não for de boa qualidade pode contribuir para a evasão no ensino superior. Antes de investir em educação superior era preciso que o país desse melhor atenção para a educação básica. Percebe-se que melhorou bastante, mas ainda está longe do ideal. Frequentemente são noticiadas situações de escolas que estão quase caindo na cabeça dos alunos, falta de carteiras escolares, inexistência de transporte escolar, professores mal remunerados. Greves ocorrem com frequência, mas a situação está longe da ideal. Muitas escolas nem ao menos possuem biblioteca.

No ensino superior o Governo dá bolsas do ProUni, e a na educação básica o governo faz o quê? Certamente que diante da situação caótica do ensino público muitos pais gostariam de colocar seus filhos em escolas particulares. No entanto, quem faz isso não tem muito incentivo. Na maioria dos casos quem paga colégio particular declara imposto de renda, na declaração de imposto de renda deste ano por exemplo, só é permitido deduzir R$ 3.230,46 por dependente. Manter um filho durante um ano na escola pagando apenas este valor é praticamente impossível.

Vemos exemplos de escolas públicas onde a situação é excelente, onde o ensino é de alta qualidade, pena que isso seja a minoria.

Older posts
Administração e Sucesso
Assign a menu in the Left Menu options.
Assign a menu in the Right Menu options.