Administração e Sucesso

Assuntos sobre administração, economia, política, atualidades, educação, dicas para Word, Excel e muito mais

Mês: setembro 2017

Mercado em crise aumenta a demanda de consultores empresariais

Para buscar inovação em um mercado saturado é preciso de ajuda profissional de um especialista

 

 

Se com o mercado estável já é preciso uma boa gestão em uma empresa, em tempos de crise é essencial a contratação de uma consultoria empresarial para guiar o negócio. Diante desse cenário, as organizações contam com seus consultores para tomar decisões assertivas.

remuneração e motivação

A consultoria é muito importante para uma empresa, além de ser um ponto de apoio ela é quem guiará a empresa para as oportunidades de mercado, o crescimento e inovação. A visibilidade no mercado é alcançada por meio da consultoria, ela é quem instrui para a busca do equilíbrio ideal para a formação de novas práticas, aumentando assim, o destaque da empresa em meio a concorrência.

É diante disso que percebe-se que os principais motivos do aumento da demanda por uma consultoria empresarial são a busca por novos conceitos para crescer continuamente e a necessidade de obter vantagens competitivas no ramo de atuação da empresa.

Quando a crise se instaura, o consultor empresarial tem um papel importante em tentar minimizar os impactos desse problema dentro da empresa. Ele precisa saber gerenciar seu funcionamento, o que inclui lidar com a equipe, encontrar alternativas para reduzir custos e buscar novas maneiras de atrair os clientes. Em suma, esse profissional terá que mostrar seus conhecimentos técnicos e práticos.

A importância do consultor para a estratégia da empresa

O elo entre a equipe e os empregadores em tempos de crise são os consultores, são eles que transitam pelos dois níveis hierárquicos da organização para ter uma visão sistêmica sobre o que é e o que não é funcional em relação às ações pensadas e praticadas.

Uma visão analitica e critica frente a esse cenário precisa ser desenvolvida pelo gestor para que auxilie os empreendedores a rever estratégias, adaptá-las ao novo cenário sem que cause um impacto negativo no procedimento das tarefas. A consultoria empresarial tem a missão de amparar a empresa no processo de rever os planos e projetar o futuro com base nas modificações feitas sem comprometer todo o desenvolvimento do negócio.

É o papel do consultor olhar para a situação com perspectivas positivas, apesar do contexto econômico não estar estável. É preciso analisar os problemas que a crise trouxe à empresa, avaliar a equipe e traçar rotas possíveis para dar continuidade ao trabalho sem grandes perdas. Um bom profissional olha o cenário sob a perspectiva do colaborador, dos acionistas, dos clientes e do mercado que a empresa está inserida, para assim pensar em cada ponto impactado.

A partir desse novo ângulo soluções surgem para atender todos as diretrizes, sem desconsiderar os interesses da organização, que neste caso é o mais importante. Gerenciar riscos em tempos de crise é uma medida cautelosa para não deixar que o cenário fique ruim, ou piore ainda mais, antecipando assim possíveis problemas e pensando com mais cautela e segurança, sempre levando em consideração a situação atual da empresa é de seu mercado atuante.

Post escrito por: Jacqueline Gonçalo

Cinco cursos para incrementar seus conhecimentos em administração de empresas

Conheça opções para turbinar seu currículo e garantir uma boa posição no mercado

A área de Administração de Empresas é uma das que mais empregam no Brasil, isso porque é ampla a atuação de profissionais que se dedicam à organização, gerenciamento e planejamento de uma instituição.

Logo_Administração-pt

O mercado de trabalho para o auxiliar administrativo é amplo, há oportunidades em empresas de diversos ramos de atuação, desde o comércio, serviços, até instituições públicas.

O perfil do profissional desta área está ligado à sua organização, capacidade de gerenciamento e liderança e habilidades técnicas sobre as principais atividades exigidas na função.

Se esta é uma carreira com a qual você se identifica, confira cinco opções de cursos para incluir no seu currículo:

1 – auxiliar administrativo

Com o curso oferecido pelo Cursos 24 horas é possível conhecer a rotina e as atividades de um auxiliar administrativo, aprendendo técnicas de arquivamento, programas e contabilidade básica.

Com este curso, o aluno estará pronto para atuar profissionalmente como auxiliar administrativo e desempenhar as principais atividades diárias exigidas na função.

2 – almoxarifado

Ligado diretamente à área administrativa de um negócio, o almoxarife é o profissional responsável por tarefas como a classificação e disposição dos itens no estoque, seu recebimento dentro de um armazém e a codificação e identificação de determinados produtos.

No Curso de Almoxarifado é possível aprender técnicas para manter o ambiente seguro e organizado, além de conhecer procedimentos fundamentais para ter sucesso nesta profissão.

3 – chefia e liderança

O que é uma empresa sem um líder? O chefe é vital para uma instituição, pois é responsável por conduzir seu grupo e consequente os resultados dele.

Sabendo que esta é uma habilidade que pode ser desenvolvida, no curso de Chefia e Liderança os alunos aprendem a estimular e motivar uma equipe e como desenvolver um bom relacionamento entre as pessoas de seu grupo.

4 – gestão de projetos

Gestão de Projetos é a aplicação de habilidades e técnicas para atingir metas, obedecendo prazos e levando em consideração custos e qualidade final.

A gestão eficaz de projetos é uma das características mais valorizadas pelas empresas em seus líderes. Por isso, o curso habilita os estudantes com apresentação de técnicas que farão seus projetos obterem resultados positivos, desde as etapas iniciais até relatórios finais.

No curso, os alunos têm contato com Matrizes de Responsabilidades, Histogramas de Recursos, Diagramas de Gantt, Balanced Scorecard, entre outras aplicáveis a projetos de todos os portes.

5 – logística

A Logística é a área responsável por prover recursos, equipamentos e informações para a execução de todas as atividades de uma empresa.

Os simpatizantes do curso podem conhecer quais são as estruturas de transporte e armazenamento utilizados, maneiras eficientes de planejar e organizar a fabricação e o estoque de produtos, contribuindo para aperfeiçoar o fluxo de materiais e informações nas empresas, ganhar com a redução de custos logísticos e criar planejamentos de curto e longo prazos.

Estude online

E todos esses cursos de administração podem ser feitos online, no seu tempo e onde estiver. Com o Curso 24 horas você conta com a ajuda de tutores, em um ambiente virtual descomplicado, com possibilidade de certificação final. Tudo para turbinar o seu currículo e garantir uma boa posição no mercado de trabalho.

Remuneração Estratégica para Competitividade nas Empresas

“A retomada da competitividade se dá a partir da implementação de um modelo de gestão baseado na remuneração estratégica por impulsionar resultados superiores e sustentáveis.”

por Viviane Guerra e Anderson Toscano

No sistema capitalista em que vivemos hoje a meritocracia é o principal impulsionador para o crescimento pessoal de cada indivíduo dentro das organizações. Os profissionais veem sendo promovidos de acordo com o seu esforço e capacidade para desempenhar determinada função, porém também é preciso reconhecer os profissionais que desempenham um bom trabalho na função que atuam, ou seja, reconhecer os talentos e valorizar este profissional de forma que ele não deseje sair da empresa e continue motivado a desempenhar sua função cada vez melhor.

Ao contrário da remuneração estratégica, os modelos de remuneração tradicional não consideram o desempenho individual de cada colaborador. Nesses modelos são valorizadas características como lealdade, formação escolar ou tempo de casa que com o passar dos anos deixaram de serem as principais características para o reconhecimento de um bom funcionário (CHIAVENATO, 1999).

A remuneração estratégica é um recurso que contribui muito para felicidade no trabalho. Remunerar o profissional por seu esforço e diferenciação, ou seja, pelos resultados superiores que ele veem apresentando é um reconhecimento que motiva o profissional a ser sempre melhor, pois ele sabe que esta sendo reconhecido por isso e sabe o que a empresa espera dele.

Esse sistema tem como objetivo beneficiar o colaborador com outras formas de pagamentos complementando, assim, o sistema de remuneração tradicional. Com isso o funcionário se sente mais motivado a alcançar melhores resultados, além de sentir-se mais valorizado (GHENO; BERLITZ, 2011).

Já diziam Pereira Filho e Wood Jr. (1994) que a remuneração estratégica é um vínculo com a nova realidade das organizações e que a tendência era que ela se tornasse um imperativo para as organizações que desejavam sobreviver e prosperar. O fato é que hoje muitas empresas ainda continuam com modelos de gestão ultrapassados e não adotaram tal modelo de gestão e esse é um dos motivos que contribui para baixa competitividade no Brasil.

Os componentes de uma remuneração estratégica, de acordo com Pereira Filho e Wood Jr. (1994) estão na seguinte escala:

  1. Salário direto: determinado pela função e ajustado ao mercado;
  2. Salário indireto: benefícios e outras vantagens;
  3. Remuneração por habilidades ou conhecimento: determinado pela formação e capacidade dos colaboradores;
  4. Remuneração por resultados: vinculada a metas de desempenho dos colaboradores ou da organização;
  5. Participação nos lucros: vinculado a objetivo e lucratividade da empresa;
  6. Participação acionária: reforça vínculo e compromisso de longo prazo;
  7. Diversos: prêmios, comissões e gratificações.

Os profissionais que desempenham sua função com o máximo de comprometimento, engajamento e tentam sempre fazer o melhor trabalho, quando não são reconhecidos, desanimam e passam a buscar a felicidade em outro lugar. Muitas empresas perdem seus talentos não sabendo gerenciar de modo a fazer com que os bons profissionais permaneçam na empresa.

De acordo com o professor Szezecinski (2017): “Gente boa, qualificada, bem remunerada, trabalha melhor e se paga naturalmente. Profissionais com esse perfil buscam desenvolver competências no sentido de sua qualificação, entregam resultados melhores e querem crescer” (informação verbal).

O IBMérito acredita que as organizações precisam buscar de forma permanente a competitividade de seus negócios e que pessoas qualificadas e verdadeiramente reconhecidas por suas contribuições são fundamentais para geração de resultados superiores e sustentáveis. (SZEZECINSKI, LAUFER, MENDES, RAMOS, 2017, p.19)

O modelo de gestão atual utilizado por muitas empresas com relação a remuneração implica em um pensamento onde o funcionário tem de se contentar com o que a empresa oferece e se não quiser a empresa simplesmente irá substituí-lo, pois a final, todos somos substituíveis. Acontece que esse modelo não leva em consideração o que ocorre depois da substituição.

É fato que todas as pessoas precisam de um meio de sustento e as empresas de certa forma utilizam isso como uma ameaça, utilizando a famosa frase: “se não esta bom pra você o mercado esta cheio de gente querendo trabalhar”. Só que esse modelo não analisa que bons profissionais não ficam fora do mercado, mesmo em momentos de crise. Se ele sair ele vai ir muito provavelmente trabalhar na concorrência, levando muitas vezes os clientes daquela empresa que não o valorizou.

Com isso a empresa acaba perdendo bons profissionais e contratando pessoas novas, muitas vezes destreinadas e que com certeza ainda terão de aprender a politica da empresa, sistema interno, etc. O que se percebe é que esta cada vez mais difícil encontrar no mercado, profissionais qualificados, que desempenham sua função com máximo de excelência e eficiência, gente comprometida e com responsabilidade, gente que veste a camisa.

Muitas vezes a empresa só decide oferecer uma boa remuneração ao funcionário quando o mesmo recebe outra proposta de emprego com melhor remuneração. E isso só ocorre quando o gestor percebe da importância daquele funcionário para empresa, pois quando não existe essa percepção, muitas vezes a empresa perde os bons funcionários gastando com contratações e demissões e muitas vezes perdendo clientes pela queda de produtividade e qualidade.

A nova geração de gestores precisa quebrar o modelo antigo e olhar mais para as pessoas, não se contentar com profissionais medianos, trazer os melhores e dar condições para que eles queiram permanecer. Uma organização de sucesso é feita de pessoas que apresentam resultados superiores e a remuneração estratégica é uma ferramenta para fazer com que estes profissionais queiram permanecer na organização.

As empresas precisam deixar de ver a remuneração como uma questão de custo, e sim ver como um fator fundamental para o crescimento da organização, impulsionando melhorias e aumento da competitividade (PEREIRA FILHO, J. L.; WOOD JUNIOR, 1995).

De acordo com Farah (2014, p.1), diretora comercial da Sinergia Recursos Humanos:

A remuneração estratégica vem sendo uma nova vantagem competitiva, sendo dividida entre fixa e variável. Na remuneração fixa, o colaborador recebe um salário pela função; um salário indireto, por meio de benefícios e outras vantagens; e uma remuneração por habilidades, definida pela capacitação e voltada para cargos operacionais. Já na remuneração variável, há o salário por competências, voltado para cargos administrativos e de liderança; previdência complementar e remuneração variável por resultados.

A partir dessa nova visão e implementação de um modelo de gestão de meritocracia e remuneração estratégica, ou seja, valorizando os melhores, as empresas passarão a tornarem-se mais competitivas, com cada vez profissionais melhores, elevando a qualidade e desempenho do mercado de trabalho no Brasil.

REFERÊNCIAS

CHIAVENATO, I. Gestão de pessoas: o novo papel dos recursos humanos nas organizações. Rio de Janeiro: Campus, 1999.

FARAH, Carolina. Os desafios da remuneração estratégica. CLICRBS, dez. 2014. Disponível em:<http://anoticia.clicrbs.com.br/sc/economia/negocios/noticia/2014/12/os-desafios-da-remuneracao-estrategica-4663681.html> Acesso em 27 ago. 2017.

GHENO, R.; BERLITZ, J. Remuneração estratégica e pacote de benefícios: Um estudo de caso aplicado ao nível operacional de uma multinacional. Rev. Adm. UFSM, Santa Maria, v. 4, n. 1. 2011.

PEREIRA FILHO, J. L.; WOOD JUNIOR, T. Remuneração estratégica: a nova vantagem competitiva. RAE-Revista de Administração de Empresas, v. 35, n. 4, jul./ago.1995.

SZEZECINSKI, Antônio Silvano; LAUFER, Jaime; MENDES, Geraldo Silveira; RAMOS, Roseneide. Desafios e perspectiva para retomada da competitividade brasileira. 1. ed., jan. 2017. Disponível em: < http://www.ibmerito.org/artigos.html>. Acesso em 28 ago. 2017.

Obs: este artigo foi cedido para publicação pelos autores.

Quem faz curso técnico ou profissionalizante tem mais chances de conseguir um emprego

A educação profissional tem chamado a atenção dos brasileiros, deixando para trás o pensamento de que os cursos de qualificação profissional, de ensino médio técnico e graduação tecnológica não são valorizados pelo mercado de trabalho. Uma pesquisa feita pela Fundação Getúlio Vargas (FGV) mostrou que pessoas que fizeram algum tipo de curso profissionalizante têm mais chances são 38% maiores de conseguir um emprego formal de carteira assinada, e o salário pode chegar a ser 13% maior também.

curso técnico

E dados divulgados pelo Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística (IBGE) também mostram o maior interesse do brasileiro pela qualificação profissional proporcionada pelos cursos, mais de 40,21 milhões de pessoas tem interesse em ingressar nessa modalidade de educação.

O diretor geral do SENAI, Rafael Lucchesi, comentou sobre a pesquisa em entrevista ao Portal da Indústria, “Seguramente, a educação profissional é o caminho mais rápido para a inserção dos jovens no mercado de trabalho e para a recolocação dos trabalhadores que ficam desempregados. Os resultados da pesquisa apontam que a população brasileira tem clareza da importância desse tipo de formação e tem o desejo de se qualificar para o mercado de trabalho” disse

Bem observado pelo diretor geral, os cursos profissionalizantes são uma maneira mais rápida de inserção ao mercado de trabalho e esse pode ser o maior atrativo da modalidade, além do investimento ser bem menor do que um curso superior e a vantagem de não ser obrigatória a conclusão do ensino médio para começar a estudar. Para os jovens que necessitam trabalhar, seja para ajudar em casa ou a vontade de se inserir no mercado de trabalho o mais cedo possível, é uma ótima opção.

Quais são as características dos cursos profissionalizantes?

Essa modalidade tem como objetivo dar mais atenção as atividades que serão desenvolvidas no dia a dia da carreira escolhida, por isso muitos profissionais que já são formados buscam esses cursos para se especializar, mas jovens que não possuem conhecimento técnico em nenhuma área também são contemplados pelos cursos profissionalizantes. A duração pode variar entre seis e 18 meses

Post escrito por: Jacqueline Gonçalo

Administração e Sucesso