Administração e Sucesso

Assuntos sobre administração, economia, política, atualidades, educação, dicas para Word, Excel e muito mais

O dilema da reforma da previdência

Um dos assuntos mais comentados do momento é a reforma da previdência que o Governo está propondo.

O dilema da reforma da previdência

As piadas são em quantidade absurda. Que você terá que começar a trabalhar o mais jovem possível ou trabalhar até perto dos cem anos para conseguir a aposentadoria.

Atualmente a lei já diz que para ter direito a aposentadoria é preciso ter 65 anos de idade para homens e 60 anos para mulheres, essa é a regra principal para aqueles que contribuíram com a quantidade de anos suficiente para garantir o benefício, mas não completaram o tempo suficiente para se aposentar por tempo de contribuição. No caso 35 anos homens e 30 anos para mulheres.

Na lei atual já é bastante complicado garantir o benefício, pois o trabalho informal, sem registro em carteira muitas vezes obriga o trabalhador a esperar a idade mínima para a aposentadoria. Com as frequentes crises e altas taxas de desemprego são poucos que conseguem se aposentar por tempo de serviço.

Logo se o Governo pretende dificultar ainda mais o acesso ao benefício, o trabalhador não tem outra saída a não ser tentar se enquadrar as regras. Sempre que não estiver em um emprego formal tentar fazer o pagamento do INSS para continuar segurado pelo Governo. Isso para todos os casos, auxílio doença, licença maternidade, etc.

Quanto a idade que é o maior empecilho principalmente para algumas profissões onde o desgaste é muito grande e dificilmente o trabalhador consegue suportar e aguardar a aposentadoria só existe uma solução. Quando a expetativa de vida está próxima dos 70 anos e você tem que trabalhar até os 65 anos para se aposentar é como se você entrasse de férias por alguns anos esperando o fim da vida chegar. Isso só pode ser modificado por você. Na verdade você não deve esperar a vida inteira por uma aposentadoria que talvez nunca chegará, mas sim desfrutar da vida ainda enquanto trabalha e tentar ao máximo possível poupar dinheiro ou ter alguma fonte de renda que posso lhe garantir na velhice.

Isso mesmo. Muitas pessoas passam a vida inteira sem se preocuparem com a aposentadoria e quando chega o tempo querem o benefício sem terem contribuído quase absolutamente nada e além disso, durante a vida não fizeram nada para garantir alguma renda que os sustentem até conseguir o benefício.

A maioria das aposentadorias é de apenas um salário mínimo, portanto, ela não é a salvação e nem a garantia de que você irá conseguir se manter para o resto da vida. Já imaginou comprar remédios e tudo mais com apenas um salário mínimo?

Pense nisso!

Sharing is caring!

(Visited 150 times, 1 visits today)

1 Comment

  1. HÉLIO TADEU GUIMARÃES _

    04/04/2017 at 15:43

    Conforme mencionado a maioria das aposentadorias é de um salário mínimo e o trabalhador comum .que é a maioria. somente não contribui se estiver desempregado ou se a empresa descontou e não pagou, assim como no FGTS, e depois ainda são anistiadas. Para complicar mais ainda, não pode juntar tudo em uma conta só. Assistência social, para aqueles que nunca pagaram tem que ser paga pelo tesouro, pelos impostos que já pagamos todos,e em tudo. Quem contribui para aposentadoria, é outro caso, como se fosse uma previdência privada. Se é para contribuir de forma obrigatória para o INSS e não receber, e ou morrer antes, é melhor que não haja desconto para uma previdência do governo, e sim uma previdência privada. Outra questão é retirar várias categorias da reforma, se tem força política é excluída. Eu pergunto, desde quando os governos estaduais renegociam suas dívidas com o governo federal, com que frequência, e quantos servidores estaduais e municipais estão com salários atrasados e aposentados sem receber?, então não se justifica a retirada de servidores públicos estaduais da pretendida reforma. tratamento igual para todos, começando com os políticos. Os causas apresentadas, como principais, para a reforma não são verdadeiras, e cada geração tem que ter a sua contribuição bem definida pelos cálculos atuariais. Uma geração anterior, não pode trabalhar e pagar INSS até morrer para pagar a nova. Os desvios, os erros, não são de uma geração e de uma parte dos trabalhadores que seria penalizada por administração pública política e com uso político do estado e dos recursos arrecadados da sociedade. A solução tem que ser justa para quem contribuiu de acordo com a expectativa de vida de sua geração. Para completar, outra mentira propagada para manter privilégios de algumas profissões, e o stress. Stress sofre o trabalhador comum que sai para trabalhar bem cedo de casa, faz a sua jornada de trabalho, volta para casa, e examinando esta rotina vemos que ele não tem tempo para a sua família, para sua vida particular, e sim vive o dia inteiro somente para o trabalho. Então há milhões de trabalhadores em que o stress é muito maior do que o de trabalhadores de supostas profissões. Então a solução tem que abranger a todos, considerando expectativa de vida de cada geração, contribuição paga, recuperação do dinheiro desviado da previdência oficial, em todos os níveis, em vez de cobrar novamente do trabalhador, e separação de assistência social do sistema de aposentadoria por contribuição paga pelo trabalhador. Se não for assim, e melhor ter a opção de contribuir para um sistema de previdência privado do que o oficial obrigatório.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

shares
Administração e Sucesso