Dados da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) divulgados em dezembro de 2017 demonstraram que o Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil teve contribuição de 23,5% da agricultura e do agronegócio, representando a maior participação do setor em 13 anos.

leiloeiros rurais

O comércio de animais por meio de leilões é uma importante fatia deste total, e movimenta anualmente valores em torno de R$ 2 bilhões. Com um mercado aquecido, surgem as vagas de leiloeiro, figura essencial para esse tipo de negociação.

Como se tornar um leiloeiro rural?

Os leilões são estratégia essencial de vendas para uma considerável parte dos criadores do país. Além dos tradicionais leilões físicos e também por canais de televisão, os avanços tecnológicos também permitem a facilidade dos chamados remates virtuais, por sites ou até mesmo por aplicativos. Nestes pregões online o comprador pode oferecer seus lances no conforto de casa ou da fazenda. O leilão de touros que envolve o melhoramento genético é uma modalidade que vem apresentando crescimento.

Se antes a maior parte dos leilões era presencial e apenas uma pequena parcela era virtual, hoje esse quadro se inverteu. Mas afinal, como entrar nesse mercado – tanto em nível presencial quanto virtual – e atuar como leiloeiro?

Essa é uma posição de destaque e sobre a qual recaem grandes responsabilidades, seja pelo sucesso ou pelo fracasso de um leilão. Portanto, para ter sucesso nessa área é preciso preencher alguns requisitos essenciais.

O primeiro passo é se legalizar. É preciso buscar o sindicato rural da região e se informar sobre a nomeação como leiloeiro, que deve ser realizada junto a uma federação de agricultura. O procedimento padrão varia conforme a região do país.

Existem diversos cursos, aulas e capacitações, tanto presenciais quanto online, e que oferecem certificado. Não há uma exigência específica quanto a isso para a atuação como leiloeiro, mas obviamente esse é um conteúdo que agrega informação ao profissional da área. O que importa mesmo nesse nicho é a experiência do dia a dia.

Um bom profissional da área precisa saber falar em público, ser ágil nas negociações, e ter facilidade na condução do leilão. Mais importante do que vender é fechar a venda com as melhores condições. Ter uma boa rede de contatos também é um importante diferencial. Começar aos poucos, em leilões pequenos, de objetos de menor valor, é a forma ideal de gradativamente ir criando os caminhos até os grandes leilões.

Artigo enviado por: Bruna Rodrigues

Sharing is caring!

(Visited 8 times, 1 visits today)