Assédio moral no trabalho. Talvez você nunca tenha passado por isso, mas certamente já presenciou o fato ou ficou sabendo de alguém que enfrentou o problema.

Assédio moral no trabalho

Primeiramente precisamos entender o que é tratado como assédio moral, não confundam com assédio sexual que é outro problema, mas com características diferentes.

Assédio moral é quando o trabalhador(a) é exposto a situações que de certa forma o humilham ou causam constrangimento durante as suas atividades no trabalho. Esse constrangimento ocorre com frequência e tende a ocasionar a desistência do emprego por parte do trabalhador por não suportar tanta humilhação. Geralmente esses casos acontecem em estruturas hierárquicas onde o superior usa de sua autoridade para constranger o subordinado, mas não necessariamente é uma regra.

O constrangimento ou humilhação geralmente acontece em frente à outras pessoas que trabalham no mesmo setor ou empresa deixando a pessoa totalmente desestabilizada e ridicularizada na frente de seus colegas.

O assédio moral pode ocorrer por algum motivo específico, mas também pode ser um vício do superior imediato que acredita que pode falar o que quiser e na hora que quiser coisas que humilham o funcionário. Como chamar a atenção por ter cometido um erro, por exemplo, fazendo isso de maneira grosseira em frente aos colegas de trabalho.

Se o problema aconteceu apenas uma vez como fato isolado isso não é motivo para ser considerado como assédio moral no trabalho, mas se acontece com frequência então é preciso tomar uma atitude. Se existem testemunhas peça a ajuda e denuncie ao sindicato ou diretamente à justiça do trabalho.

Esses caso só diminuirão se quem sofre assédio moral fazer a denúncia, geralmente a pessoa prefere deixar o emprego por medo de ficar com a “ficha suja” e não conseguir emprego em outra empresa por ter feito uma denúncia. No entanto, essa prática de falar mal de um ex-empregado para outra empresa também é uma atitude que pode ser denunciada à justiça do trabalho.