Administração e Sucesso

Assuntos sobre administração, economia, política, atualidades, educação, dicas para Word, Excel e muito mais

Categoria: Administração (page 1 of 20)

Marketing Digital x Tradicional: qual é melhor para o seu negócio

Sempre que um novo produto ou serviço é lançado, as pessoas passam a questionar se o anterior irá sobreviver. Isso ocorreu quando a televisão foi lançada. Na época, muitos decretaram a morte do rápido, pois ele passaria a ser inútil diante de um aparelho com voz e imagem.

Recentemente, o Uber também levantou polêmicas. Afinal, um aplicativo de motoristas particulares seria capaz de tirar as corridas dos táxis? Obviamente que não. Tanto no caso da TV quando no do Uber, as invenções só vieram para somar e oferecer mais uma opção para os consumidores.

Tratando-se de marketing acontece o mesmo. O tradicional continua sendo importante (e já veremos os porquês), mas o digital chegou já se destacando. Quer saber qual estratégia de comunicação é melhor para o seu negócio? Continue lendo!

Marketing tradicional

Podemos definir o marketing tradicional por todas as divulgações realizadas nos canais offline, como rádio, televisão, jornais e revistas. Isso inclui desde aquele panfleto distribuído nas ruas até os comerciais milionários veiculados no Jornal Nacional.

Esse tipo de estratégia possui uma série de vantagens. O marketing tradicional alcança um grande público. Se você mora em São Paulo e anda de metrô, por exemplo, provavelmente já deve ter visto um comunicado assim “anuncie no metrô, milhões de pessoas passam por aqui”.

De fato, quem anuncia em uma estação ou grande veículo (como jornal ou televisão) pode ter certeza de que será visto por muitas pessoas. Porém, nem todos que terão acesso a esse conteúdo estão interessados no produto ou serviço que a sua empresa vende.

Vamos supor que você tem uma franquia de medicamentos. Muito provável que o seu público seja mais velho e preocupado com a saúde. Dessa forma, mesmo que milhares de crianças ou jovens de até 30 anos, a campanha não irá chamar a atenção deles.

Essa estratégia focada em quantidade recebe o nome também de “outbound marketing”. Ela é feita de fora para dentro. Ou seja, o interesse por trás dessa comunicação é atingir o máximo de pessoas possíveis, independentemente de elas estarem interessadas no produto ou não.

Outro aspecto interessante do marketing digital é que ele é mais durável que o digital. Uma pessoa pode manter durante meses, por exemplo, um panfleto em casa, ajudando assim na divulgação para outras pessoas. Além disso, boa parte do público já está acostumada a esse tipo de publicidade e tende a acreditar (ou melhor, comprar a ideia) facilmente.

Outro aspecto interessante do marketing digital é que ele é mais durável que o digital. Uma pessoa pode manter durante meses, por exemplo, um panfleto em casa, ajudando assim na divulgação para outras pessoas. Além disso, boa parte do público já está acostumada a esse tipo de publicidade e tende a acreditar (ou melhor, comprar a ideia) facilmente.

Marketing digital

Como o próprio nome sugere, o marketing digital está associada às estratégias de comunicação on-line, isto é, divulgação em sites, portais, e-mail e redes sociais. A grande vantagem dessa comunicação é o maior potencial de segmentação.

Com as ferramentas disponíveis atualmente, é possível exibir uma campanha apenas para um nicho, evitando assim um público desinteressado. Quer só um exemplo? Sabe quando você busca um produto e depois vê esse produto em outra página? Isso é um tipo de marketing digital.

Nesse caso, o alcance também é grande, pois há cada vez mais pessoas on-line. O limite, portanto, é o número de usuários da rede e o tipo de campanha realizada. Quanto melhor for a estratégia, maiores serão as chances de o anúncio ser “clicado” e revertido em “compra” ou no contato do cliente. Basta lembrar que quando uma ação ganha aceitação do público rapidamente ela se viral, ou seja, compartilhável por todos.

Também é importante destacar que o marketing digital produz efeitos imediatos, pois, assim que uma campanha é lançada, ela já começa a ser vista, clicada e gerar resultados. Isso pode ser percebido, porque há ferramentas de comunicação que ajudam a mensurar as campanhas. Se algo não estiver produzindo os efeitos esperados, é possível fazer a troca.

Assessoria de imprensa digital

Dentre as estratégias de marketing digital disponíveis está a de assessoria de imprensa digital. Nesse caso, é possível unir a divulgação para veículos impressos com as ações desenvolvidas para os canais on-line.

Além disso, a agência pode disponibilizar ainda o serviço de Link Building, que serve para aumentar a divulgação de links, gerando autoridade para o site do seu negócio no Google.

O resultado? Melhor posicionamento no buscador e maiores chances de a sua página ser clicada quando o usuário buscar algo que você oferece.

Escrito por: Bruna Rodrigues

5 dicas para impulsionar seu negócio online

As empresas de comunicação de mais ou menos 10 anos para cá encontraram uma nova forma de fazer assessoria de imprensa: agregando serviços. Além do usual e necessário release/contato de jornalistas de redação, outras atividades agora fazem parte do dia a dia.

A assessoria de imprensa para pequenas empresas, e também de grandes corporações, que está engajada com a transformação digital, aderiu a nova realidade da internet e das redes sociais.

Conheça 5 dicas poderosas que demonstram se um projeto de comunicação oferecido pode atender às novas necessidades de um cliente corporativo da era digital que contrata uma agência de assessoria de imprensa.

Fique atento: avalie se os 5 itens constam na proposta oferecida, porque dessa forma haverá uma certeza de maior visibilidade da marca ao contratar uma das empresas de comunicação do mercado.

1º Avaliar o Planejamento de Comunicação

A melhor assessoria de imprensa é aquela que possui um plano de acordo com os objetivos do cliente na busca por resultados para impulsionar seu negócio.

O trabalho da agência de assessoria de imprensa é ouvir os clientes e para cada um deles desenvolver um plano único.

Um projeto de comunicação bem alinhado com a voz da marca, sua persona e objetivos específicos é diferente de qualquer outro.

Alguns serviços muitas vezes podem ser semelhantes, mas elaborados em momentos e com ações diferenciadas para cada produto ou serviço oferecido.

Analise se a proposta tem realmente sentido para a empresa que você trabalha ou se você é o empresário. Fórmulas enlatadas são para projetos medíocres, busque originalidade.

2º Estratégia de Envio de Material para Jornalistas

Ação de divulgação dos serviços, produtos, site, blogs do cliente são sinônimos de um trabalho bem estruturado por empresas de assessoria de comunicação.

O famoso press-kit hoje é usado como divulgação estratégica, com material impresso ou online que contenha dados, fotos, entrevistas ou qualquer outro conteúdo diferencial da organização.

E não são todos os jornalistas que recebem esse material exclusivo. A agência de assessoria de imprensa escolhe os mais influentes não só na redação, mas também dentro do segmento digital, entre sites, blogs e redes sociais.

3º Empresa de Comunicação e Marketing de Influência

Essa é terceira dica para escolher a melhor assessoria de imprensa e assim aumentar a presença digital da marca.

Hoje em dia campanhas no Youtube e o contato com influencers em canais como Instagram fazem parte do escopo de muitas empresas de assessoria de comunicação.

O que é essencial para obter resultados diferenciados:

  • o marketing de influência gera um retorno de US$ 7,65 para cada dólar investido
  • 40% dos internautas compraram imediatamente após verem um tweet de um influenciador
  • 30% das pessoas estão mais propensas a comprar quando recomendado por um influenciador.

4º Media Training

O porta-voz ou porta-vozes da empresa precisam ser treinados pela assessoria para empresas.

Os profissionais de uma empresa precisam saber o que falar, como falar e como agir em caso de “pegadinhas” em uma entrevista com a imprensa, seja ela escrita, televisiva, de meios digitais ou uma entrevista de rádio.

Entrevista para a imprensa

Parece que é fácil, mas nem sempre é. Conversar com um jornalista traz resultados quando resulta em matéria positiva, que mostra a empresa, seus serviços e trabalho diferenciado.

Agora, sem orientação, uma entrevista pode gerar retorno negativo. Por isso é tão importante as empresas de assessoria de comunicação orientarem o cliente antes, do que falar, de que forma, e principalmente, que jornalista não é amigo.

Muitas pessoas que dão entrevista para a imprensa, chamada no linguajar jornalístico como fonte, saem falando coisas que não querem que sejam publicadas.

A agência de assessoria de imprensa, ao aplicar o trabalho de media training, sempre orienta: não quer que saia na imprensa, não fale sobre o assunto.

Com essas dicas é possível avaliar as empresas de comunicação do mercado sabendo quais são os serviços mais importantes hoje para uma assessoria que impulsione os negócios.

5º Visibilidade

Quando uma agência de assessoria de imprensa divulga um texto (release) de um cliente, ela está mostrando aos jornalistas de veículos como rádio, tv, jornal, internet ou revista a importância das ações da empresa e o sugerindo como fonte. 

É muito interessante que às vezes duas empresas que atuam no mesmo segmento, desenvolvem ambas um bom trabalho, mas não tem o mesmo destaque pela mídia.

A empresa que aparece na imprensa é a que tem um trabalho de assessoria para empresa estruturado com um bom planejamento de comunicação.

A visibilidade de uma empresa é intensificada com os serviços oferecidos pelas empresas de comunicação. Por exemplo, um site (plataforma online) com boa audiência atrai mais pessoas que possam se interessar pelo negócio oferecido.

Muitas empresas não têm ideia que seu conteúdo interno pode se tornar um material rico para fornecer aprendizado, engajamento e relacionamento com a marca.

Por isso é tão importante a assessoria de imprensa digital que sabe como desenvolver conteúdo de qualidade para atrair mais pessoas para sites e blogs das empresas de diversos setores.

Escrito por: Bruna Rodrigues

Declaração de IR 2019, não entreguei,e agora?

O prazo para a entrega das declarações de imposto de renda terminou no dia 30/04/19. Mas nem por isso você está desobrigado a fazer a sua declaração de IR 2019.

declaração de ir 2019

Quem não fez a declaração no prazo correto deve preenchê-la a parti de hoje 02/05 utilizando o mesmo programa da receita federal. A recomendação é que seja feito o mais rápido possível, pois quanto mais atrasada for entregue, maior será a multa aplicada à sua declaração.

Quanto é a multa?

O valor da multa é R$ 165,74, mas este valor pode chegar até um limite máximo de 20% do imposto devido. O detalhe é que você pagará a multa de qualquer maneira, não importa de sem imposto à pagar ou restituição à receber. A multa será aplicada nas duas ocasiões.

Todos os contribuintes tiveram dois meses para entregarem suas declarações, portanto, não foi por falta de tempo que deixaram de fazê-la. Quem atrasa a entrega da declaração não tem nenhum benefício com isso. Muito pelo contrário, só terá prejuízos. Vai ter que pagar além daquilo que já pagaria, ou vai receber uma menor restituição em função das multas aplicadas.

Mas se eu deixar de fazer a declaração?

Esta é uma opção, mas se os seus ganhos no ano de 2018 se enquadram na situação de obrigatoriedade de entrega de declaração, certamente que a Receita Federal vai cruzar os dados e seu CPF ficará em situação irregular e você será impedido de fazer um monte de coisas.

Em resumo, não existe qualquer vantagem em tentar burlar o sistema, ou para quem atrasou a entrega da declaração de IR 2019. Outro ponto importante, se você tem restituição à receber, quanto mais demora para entregar a declaração, mais demorada será a restituição dos valores a que tem direito. Portanto, não perca tempo e faça a declaração o mais rápido possível.

Pensando em abrir uma empresa em casa? Veja uma lista de itens imprescindíveis

Cada vez mais pessoas buscam empreender em território nacional. Segundo dados do relatório GEM 2017, do Global Entrepreneurship Monitor em parceria com o Sebrae e com a FGV, a taxa total de empreendedorismo no Brasil em 2017 foi de 36,4%. Isso significa que a cada 100 brasileiros adultos (entre 18 e 64 anos), em média 36 estão à frente de algum negócio próprio, o que resulta em aproximadamente 50 milhões de brasileiros empreendendo em 2017.

O cenário deve continuar em crescimento constante. Não faltam pessoas que buscam oportunidades de iniciar seus próprios negócios. Para quem deseja iniciar os trabalhos na própria empresa e deseja fazer isso em casa inicialmente, alguns itens e equipamentos são essenciais.

Do gás para empresas aos equipamentos eletrônicos: o que é necessário?

A escolha dos equipamentos essenciais para uma empresa em casa depende, basicamente, do nicho de atuação do empreendimento. Para quem pretende fornecer alimentos, como marmitas congeladas, salgados, doces e outros produtos do tipo, a substituição do botijão comum pelos cilindros degás para empresas é uma escolha inteligente e econômica. A aquisição de um forno potente e um fogão industrial, além de um freezer vertical, também entra na lista de prioridades.

Seja qual for o ramo do negócio, a conexão à internet é fundamental, tanto para atender pedidos quanto para divulgação. Um bom notebook, uma impressora e um plano de internet com velocidade boa são indispensáveis. Um smartphone de boa qualidade também faz a diferença, sobretudo para quem trabalhará com entregas.

Se você pretende montar uma loja virtual ou um escritório em casa, além do trio computador, impressora e internet, é preciso criar um espaço de trabalho eficiente, que proporcione conforto e também agilidade nos processos. Móveis com gavetas, prateleiras para armazenamento do estoque, mesa espaçosa e uma cadeira ergonômica são aquisições importantes.

Caso o empreendedor tenha dúvidas sobre exatamente que itens precisa adquirir para o seu negócio, a dica é buscar o auxílio do Sebrae da sua região, que possui um atendimento especializado para micro e pequenos empreendedores.

Escrito por: Bruna Rodrigues

Entenda como o estágio pode auxiliar no seu crescimento acadêmico e profissional

Após chegar na faculdade, muitos estudantes passam a se preocupar com o momento do estágio. Onde se candidatar? Em qual área estagiar? Como achar vagas de estágio? São dúvidas frequentes e compreensíveis já que o estágio é de extrema importância para o amadurecimento profissional do estudante. Confira algumas dicas que podem auxiliar neste momento decisivo.

Identificação com o curso

Decidir sua carreira após o fim do ensino médio pode ser complicado. Muitas dúvidas aparecem quando se trata de seu futuro profissional desde sobre quando área mais se identifica a qual área lhe dará mais retorno.

O momento é delicado pois muitas dessas dúvidas não são respondidas durante o vestibular. Quando já na posição de universitário o momento do estágio pode ser definidor neste sentido pois é confirmatório da escolha do estudante. Atuar na prática da graduação que escolheu é essencial para confirmar ou não sua identificação com o curso.  

Proporcionam experiência profissional

Muitos estudantes sentem-se frustrados no momento de montar um currículo quando chega a hora de falar de suas experiências profissionais. O estágio te auxilia nesta situação pois a partir das oportunidades que a faculdade e seu estágio te proporcionaram te ajudarão nesse momento.

Desde seu período de estágio a cursos de curta duração, palestras e congressos podem ser um diferencial que vai te destacar entre os candidatos. Os estágios principalmente são ótimos aliados para ampliar seu currículo, já que te proporcionam uma vivência profissional antes de finalizar a graduação. Você aprenderá algumas habilidades imprescindíveis para atuar em sua área de interesse e chegará ao mercado de trabalho mais bem preparado.

Facilitam a inserção direta no mercado de trabalho

Uma maneira de diminuir seu caminho até o primeiro emprego após a graduação pode ocorrer no seu próprio local de estágio. Muitas corporações adotam a política de capacitar seus estagiários para efetivação após o fim da graduação ou até mesmo antes disso em alguns casos.

Não acontece com frequência mas, se você se dedicar, mostrar seu diferencial e que é bom no que faz, pode acontecer com você. As empresas costumam integrar de maneira intensa seus estagiários porque eles já estão familiarizados com o ambiente, com a rotina de trabalho e com as normas da empresa em questão. Além disso, muitos gestores preferem esse método pois isso faz com que os custos com seleção de novos colaboradores sejam bem menores.

Escrito por: Rafaela Roque Fernandes

Saiba escolher uma boa franquia

A escolha da franquia é decisiva para o sucesso do negócio. É preciso saber se a franquia é de confiança. Sempre busque por informações sobre a marca em guias especializados.

Tenha afinidade com a franquia

Não tente escolher alguma rede por modismo. Procure um setor com o qual você tenha afinidade e, preferencialmente, tenha domínio. A franquia deve estar ligada à suas experiências e valores enquanto empreendedor.Além disso, pondere sempre os pontos positivos e negativos de trabalhar diretamente com o setor da rede em questão.

Consuma

É recomendável que, caso não tenha tanto conhecimento sobre a franquia, o empreendedor compre ou utilize os produtos e serviços oferecidos pela rede. Se não gostar enquanto consumidor, pode ser arriscado investir na rede.

Não tente reinventar a roda

Não tente desviar sua franquia do resto das franquias da rede drasticamente. Lembre-se que está trabalhando com uma marca já estabelecida e que, portanto, também tem premissas pré-estabelecidas, além de processos gerenciais e comerciais que foram aperfeiçoados durante todo o tempo de existência da rede. Siga as recomendações da franquia ao menos inicialmente.

Esteja em contato com outros franqueados

Os antigos parceiros da rede terão muita experiência e recomendações para te fornecer. Não é recomendável buscar conselhos da própria franqueadora. Pergunte a pelo menos três franqueados e saiba se foi um negócio rentável e positivo para eles.

Fique de olho na COF

Ao escolher a marca ideal, você receberá a Circular de Oferta da Franquia (COF). Este documento é elaborado pela franqueadora e dispõe de informações gerais sobre o negócio e suas condições. ACOF deve conter todas as informações regulamentadas e exigidas pela Lei das Franquias, tal como os direitos e deveres da rede e dos franqueados, além de histórico da franquia, informações financeiras, royalties, entre outros. Leia todo esse documento calmamente para não sobrar dúvida alguma sobre seu investimento. A COF, aliás, deve ter obrigatoriamente os contatos dos outros franqueados da rede além de informações de empresários que desfizeram a parceria nos últimos 12 meses.

Escrito por: Jacqueline Gonçalo

Entenda como o planejamento estratégico pode auxiliar na tomada de decisões dentro de sua empresa

Na era da globalização, a instantaneidade das informações passam rapidamente pelos polos do mundo em questão de segundos. Nesse sentido, quem mantém domínio e melhor manuseio e organização dessas informações consegue se destacar. É semelhante o cenário numa empresa. Quem consegue usar os recursos de um empreendimento de forma organizada e inteligente estará a frente no mercado competitivo. Para isso, é imprescindível o planejamento estratégico.

Investir não apenas em planejamento estratégico, mas também em profissionais com experiência nessa área é o que trará o diferencial ao seu empreendimento. Levantar tanto oportunidades e pontos fortes quanto fraquezas e ameaças de seu negócio é o que poderá fornecer informação e conhecimento necessário para auxiliar na tomada de decisões.

A partir desse planejamento, o gestor será capaz de iniciar projetos que visem ultrapassar a concorrência com facilidade. É importante que a equipe trabalhe motivada e com muita proatividade para analisar e selecionar a metodologia mais eficiente a ser empregada no planejamento para alcançar as metas estipuladas durante o planejamento do projeto.

Com um planejamento bem elaborado e inovador em mãos, pode-se apresentá-lo ao diretor responsável e, com uma boa orientação de como melhor aplicar o projeto em questão, as decisões podem ser tomadas de maneira eficiente e dinâmica. É importante lembrar que no mundo dos negócios, tomar decisões, antes de ser um ato de liderança, é um ato de sobrevivência tanto por parte da gestão quanto por parte da equipe operacional ou estratégica. É preciso ressaltar que as empresas também estão inseridas na sociedade da informação e do conhecimento. Esta realidade contemporânea influencia tanto os métodos de planejamento estratégico quando as tomadas de decisões, já que os ambientes tornam-se mais instáveis.

É exigido, nesse cenário constantemente mutável, que o gestor tenha noção das dinâmicas organizacionais e que não tenha medo de tomar decisões arriscadas. Além disso, é fundamental saber que pode-se contar com os colaboradores para decidir o melhor caminho a ser traçado – decisões em grupo tornam mais fáceis encontrar alternativas aplicáveis.

Tomar decisões é um processo demorado e que exige diversas camadas de preparação e análise. Como gestor, é preciso ter a disposição de estar envolvido e ciente do que acontece em cada processo do planejamento estratégico.

Dessa maneira, você conseguirá seguir o caminho organizado no planejamento estratégico e estar em sintonia com o que foi delimitado e estudado pelos colaboradores. Seguindo esses passos, a empresa alcançará resultados a longo prazo e o gestor poderá essencialmente tomar decisões baseadas no planejamento estratégico.

Enviado por: Rafaela Roque Fernandes

Saiba em quais casos o microempreendedor deve emitir nota fiscal

Abrir um MEI (Microempreendedor Individual) trouxe várias vantagens para o trabalhador informal, principalmente pela obtenção do CNPJ (Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica). Há uma maior facilidade para comprovação de renda, benefícios como a aposentadoria e a possibilidade de emitir notas fiscais.

Nota fiscal

       Muitos empreendedores acreditam que é obrigatória a emissão de nota fiscal pelo MEI, mas isso não é real. A Lei Geral das Micro e Pequenas Empresas elucida que os MEIs estão dispensados de emitir notas fiscais quando os produtos são vendidos para pessoas físicas. Essas facilidades se dão porque o programa do MEI surgiu para que o estado arrecade e diminua a informalidade no mercado de trabalho.

       Mesmo que não tenha a obrigatoriedade de emitir nota fiscal, existem dois casos nos quais o microempreendedor precisa fazer a emissão. O MEI deve emitir nota fiscal nas vendas e nas prestações de serviço realizadas para pessoas jurídicas, ou seja, para as empresas de qualquer porte.

       Outra dúvida frequente são os tipos de notas fiscais existentes para o microempreendedor individual. Um modelo é a Nota Fiscal Avulsa (NFA), que é um modo mais prático para emissão pelo MEI. Porém é preciso saber se o estado em que a microempresa está aberta permite emitir essa nota e quais documentos necessários, para isso é preciso ir até a Secretaria de Fazenda (Sefaz) ou algum escritório da Sefaz e solicitar.

       A Nota Fiscal Avulsa Eletrônica (NFA-e) trabalha de forma parecida a NFA, mas ela é mais restrita e está disponível em poucos estados. Uma outra opção para os MEIs é a emissão da Nota Fiscal Eletrônica (NF-e), mas os requisitos para emissão são os mesmo de uma empresa que não optou pelo programa do governo de incentivo ao microempreendedor individual.

       E por último, para a venda de produtos é indicada a Nota Fiscal de Venda ao Consumidor. Para sua emissão é preciso uma autorização na Secretaria da Fazenda do estado, e após a autorização é preciso aderir algumas regras para realizar a impressão em uma gráfica. Essa forma é um pouco mais burocrática.

       Uma grande facilidade para o microempreendedor é poder fazer as emissões de forma completamente digital. Isso traz muitos benefícios como a economia com impressão e gasto de papel, facilidade para consultar notas mais antigas e para um maior controle fiscal, back-ups das notas fiscais, o envio das mesmas por e-mail e até um relacionamento digital com os clientes.

Enviado por: Rafaela Fernandes

Profissões incomuns: saiba como se profissionalizam os leiloeiros rurais

Dados da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) divulgados em dezembro de 2017 demonstraram que o Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil teve contribuição de 23,5% da agricultura e do agronegócio, representando a maior participação do setor em 13 anos.

leiloeiros rurais

O comércio de animais por meio de leilões é uma importante fatia deste total, e movimenta anualmente valores em torno de R$ 2 bilhões. Com um mercado aquecido, surgem as vagas de leiloeiro, figura essencial para esse tipo de negociação.

Como se tornar um leiloeiro rural?

Os leilões são estratégia essencial de vendas para uma considerável parte dos criadores do país. Além dos tradicionais leilões físicos e também por canais de televisão, os avanços tecnológicos também permitem a facilidade dos chamados remates virtuais, por sites ou até mesmo por aplicativos. Nestes pregões online o comprador pode oferecer seus lances no conforto de casa ou da fazenda. O leilão de touros que envolve o melhoramento genético é uma modalidade que vem apresentando crescimento.

Se antes a maior parte dos leilões era presencial e apenas uma pequena parcela era virtual, hoje esse quadro se inverteu. Mas afinal, como entrar nesse mercado – tanto em nível presencial quanto virtual – e atuar como leiloeiro?

Essa é uma posição de destaque e sobre a qual recaem grandes responsabilidades, seja pelo sucesso ou pelo fracasso de um leilão. Portanto, para ter sucesso nessa área é preciso preencher alguns requisitos essenciais.

O primeiro passo é se legalizar. É preciso buscar o sindicato rural da região e se informar sobre a nomeação como leiloeiro, que deve ser realizada junto a uma federação de agricultura. O procedimento padrão varia conforme a região do país.

Existem diversos cursos, aulas e capacitações, tanto presenciais quanto online, e que oferecem certificado. Não há uma exigência específica quanto a isso para a atuação como leiloeiro, mas obviamente esse é um conteúdo que agrega informação ao profissional da área. O que importa mesmo nesse nicho é a experiência do dia a dia.

Um bom profissional da área precisa saber falar em público, ser ágil nas negociações, e ter facilidade na condução do leilão. Mais importante do que vender é fechar a venda com as melhores condições. Ter uma boa rede de contatos também é um importante diferencial. Começar aos poucos, em leilões pequenos, de objetos de menor valor, é a forma ideal de gradativamente ir criando os caminhos até os grandes leilões.

Artigo enviado por: Bruna Rodrigues

Entenda a diferença entre empréstimo e financiamento

Empréstimo e financiamento: os dois termos muitas vezes levam as pessoas a tratarem ambos como sinônimos, mas na realidade trata-se de duas operações diferentes entre si. São modalidades distintas de crédito, e cada uma delas serve para determinadas ocasiões.

empréstimos e financiamento

Mas como saber qual é a melhor escolha para cada necessidade?

Empréstimo e financiamento: qual o melhor para você?

Empréstimo: o empréstimo é um tipo de crédito livre, ou seja, não há necessidade de explicar a quem concede o crédito qual a finalidade do dinheiro. O processo do empréstimo é também mais simples: basta apresentar os documentos exigidos pela instituição (normalmente RG, CPF, comprovante de residência e comprovante de renda), aguardar a avaliação da financeira sobre a possibilidade da concessão de crédito, e pronto. Até mesmo pessoas negativadas (ou seja, com o nome sujo na praça) podem obter empréstimo para limpar o nome e quitar dívidas.

Além da quitação de dívidas, o empréstimo é uma ótima opção para despesas de emergência, como gastos com saúde, ou para investimentos em cursos, viagens ou reformas.

Por conta da facilidade, é preciso também ter atenção sobre onde obter o crédito. Busque apenas instituições financeiras confiáveis e conhecidas, e jamais pague qualquer tipo de valor antecipado como sinal. Verifique sempre se as parcelas mensais cabem no orçamento, evitando um novo endividamento.

Financiamento: normalmente utilizado para operações de valor mais alto, o financiamento é uma modalidade de crédito com regras mais rígidas. É preciso informar a finalidade específica do crédito no contrato. O próprio bem financiado (carro, imóvel, entre outros) é a garantia da instituição financeira caso ocorra inadimplência, ou seja, se não houver o pagamento das parcelas devidas. Os prazos para pagamento do montante financiado tendem a ser mais longos, justo por conta do valor elevado dos bens financiados.

A solicitação de um financiamento é mais burocrática do que um pedido de empréstimo, afinal envolve bens com valores altos. A análise de crédito do solicitante é bem mais rigorosa do que em um empréstimo pessoal.

Cada modalidade tem suas especificidades. Antes de decidir qual é a melhor para suas necessidades, avalie com atenção e coloque as despesas na ponta do lápis.

Enviado por: Bruna Rodrigues

« Older posts
Administração e Sucesso