Administração e Sucesso

Assuntos sobre administração, economia, política, atualidades, educação, dicas para Word, Excel e muito mais

Privatização de indústrias brasileiras: foi bom ou ruim?

empresas e setores privatizados no Brasil

Privatização no Brasil

As privatizações realizadas pelos Governos brasileiros nas últimas décadas foram muito criticadas, diziam que o Governo estava entregando seu patrimônio para a iniciativa privada praticamente de graça, e isso traria prejuízos para o Brasil. Mas será que as privatizações foram mesmo um mau negócio? Vamos analisar as principais empresas e setores privatizados no Brasil.

  • Vale do Rio Doce

Hoje se chama simplesmente Vale, a empresa criada pelo Governo Getúlio Vargas foi privatizada na década de 90 pelo Governo Fernando Henrique Cardoso. A privatização recebeu muitas críticas, porém, após a privatização a Vale incorporou outras mineradoras e hoje é uma das maiores mineradoras do mundo e consequentemente uma das maiores empresas do mundo. Por mais que os problemas internos fossem resolvidos e a privatização não se concretizasse, dificilmente a empresa teria alcançado este porte e os lucros que tem atualmente.

  • Embraer

A empresa criada na década de 40 e que estava à beira da falência foi privatizada no início dos anos 90, hoje oscila entre terceira e quarta maior indústria aeronáutica do mundo. Portanto, dispensa comentários, de empresa quase falida está hoje entre as maiores do mundo.

  • Telefonia

A Telebrás foi privatizada na década de 90, na época em muitas localidades do país não existia serviço de telefonia e nem ao menos previsão de quando iria existir. Mesmo em regiões onde existia o serviço era preciso esperar até mais de um ano na fila e ainda pagar mais de mil reais por uma linha telefônica.

Atualmente basta querer para ter uma linha telefônica, tanto fixa como móvel. No Brasil existem mais celulares em operação do que o número de habitantes, nos lugares mais remotos existe o serviço de telefonia de no mínimo uma operadora. O setor de telefonia é campeão de reclamações por parte dos usuários, porém, é inegável o avanço nos serviços após a privatização do setor.

  • Energia

O setor de energia elétrica não foi totalmente privatizado, porém, o Brasil possui uma das tarifas elétricas mais caras do mundo. Portanto, pelo menos para o pequeno consumidor esse é um mau negócio e dispensa comentários.

  • Rodovias

Muitas rodovias brasileiras já foram concedidas à iniciativa privada e outras serão concedidas. O Governo mostra que não tem capacidade para manter as rodovias federais e estaduais em condições de trafegabilidade. A cobrança de pedágio é muito criticada principalmente por aqueles que utilizam as rodovias frequentemente, porém, é visível a qualidade das rodovias privatizadas quando comparadas com as que ainda estão sob a responsabilidade do Governo ou do Estado.

Existem rodovias que ficam anos e anos em péssimas condições de tráfego, no entanto, as cobranças por parte da população não surtem efeito. No caso das concessões as empresas são obrigadas a manter as rodovias em boas condições, além de promover melhorias e dar assistência aos usuários da via. Em caso de não cumprimento das obrigações o Estado pode revogar a concessão e realizar outra.

Sharing is caring!

(Visited 674 times, 1 visits today)

1 Comment

  1. HÉLIO TADEU GUIMARÃES

    18/10/2016 at 20:46

    Há vários detalhes que não foram observados e normalmente não são observados por grande parte da sociedade, não são analisadas detalhes, vantagens e desvantagens de uma privatização. Embraer que não estava falindo, detinha a tecnologia de desenvolvimento do melhor jato de treinamento militar do mundo, altamente competitiva, disputas comerciais frequentes com a BOMBARDIER Canadense, apoiada pelos americanos, e mesmo assim a EMBRAER, desenvolvida por brasileiros, com tecnologia desenvolvida pelos engenheiros do ITA e da Aeronáutica, agora, esta sendo sucateada, demitindo funcionários. Cresceu, claro, não é mais nossa (ações GOLDEN SHARE, desculpas ?), e nem nos beneficia tanto. Nova fábrica de jatos militares nos Estados Unidos, nova fábrica de jatos comerciais, em Portugal, e a nossa fábrica no Brasil ?, vai virar sucata. E os nossos empregos, nossos profissionais, certamente cada vez mais sendo desnecessários, não damos valor à nossa tecnologia, o bem maior que todos os países desenvolvidos querem manter em seu domínio. Não sou contra privatizações, mas quais empresas e/ou serviços devem ser privatizados, e o benefício para a população e para o nosso país. Não podemos ficar há décadas com a história de país do futuro, precisamos ter empresas em algum ramo, ou setor da indústria, em igualdade de condições com as do exterior. Nossa balança comercial não pode depender apenas de commodities, produtos primários, que é a fonte de receita das exportações dos países subdesenvolvidos. Nem sempre a privatização é o melhor remédio, ainda mais neste cenário de políticos corruptos que vendem o nosso país. Ha outras formas de corrigir uma empresa que tem e desenvolve tecnologia, e isso devemos cobrar das autoridades e do nosso judiciário. Caso privatizar, que até o momento, significou entregar ao capital estrangeiro o que tínhamos de melhor seja sempre o primeiro caminho, teremos que fechar milhares de vagas em carreiras de tecnologia (o emprego vai primeiro para o técnico estrangeiro). Ainda há o baixíssimo valor de venda na privatização de algumas de nossas empresas, com empréstimos viabilizados pelo tesouro nacional e muita empresa lixo que deveria ter sido privatizada ou fechada, e ainda continua consumindo o dinheiro de nossos impostos. Corrupção, quem quer saber, sabe que não é, ou foi só na Petrobras, e é bem antiga. Mas devemos entregar nossa tecnologia praticamente de graça para empresas estrangeiras ?, Não seria melhor abrir o mercado para competição ?, aliás em várias áreas da economia e de serviços?. Mas, acho que ainda não temos meios, estamos começando, para uma verdadeira fiscalização das atividades, tanto de empresas nacionais ou estrangeiras, dos cartéis formados, e de nossos políticos, portanto, devemos refletir, e ver as consequências, antes das decisões. Não discordo do ex-ministro e professor Bresser Pereira, que em seus artigos relata e define a DOENÇA HOLANDESA, que a meu ver é o nosso maior problema, para o crescimento do nosso país, além dos nossos políticos, dos juros altos e da alta carga tributária. Se atentarmos para isto, nosso país crescerá de forma consistente. Mas temos interesses contrários, temos, mas aí é outro papo.

Deixe aqui o seu comentário

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.

shares
Administração e Sucesso