Administração e Sucesso

Assuntos sobre administração, economia, política, atualidades, educação, dicas para Word, Excel e muito mais

Month: novembro 2018

Profissões incomuns: saiba como se profissionalizam os leiloeiros rurais

Dados da Confederação da Agricultura e Pecuária do Brasil (CNA) divulgados em dezembro de 2017 demonstraram que o Produto Interno Bruto (PIB) do Brasil teve contribuição de 23,5% da agricultura e do agronegócio, representando a maior participação do setor em 13 anos.

leiloeiros rurais

O comércio de animais por meio de leilões é uma importante fatia deste total, e movimenta anualmente valores em torno de R$ 2 bilhões. Com um mercado aquecido, surgem as vagas de leiloeiro, figura essencial para esse tipo de negociação.

Como se tornar um leiloeiro rural?

Os leilões são estratégia essencial de vendas para uma considerável parte dos criadores do país. Além dos tradicionais leilões físicos e também por canais de televisão, os avanços tecnológicos também permitem a facilidade dos chamados remates virtuais, por sites ou até mesmo por aplicativos. Nestes pregões online o comprador pode oferecer seus lances no conforto de casa ou da fazenda. O leilão de touros que envolve o melhoramento genético é uma modalidade que vem apresentando crescimento.

Se antes a maior parte dos leilões era presencial e apenas uma pequena parcela era virtual, hoje esse quadro se inverteu. Mas afinal, como entrar nesse mercado – tanto em nível presencial quanto virtual – e atuar como leiloeiro?

Essa é uma posição de destaque e sobre a qual recaem grandes responsabilidades, seja pelo sucesso ou pelo fracasso de um leilão. Portanto, para ter sucesso nessa área é preciso preencher alguns requisitos essenciais.

O primeiro passo é se legalizar. É preciso buscar o sindicato rural da região e se informar sobre a nomeação como leiloeiro, que deve ser realizada junto a uma federação de agricultura. O procedimento padrão varia conforme a região do país.

Existem diversos cursos, aulas e capacitações, tanto presenciais quanto online, e que oferecem certificado. Não há uma exigência específica quanto a isso para a atuação como leiloeiro, mas obviamente esse é um conteúdo que agrega informação ao profissional da área. O que importa mesmo nesse nicho é a experiência do dia a dia.

Um bom profissional da área precisa saber falar em público, ser ágil nas negociações, e ter facilidade na condução do leilão. Mais importante do que vender é fechar a venda com as melhores condições. Ter uma boa rede de contatos também é um importante diferencial. Começar aos poucos, em leilões pequenos, de objetos de menor valor, é a forma ideal de gradativamente ir criando os caminhos até os grandes leilões.

Artigo enviado por: Bruna Rodrigues

Entenda a diferença entre empréstimo e financiamento

Empréstimo e financiamento: os dois termos muitas vezes levam as pessoas a tratarem ambos como sinônimos, mas na realidade trata-se de duas operações diferentes entre si. São modalidades distintas de crédito, e cada uma delas serve para determinadas ocasiões.

empréstimos e financiamento

Mas como saber qual é a melhor escolha para cada necessidade?

Empréstimo e financiamento: qual o melhor para você?

Empréstimo: o empréstimo é um tipo de crédito livre, ou seja, não há necessidade de explicar a quem concede o crédito qual a finalidade do dinheiro. O processo do empréstimo é também mais simples: basta apresentar os documentos exigidos pela instituição (normalmente RG, CPF, comprovante de residência e comprovante de renda), aguardar a avaliação da financeira sobre a possibilidade da concessão de crédito, e pronto. Até mesmo pessoas negativadas (ou seja, com o nome sujo na praça) podem obter empréstimo para limpar o nome e quitar dívidas.

Além da quitação de dívidas, o empréstimo é uma ótima opção para despesas de emergência, como gastos com saúde, ou para investimentos em cursos, viagens ou reformas.

Por conta da facilidade, é preciso também ter atenção sobre onde obter o crédito. Busque apenas instituições financeiras confiáveis e conhecidas, e jamais pague qualquer tipo de valor antecipado como sinal. Verifique sempre se as parcelas mensais cabem no orçamento, evitando um novo endividamento.

Financiamento: normalmente utilizado para operações de valor mais alto, o financiamento é uma modalidade de crédito com regras mais rígidas. É preciso informar a finalidade específica do crédito no contrato. O próprio bem financiado (carro, imóvel, entre outros) é a garantia da instituição financeira caso ocorra inadimplência, ou seja, se não houver o pagamento das parcelas devidas. Os prazos para pagamento do montante financiado tendem a ser mais longos, justo por conta do valor elevado dos bens financiados.

A solicitação de um financiamento é mais burocrática do que um pedido de empréstimo, afinal envolve bens com valores altos. A análise de crédito do solicitante é bem mais rigorosa do que em um empréstimo pessoal.

Cada modalidade tem suas especificidades. Antes de decidir qual é a melhor para suas necessidades, avalie com atenção e coloque as despesas na ponta do lápis.

Enviado por: Bruna Rodrigues

Empreender não é fácil! Conheça pequenos empresários que resolveram inovar

Subiu em 38% no primeiro semestre de 2018 o número de microempreendedores individuais que buscaram a formalização no país. O número foi divulgado pelo Serasa no início de outubro de 2018 e traz a comparação com o ano de 2017.

Os fatores para esse aumento são diversos, mas basicamente a busca pela remuneração por meio do próprio negócio se deve, sobretudo, ao desfavorável cenário econômico que resultou no crescimento do desemprego. A independência financeira também pesou na decisão dos novos empreendedores.

No entanto, é importante ter em mente que empreender no Brasil é algo complexo e que requer dedicação e planejamento. Além disso, uma boa dose de criatividade pode ser o ponto definitivo para o sucesso do novo negócio.

Criatividade e inovação

Ver as situações por ângulos menos prováveis é algo que pode trazer soluções diferenciadas e exclusivas. Esse foi o caso de Nathalia Inada e Roberto Matsuda, criadores do delivery online Fruta Imperfeita. Eles viram nas frutas e legumes considerados feios pelos varejistas, mas que estavam em excelentes condições de consumo, uma oportunidade de negócio.

Estes itens seriam jogados no lixo – aumentando o problema do desperdício de alimentos no mundo – por conta da aparência. No entanto, Roberta e Nathalia compram dos produtores esses insumos excedentes, e disponibilizam aos clientes do site. Os produtos são comercializados tanto em cestas avulsas de tamanhos que vão do PP ao G, quanto em forma de assinatura mensal. O cliente recebe em casa, com todo o conforto. E o Fruta Imperfeita cresce e traz cada vez mais lucro aos proprietários.

De uma ideia inovadora surgiu também o e-commerce Coroas para Velório. Percebendo a dificuldade em conseguir comprar uma coroa de flores online por ocasião do falecimento de seu avô, o empresário Eduardo Gouveia percebeu que ainda não existiam lojas virtuais dedicadas a este nicho. Fundou então a loja em 2010, e desde então tem colhido excelentes frutos. Pelo site, é possível solicitar por exemplo a entrega de uma coroa de flores em Belo Horizonte estando em qualquer lugar do mundo – o site entrega em todas as cidades do território nacional com frete gratuito.

Um outro exemplo criativo é o site A Lavadeira, uma espécie de lavanderia delivery. Criada por Humberto de Andrade Soares, a lavanderia online tem por princípios a sustentabilidade (gasta 60% menos água que uma lavanderia comum) e a praticidade (retira e entrega na casa do cliente). O site conta com pacotes mensais, e os valores variam conforme a quantidade de peças a serem lavadas.

Não faltam oportunidades criativas para o seu novo negócio! Na dúvida sobre como iniciar um novo empreendimento, busque auxílio do Sebrae da sua região.

Artigo enviado por: Bruna Rodrigues

Quero abrir um restaurante, e agora? Veja como se organizar!

Dados da Associação das Empresas de Refeição e Alimentação Convênio para o Trabalho (Assert) e da consultoria Geofusion mostram que a média do gasto mensal do brasileiro com alimentação fora do lar é de mais de R$ 600 por mês. Em comparação ao ano anterior, esse número subiu 4,72%, e demonstra que, apesar da crise, a população não abre mão dos momentos de lazer com os amigos e a família.

Com a demanda em constante crescimento, é preciso planejar bem a abertura de um novo negócio neste segmento, buscando oferecer o melhor para o cliente e ao mesmo tempo ter sucesso e lucro no empreendimento. Mas afinal, como se organizar para abrir um novo restaurante?

Organizando seu novo restaurante

Primeiro, é preciso escolher que tipo de restaurante será aberto. À la carte, com um cardápio sortido? Self-service, com as opções servidas por quilo? Delivery, apenas com entrega em domicílio? Rodízio, com preço fixo e quantidade ilimitada? Fast-food, com comidas e lanches rápidos? Culinária típica, com pratos de uma determinada região do mundo? Após definir o tipo de negócio, começam os planejamentos mais específicos.

Depois, é hora de buscar o ponto perfeito, definir as necessidades de estrutura, reformas e decoração – do gás para restaurantes às cadeiras e mesas, tudo deve ser pensado com bastante esmero e atenção. Uma boa estrutura garante o conforto e a segurança dos colaboradores e dos clientes, além de otimizar todos os processos.

É preciso se organizar também em relação à parte burocrática do negócio. Diversas normas técnicas precisam ser seguidas para a abertura de um estabelecimento do ramo alimentício, além da regularização mediante os órgãos competentes.

Os fornecedores e a equipe precisam ser escolhidos com muita cautela, pois são elementos de total importância para o sucesso do negócio. Os insumos comercializados pelos fornecedores somados à qualificação da equipe, da produção ao atendimento, são peças essenciais em um bom restaurante.

O empresário precisa estar conectado às novidades do mercado, buscando inovações e estando atento ao trabalho dos concorrentes. Acompanhar as tendências é algo fundamental para ter um trabalho estabelecido neste segmento.

Crie uma política de combate ao desperdício. Além de jogar alimentos no lixo, o desperdício também faz, literalmente, o restaurante jogar dinheiro fora. São dois graves problemas que podem ser resolvidos desde o início das atividades, com atitudes simples e com a conscientização da equipe.

Em caso de dúvidas, saiba que o Sebrae da sua região está sempre disponível para auxiliar os novos empreendedores.

Artigo enviado por: Bruna Rodrigues

Administração e Sucesso