Administração e Sucesso

Assuntos sobre administração, economia, política, atualidades, educação, dicas para Word, Excel e muito mais

Category: Recursos Humanos (page 1 of 3)

Alta performance no trabalho com Six sigma

Apesar de ser engenheiro, a administração é uma das carreiras e profissões que mais admiro. Ver competências exatas e humanas num só profissional, tornam essa categoria algo raro de se encontrar, principalmente porque atualmente todo negócio precisa. Hoje, as profissões que mais crescem são aquelas relacionadas à interface negócio e tecnologia e, para isso, as competências dos números atreladas à gestão de pessoas são fundamentais.

six sigma

Durante esses 10 anos em que leciono certificações Green Belt e Black Belt, pude ver administradores dando show. Muitos, começam tímidos no curso, mas aos poucos vão se soltando e mostrando toda competência, com destaque na hora de vender o projeto. Muitos de nossos ex-alunos foram promovidos após seu primeiro projeto, pois conseguiram agregar uma fundamentação estatística à sua capacidade nata de explicação.

Lembro-me de um administrador que nos contou que após o Green Belt, ele finalmente havia adquirido segurança na hora de mostrar os dados. Nenhum engenheiro iria questionar mais seus gráficos ou suas análises de tendência. E, caso questionasse, ele tinha base estatística suficiente para discutir de igual para igual e, dado sua habilidade de negociação, demonstrar a todos que estava certo.

Antes de pensar que estou contando casos de pescador, posso atestar que é verdade. Em um grande cliente nosso, do ramo de embalagens, os dois principais responsáveis pelo programa WCM (World Class Manufacturing) eram administradores. E, eles dão show na hora de ir até o gemba (chão de fábrica) e analisar as causas técnicas para um determinado tipo de problema. E por que? Porque eles complementaram seus estudos com o Lean Seis Sigma.

Nessa grande empresa, uma vez observei algo interessante. Durante uma apresentação, enquanto falava sobre as causas de parada em determinada máquina, o administrador foi interrompido. Tal pausa foi solicitada por um engenheiro que alegava não ser necessário visualizar mais um Gráfico de Pareto, já que o problema demandava um teste de hipótese. Na visão desse profissional, o administrador iria mostrar um Pareto com o número de ocorrências para cada modo de falha e iria encerrar com um plano de ação para resolvê-lo. Porém, grande foi a surpresa quando no próximo slide o administrador mostrou um teste de hipótese. Por meio da análise de variâncias, o administrador mostrou que os erros ocorriam quando a peça M25 era produzida pelo turno da noite. Foi uma análise matadora.

De repente, o engenheiro que classificava os administradores como profissionais do Pareto calou-se. E, triunfante pudemos aplaudir a análise certeira. Com aqueles dados na mão, não restava dúvidas: o problema estava no turno 2 fazendo a peça M25.

Depois do diagnóstico, o Green Belt propôs um plano de ação. Mas precisamos falar que não era um plano de ação comum, saído da imaginação. Era um plano fundamentado por uma análise de 5 porquês completa. Cada um dos porquês foi analisado e testado por meio de um PDSA e ao final, ficou claro que todo o trabalho fora construído por meio do método. Cada porquê foi sendo desvendado e, ao final, chegou-se que o problema era uma regulagem da máquina que se perdia quando a temperatura ambiente ultrapassava 32°C. E, tal temperatura era mais frequente no turno 2.

Diante dessa aula de Lean Seis Sigma, o engenheiro não se conteve. Perguntou sobre o motivo daquilo acontecer assim. Qual era afinal a análise física do problema? E lá começou nosso administrador a explicar que aquela peça tinha uma rugosidade maior e, portanto, era mais sensível à alteração na viscosidade do fluído. Nos dias de calor, quando a temperatura ultrapassa os 32 °C, a viscosidade do fluído chegava no limite e a peça começava a sair com defeito.

E como resolver esse problema? Nosso analista (hoje é gerente WCM) resolveu propor a alteração no processo. Solicitou a inclusão de um aditivo, de baixo custo, que reduzia a alteração na viscosidade do fluído e assim, solucionou um problema que causava prejuízos da ordem de 5 milhões por ano na empresa. Quando atrelamos um problema de 5 milhões anuais na empresa com um administrador Green Belt bem formado, obtivemos um dos melhores primeiros projetos de todos os nossos alunos até hoje.

Tal fato, ajuda provar a tese de que o retorno do investimento em educação, é certo. Esse fato foi comprovado num estudo realizado pela FGV chamado Você no Mercado de Trabalho. No estudo, os pesquisadores concluíram que um ano a mais de estudo aumenta o salário em 15,07%. A pesquisa reforça que ainda que quanto maior o período de estudo, mais esse número aumenta. Quando alguém que possui graduação, como é o caso do administrador, agrega mais um ano de estudo, o salário médio sobe 47%.

Por isso, quando um administrador cursa toda carreira Lean Seis Sigma, isto é, Green Belt, Black Belt e Master Black Belt, espera-se que seu salário aumente 150%. Em média, cada uma dessas formações levam um ano entre a parte teórica e a finalização do projeto na empresa. Portanto, com 3 anos a mais de estudo, um administrador que começou seu Green Belt com um salário de R$ 4.000,00, tem a expectativa de chegar ao final do Master Black Belt com uma proposta na casa dos R$ 12.000,00. Em três anos, você investirá cerca de R$ 7.000,00 nesses cursos e terá no primeiro mês, recuperado todo seu investimento. Vale a pena um retorno desses ou não?

Quantos analistas eu conheço que durante sua formação Lean Seis Sigma chegaram à Gerentes ou Especialistas, dando o salto salarial que mostramos acima. E, pela baixa produtividade e escolaridade do país, o Brasil é um dos países, segundo a pesquisa da FGV que apresenta maior retorno no investimento em educação. Mas como disse anteriormente, essa vantagem para nós, brasileiros que estudamos, começa se manifestar para valer após a graduação. Portanto, administradores, continuem firmes na sua trajetória de estudo, porque cada ano trará um retorno bastante vantajoso.

Mais informações nos links do texto e a seguir:

http://www.fm2s.com.br/

http://www.fm2s.com.br/green-belt/

http://www.fm2s.com.br/black-belt/


Este é um artigo patrocinado.

Assédio moral no trabalho

Assédio moral no trabalho. Talvez você nunca tenha passado por isso, mas certamente já presenciou o fato ou ficou sabendo de alguém que enfrentou o problema.

Assédio moral no trabalho

Primeiramente precisamos entender o que é tratado como assédio moral, não confundam com assédio sexual que é outro problema, mas com características diferentes.

Assédio moral é quando o trabalhador(a) é exposto a situações que de certa forma o humilham ou causam constrangimento durante as suas atividades no trabalho. Esse constrangimento ocorre com frequência e tende a ocasionar a desistência do emprego por parte do trabalhador por não suportar tanta humilhação. Geralmente esses casos acontecem em estruturas hierárquicas onde o superior usa de sua autoridade para constranger o subordinado, mas não necessariamente é uma regra.

O constrangimento ou humilhação geralmente acontece em frente à outras pessoas que trabalham no mesmo setor ou empresa deixando a pessoa totalmente desestabilizada e ridicularizada na frente de seus colegas.

O assédio moral pode ocorrer por algum motivo específico, mas também pode ser um vício do superior imediato que acredita que pode falar o que quiser e na hora que quiser coisas que humilham o funcionário. Como chamar a atenção por ter cometido um erro, por exemplo, fazendo isso de maneira grosseira em frente aos colegas de trabalho.

Se o problema aconteceu apenas uma vez como fato isolado isso não é motivo para ser considerado como assédio moral no trabalho, mas se acontece com frequência então é preciso tomar uma atitude. Se existem testemunhas peça a ajuda e denuncie ao sindicato ou diretamente à justiça do trabalho.

Esses caso só diminuirão se quem sofre assédio moral fazer a denúncia, geralmente a pessoa prefere deixar o emprego por medo de ficar com a “ficha suja” e não conseguir emprego em outra empresa por ter feito uma denúncia. No entanto, essa prática de falar mal de um ex-empregado para outra empresa também é uma atitude que pode ser denunciada à justiça do trabalho.

Porque você deve fazer networking:

Networking é um conceito que remete à rede de contatos ou específicas conexões com empresas ou pessoas. Esta rede é um compartilhamento de serviços entre grupos com interesses comuns. É uma palavra relacionada ao setor empresarial e business. O foco não está na quantidade de contatos e, sim, na qualidade deles.

Networking

O networking tem se tornado uma prática recorrente dentro de grupos empresariais. A prática não consiste em encontrar pessoas da mesma área no LinkedIn e adicioná-las sem que exista filtragem. E nem deve ser entendida como algo unilateral e egoísta. Aqui, seguem dicas que ajudam a fazer um bom networking:

  1. Frequente uma grande quantidade de locais:

 

É importante saber que a rede de contatos pode ser estabelecida em diversos locais e situações. Portanto, frequente diferentes encontros corporativos, congressos e reuniões, porém, não despreze contatos em viagens e momentos de lazer. O cartão de visitas em mãos sempre será útil!

  1. Não procure as pessoas apenas para pedir favores:

Busque se aproximar dos parceiros durante o tempo todo. A aproximação que só ocorre no momento do interesse não é eficiente. Afinal, as pessoas se lembrarão de indicar empresas e serviços se estiverem em contato constante, independentemente da situação.

  1.  Tome cuidado com a auto-exposição:

A auto-exposição deve ser cautelada. Outras empresas e pessoas físicas – de networkings em comum – estão aguardando um erro para atacar. Não compartilhe qualquer foto, mensagem, e-mail ou postagens em redes sociais com qualquer amigo ou membro da sua rede de contatos. Não é interessante manchar a reputação e a imagem.

  1. Pesquise sobre as outras empresas e seus eventos:

É primordial reconhecer os diferenciais e quesitos de alto valor dos membros da rede de contatos. Saiba com quem está lidando e também sobre quais assuntos determinada companhia tratará em seu evento. Através de boas pesquisas, sua empresa poderá ser porta-voz em congressos e palestras, também auxilia mostrando o que as companhias possuem em comum ou se, às vezes, não é interessante que se mantenham no mesmo networking.

  1.  Dê seguimento aos contatos:

O sucesso no networking depende do que ocorrerá após a entrada de alguém no meio de contatos. Refira-se às pessoas dando importância a elas e lembrando dos assuntos tratados na conversa anterior. Envie mensagens de agradecimento e mande lembranças. Indique boas pessoas jurídicas e de confiança, assim, os contatos antigos estarão em movimentação.

  1. Utilize as redes sociais para novas conexões:

Através do Linkedin, de longe, a melhor rede social para relacionamentos profissionais, os interesses em comuns podem ser ligados e, pela internet o assunto será desenvolvido e reuniões presenciais serão interessantes para alinhar os projetos e serviços. Grupos do Facebook auxiliam no momento de start-ups compreenderem quem serão seus futuros concorrentes. Instagram e SnapChat são os aplicativos para interação com os usuários de seu serviço e com bons jornalistas e pessoas da mídia.

(LINK PARA VIRTUAL OFFICE http://www.virtualoffice.com.br/porque-voce-deve-fazer-networking/)

Texto escrito por Virtual Office e cedido para publicação aqui no Blog.

 

Sua empresa oferece infraestrutura adequada para os funcionários se desenvolverem?

Atualmente, a gestão de pessoas ocupa um patamar de extrema importância dentro do planejamento estratégico de uma organização, e pode ser definida como a função organizacional responsável por providenciar, capacitar, desenvolver, motivar e reter talentos dentro da empresa.

Sua empresa oferece infraestrutura adequada

Para que pessoas capacitadas se sintam motivadas a continuar dentro de determinada companhia é preciso que a mesma providencie uma infraestrutura adequada para o desenvolvimento e crescimento de seus funcionários.

É importante dar os meios necessários ao invés de entregar as respostas, por isso uma gerência que não centraliza as decisões é tão valiosa. Para que os trabalhadores de desenvolvam é preciso deixá-los decidir também, ainda que isso resulte em erro algumas vezes. Além disso, arcar com responsabilidades desenvolve senso de maturidade e comprometimento, agregando valor ao crescimento do funcionário.

Um ambiente corporativo que da liberdade para o funcionário propor e participar auxilia nesse desenvolvimento, mas é importante que o colaborador sempre se responsabilize por suas atitudes. Cenários corporativos onde o trabalhador vive em constante pressão e não há reconhecimento são inapropriados para o desenvolvimento dos mesmos.

Além disso, organizações que investem nos seus funcionários têm grande chance de retê-los e, assim, conquistarem um recurso humano mais valioso e desenvolvido. Por isso, cursos, treinamentos e atividades que vão além do operacional são importantes de serem levadas em conta. Tudo isso agrega valor ao trabalhador e, consequentemente, a organização que o tem como membro da equipe.

Este artigo foi escrito por Virtual Office e cedido para o Blog

(LINK PARA VIRTUAL OFFICE: http://www.virtualoffice.com.br/sua-empresa-oferece-infraestrutura-adequada-para-os-funcionarios-se-desenvolverem/)

Assiduidade e pontualidade no trabalho

A assiduidade e pontualidade no trabalho são duas coisas que o setor de RH verifica ao avaliar seus funcionários.

Assiduidade e pontualidade no trabalho

Pontualidade no trabalho

As empresas contratam pessoas porque precisam delas para o seu funcionamento, então sempre que um de seus funcionários falta ao trabalho isso gera algum transtorno. Em uma indústria um setor de produção pode ficar parado ocasionando prejuízos. Em um comércio as vendas podem ser prejudicadas pela falta do vendedor, em uma oficina a falta de um mecânico pode deixar vários veículos sem o conserto. Estes são apenas um exemplo de prejuízos para a empresa. A penalidade para o trabalhador é o desconto do salário do dia em que o mesmo faltou ao trabalho sem justificativa. Ou seja, as faltas não amparadas pela lei, como a falta para tratar de assuntos particulares, ou por abusos durante o fim de semana, geralmente com bebidas.

A constante falta de assiduidade pode ser motivo de demissão, como disse anteriormente a empresa contrata uma pessoa porque precisa do funcionário, não é apenas para fazer caridade.

Outro problema enfrentado pelas empresa é a pontualidade. Se você costuma chegar atrasado em todos os seus compromissos sociais isto não chega a ser um grande problema. Mas se você não consegue chegar no local de trabalho no horário combinado isso é um grande problema. Muitas empresas já utilizam o ponto eletrônico para o controle de frequência dos funcionários, ou seja, se você chegar atrasado todos os dias, no final da semana as horas trabalhadas serão menos do que deveriam.

Existem vários fatores que podem ocasionar o atraso, a distância da residência até o local de trabalho, o atraso do transporte, congestionamento do trânsito, etc. No entanto, a famosa desculpa “perdi a hora” já não cola mais. Hoje em dia qualquer pessoa possui celular e estes possuem despertador que funciona até mesmo quando o celular está desligado. Então é só não esquecer de colocar ele para despertar.

Outra coisa, se você mora longe do trabalho o tempo de locomoção deve ser levado em consideração. Se são necessários 30 minutos para chegar ao trabalho logicamente que você chegará atrasado saindo de casa restando apenas 20 minutos do tempo.

Chegar atraso vez ou outra é até aceitável, mas isto não pode virar uma rotina e precisa ser respeitado por todos os funcionários da empresa sem exceção.

A seleção de pessoas na empresa

Seleção de pessoas, o próprio nome já diz tudo. As empresas fazem a seleção de pessoas para trabalharem nos locais que existe vaga em aberto. As pessoas possuem características diferentes umas das outras, se as pessoas fossem todas iguais não haveria a necessidade de realizar uma seleção.

Seleção de pessoas

Seleção de pessoal

Em alguns casos a pessoa até possui os requisitos necessários para exercer a função, mas o seu perfil impede que seja escolhido para o cargo durante a seleção. Isso porque as pessoas não são iguais, algumas tem dificuldade de relacionamento interpessoal, outras não sabem se comportar adequadamente no ambiente de trabalho, outras confundem humor com piadas de mal gosto, gostam de criticar, mas não aceitam críticas, pensam apenas em qual será o seu salário sem se importar com a importância do seu cargo para a empresa, etc.

Tudo isto é avaliado durante uma seleção de emprego, mesmo que não diretamente e muitas vezes até passe despercebido por você. A sua postura, a roupa que está usando, a maneira que responde as perguntas e até mesmo o nervosismo demonstrado durante a entrevista podem jogar contra você.

Se você está pretendendo trabalhar em um escritório deve ir para a entrevista bem vestido, já imaginou chegar para a entrevista de roupa indiscreta e usando boné. Ou no caso das mulheres usarem roupas provocantes demais para tentar ganhar pontos na seleção.

Geralmente a seleção acontece após a avaliação dos currículos que foram entregues na empresa, um bom currículo pode ser o primeiro passo para garantir a vaga. Não minta, coloque no currículo apenas aquilo que é a verdade, coisas sem importância você pode deixar de lado. Qual o sentido de colocar no currículo que você possui experiência como padeiro se a intenção é conseguir uma vaga de vendedor?

Também existem as habilidades que não podem ser comprovadas através do currículo, você pode ser um excelente vendedor sem nunca ter passado por um treinamento em vendas. Neste caso o que vale é a sua palavra, sua argumentação para convencer o selecionador.

Portanto, se prepare para a seleção, caso contrário suas chances serão praticamente inexistentes.

Relacionamento interpessoal no trabalho

Estamos a todo momento em contato com pessoas no contexto familiar, na rua, no shopping, na igreja e em algumas ocasiões podemos escolher com qual pessoas queremos nos relacionar. No entanto, existe um local onde não é possível escolhermos com quem iremos ter o relacionamento interpessoal, e este lugar é o trabalho.

Relacionamento interpessoal

Relacionamento interpessoal na empresa

Em nosso trabalho somos simplesmente colocados junto a outras pessoas que muitas vezes são desconhecidas e não temos a opção de escolha. Temos que nos adaptar ao ambiente e as outras pessoas mantendo um bom relacionamento interpessoal. Não apenas em nosso setor de trabalho, mas em toda a empresa. De nada adianta manter um ótimo relacionamento com as pessoas do meu setor e não dar a atenção necessária para as outras pessoas da instituição.

Como disse, quando escolhemos as pessoas é fácil, mas na empresa somos colocados frente a frente a pessoas com diferenças de comportamento, religião, humor, idade, sexo, costumes, etc.

Precisamos saber lidar com as diferenças e algumas atitudes podem ajudar a você fazer isso:

Diga bom dia aos seus colegas, não apenas aos do setor, se alguém não lhe deu a resposta não fique chateado, persista na sua atitude;

Evite a fofoca, se soube de alguma coisa que pode prejudicar seu colega, não espalhe, faça uma reflexão. Siga as três lições de Sócrates. Isso é verdade? Isso é bom para o meu colega? Isso vai ter alguma utilidade? Se a resposta para as perguntas for não, então não espalhe nada;

Fez algo errado? Assuma seu erro, nunca tente colocar a culpa nos colegas;

Esteja disposto a ajudar sempre que possível;

Ouça o que os outros tem a lhe dizer mesmo que você discorde da ideia;

Se você não gosta de ofensas, então não ofenda. Se for ofendido procure ficar calmo, na hora do acontecido podemos dizer um monte de coisas que não gostaríamos e isso só vai piorar as coisas;

Diga não sempre que necessário. Se você disser sim sempre irá se sobrecarregar e dizer não ficará cada vez mais difícil;

Pense no sentimento dos outros, da mesma maneira que você gostaria de ser tratado, trate as pessoas.

Isso não é uma regra e nem são as únicas dicas, mas são dicas que podem ajudar você a melhorar seu relacionamento interpessoal na empresa.

WhatsApp: o exagero pode ser prejudicial

O WhatsApp é um aplicativo fantástico que permite a comunicação rápida entre as pessoas.

É possível enviar vídeos, fotos, notícias e agora até ligações podem ser feitas através do aplicativo. Alguns dizem que não vivem sem o WhatsApp, eu porém até pouco tempo não tinha o aplicativo e não penso desta maneira. O WhatsApp é sim muito bom, você pode tirar uma foto ou fazer um vídeo e enviá-lo rapidamente para todos os seu s contatos. Pode conversar com as pessoas mesmo estando em outras cidades, pode inclusive fazer pequenas discussões dentro de um grupo para decidir sobre determinados assuntos, como no trabalho, por exemplo.

WhatsApp

WhatsApp

Bom, já vimos as vantagens. Agora vamos ver os problemas do WhatsApp.

Existem pessoas que compartilham tudo o que vêem pela frente, logo se você é amigo de uma pessoa dessas e têm vários amigos iguais a este, fatalmente receberá uma enxurrada de mensagens diariamente. Dependendo do seu tempo você nem ao menos conseguirá ler todas as mensagens recebidas.

O aplicativo serve para troca de mensagens entre as pessoas que estão longe, porém muitos utilizam para conversar quando estão a poucos metros de distância, ou seja, substituem a conversa por mensagens.

Existem pessoas que não possuem controle, não podem ver a luz piscar que imediatamente precisam olhar e ler a mensagem recebida. Existem até mesmo empresas que estão reclamando do uso exagerado do WhatsApp, ou seja, as pessoas deixam o cliente esperando porque estão no WhatsApp. Ou ainda, enquanto fazem o atendimento continuam prestando atenção no aplicativo e lendo as mensagens. A empresa pode colocar isso dentro das regras e impedir que o funcionário utilize o celular durante o expediente, principalmente se afetar o desempenho da empresa.

O WhatsApp é uma ferramenta muito útil e como tudo nesta vida precisa ser utilizado com inteligência e cautela. Existem pessoas viciadas em WhatsApp, e isso realmente é um problema. Mas para aqueles que utilizem de maneira adequada não existe problema algum.

E você, tem controle sobre o uso do WhatsApp ou já ficou viciado no aplicativo?

Você gosta do que faz

Muitas pessoas estão insatisfeitas com seus empregos. Você gosta do que faz?

Você gosta do que faz

Emprego

Na atualidade com o desemprego com os índices aumentando esta não deveria ser uma realidade. Muitas pessoas estão dispostas a encarar qualquer tipo de trabalho, pois não encontram emprego em lugar algum, muito menos podem escolher onde trabalhar.

Na realidade são poucas as pessoas que podem escolher onde trabalhar, geralmente as altamente capacitadas em áreas especificas se dão ao luxo de escolherem o que querem fazer. Para a maioria esta não é a realidade.

Se trabalha porque precisa, não porque se gosta. O trabalho é uma necessidade, não uma simples escolha que fazemos em nossas vidas. Podemos sim nos capacitar para tentar escolher o emprego que gostamos. Porém poucas pessoas conseguem unir o útil ao agradável, trabalhar e ainda gostar do que faz.

Se uma pessoa está insatisfeita no emprego isso não é bom para o empregado, nem para a empresa. A desmotivação vai prejudicar o dia-a-dia do empregado  e ainda trará prejuízos para a empresa. Quando estamos insatisfeitos com nosso emprego o melhor é sair logo e encontrar outro, porém, quando isto não é possível precisamos encontrar soluções. Afinal, se não temos outra opção o melhor é buscar motivação, caso contrário seremos demitidos de qualquer maneira.

Veja alguns sintomas de pessoas que estão insatisfeitas ou desmotivadas no emprego:

  • Quando ainda é domingo à tarde a pessoa já começa a se torturar lembrando que o próximo dia tem que trabalhar;
  • Fica enrolando o tempo para chegar no trabalho em cima da hora, ou seja, acorda o mais tarde possível;
  • Já chega no trabalho de cara feia e não dá bom dia a ninguém;
  • Fica o tempo todo olhando as horas para ver se está perto do horário de ir embora;
  • Fica contando os dias para a chegada de feriados;
  • Não se interessa pelo sucesso da empresa, a única coisa que importa é o salário que recebe;
  • Se ficar um minuto a mais além do horário na empresa já começa a reclamar.

Pior do que estar insatisfeito no emprego é ficar a vida inteira insatisfeito e não procurar evoluir. Fazer cursos, se capacitar e tentar alguma coisa melhor. Vejo muitos reclamarem da vida, porém não fazem nada para mudar a situação.

Você está satisfeito com seu emprego?

Satisfeito com seu emprego

Emprego certo

Muitas pessoas certamente estão insatisfeitas com seus empregos. Outras gostam do que fazem, mas acreditam que a remuneração não é adequada. Outras pessoas não gostam do que fazem, mas estão satisfeitos com o salário. Raramente é possível unir o útil ao agradável quando o assunto é emprego e salário.

As vezes as pessoas estão insatisfeitas com seus empregos e a única coisa que sabem fazer é reclamar e mais nada. O correto é procurar outro emprego, pois você precisa trabalhar, então não é bom para você e muito menos para a empresa ter no quadro de funcionários uma pessoa descontente, desmotivada. Porém, mesmo insatisfeita, as vezes a pessoa fica a vida inteira no mesmo emprego, simplesmente porque não acredita que pode conseguir algo melhor. Aquele velho ditado, para que mudar de emprego se o salário será o mesmo. Muitas vezes o salário pode ser o mesmo, porém a mudança de ares pode ser benéfica para sua vida e seu rendimento no trabalho.

Agora se a ideia é ganhar mais, aí a conversa é diferente. Empregos que pagam mais na maioria das vezes exigem maior qualificação. Então não adianta sonhar com bons salários se você não está preparado para ocupar estas vagas. Aliás, atualmente existem muitas pessoas preparadas, mas em algumas áreas existe a falta de pessoas qualificadas. Dificilmente você sairá do cargo de serviços gerais para gerente de produção sem que tenha capacidade para isso. Para serviços gerais o ensino fundamental pode ser o suficiente, mas para gerente de produção, por exemplo, uma simples graduação pode ser insuficiente, pode ser necessário uma pós-graduação na área.

Muitos querem empregos melhores remunerados sem fazer o mínimo de esforço, aí você vai depender da sorte ou do QI (quem indica), ou ainda ser muito bom naquilo que faz mesmo sem ter estudado muito.

Mesmo estando insatisfeito com o emprego e com o salário, existem empresas que dão oportunidades para que os funcionários ocupem postos melhores remunerados na empresa, ou seja, fazem recrutamento interno, é nesta hora que você precisa estar preparado para assumir a função. Mesmo que você não goste do que faz, é importante que faça bem feito e mostre que você merece uma oportunidade. Mas se a empresa não lhe dá oportunidade, aí a solução é procurar outro emprego mesmo.

O emprego que para você é ruim para outra pessoa pode ser o ideal, depende de como você vê as coisas.

Existem maneiras diferente de enxergar a mesma coisa como na história dos dois pedreiros:

Dois pedreiros estavam assentando tijolos. Alguém que passava próximo do local perguntou a um deles:

– O que o senhor está fazendo?

– Estou levantando uma parede.

– E o senhor, o que está fazendo? – perguntou ao outro.

– Eu estou construindo uma Catedral.

Os dois eram pedreiros, utilizavam as mesmas ferramentas e o mesmo material para fazer a mesma obra. Um apenas assentava tijolos e erguia uma parede, enquanto o outro construía uma Catedral.

Na vida é exatamente a mesma coisa. Uns simplesmente vivem, outros sonham e outras vão atrás de transformar os sonhos em realidade.

Older posts
Administração e Sucesso
Assign a menu in the Left Menu options.
Assign a menu in the Right Menu options.