Em tempos de crise e de juros altos é preciso ficar esperto antes de entrar em um financiamento.

Seguem algumas pontos a serem avaliados antes de contratar um empréstimo.

Qual é a finalidade do empréstimo?

Quando é hora de fazer um financiamento?

Se você está querendo pegar dinheiro para comprar uma casa, por exemplo, e com isso vai deixar de pagar aluguel, então isso pode ser considerado um bom negócio. No entanto, se você pretende financiar um carro novo e não possui uma quantia razoável para dar de entrada então definitivamente isso não é um bom negócio.

Vamos analisar os dois casos: Se você deixar de pagar aluguel irá usar este mesmo dinheiro para pagar as parcelas do seu imóvel e além disso, ainda será o dono do seu imóvel.  Em 20 anos pagando aluguel no valor de R$ 1.000,00 mensais você teria gasto com o pagamento de aluguel um total de R$ 240.000,00 com as prestações e ainda assim não seria o dono do imóvel. Portanto, a qualquer momento é interessante sair do aluguel mesmo que para isso seja necessário fazer um financiamento de longo prazo. A exceção fica para aquelas pessoas que trabalham com o dinheiro e fazem ele render ainda mais. Neste caso não seria vantajoso ter o dinheiro investido em um imóvel.

Com o automóvel não é muito diferente. Se você vai financiar um carro e parar de andar a pé ou de transporte público é preciso avaliar alguns pontos. Para quem pode comprar um carro e pagar à vista esta é a melhor opção, mas certamente esse não é o seu caso e o da maioria das pessoas. Muitas vezes a prestação é bastante atrativa, mas é preciso calcular o valor final do veículo. Em um financiamento longo no qual você deu uma pequena entrada para pegar o veículo o valor final pode ser o equivalente ao valor de dois veículos ou quase isso.

Falando em financiamento de veículo a melhor opção é aquela onde você possui uma boa quantia para dar de entrada, 40% ou 50% do valor do veículo. Assim você poderá financiar o restante em poucos anos e conseguir uma redução dos juros, e ao final o valor do veículo não será muito diferente do valor inicial. Em todo caso é bom lembrar que o veículo sofre depreciação ao longo dos anos, por isso quanto menos você pagar menor será o prejuízo em caso de um venda futura.

É preciso analisar bem estas questões antes de adquirir um financiamento, inflação e juros altos aliados ao aumento do desemprego e momento difícil na economia brasileira são coisas que precisam ser levadas em conta. Porque pior do que pagar o dobro do valor por um bem é não ter mais condições de pagar as prestações e perder todo o valor investido.