Crise no setor automobilísticoA indústria automobilística no Brasil tem recebido incentivos do Governo Federal nos últimos anos. Entre eles pode-se citar principalmente a redução ou isenção de IPI para carros novos. Com a isenção o Governo deixou de arrecadar milhões de reais para assim tentar impulsionar as vendas de carros OK, facilitando a compra de veículos novos pelos consumidores e ao mesmo tempo manter a produção de veículos estável e evitar demissões de funcionários pelas industriais de automóveis.

De certa forma deu resultado, as vendas aumentaram consideravelmente. No entanto, parece que o efeito não foi duradouro. No ano de 2014 as vendas de veículos estão bem abaixo do mesmo período de 2013, da mesma forma a produção caiu consideravelmente neste primeiro semestre.

As causas podem ser muitas. Apesar da redução do IPI, os veículos tiveram alta nos preços em 2014 em virtude da legislação que obriga todos os veículos a saírem de fábrica com freios ABS e Air Bag. Portanto, mesmo carros simples estão relativamente caros em virtude desta exigência. Outro ponto é o endividamento do consumidor, quem comprou carro recentemente ainda está pagando o veículo, pois são poucos que conseguem comprar um veículo pagando o valor total a vista. Da mesma maneira carro não é um produto que se troca todos os anos, isso é privilégio de poucos.

As montadoras já estão fazendo promoções para tentar diminuir o número de veículos em estoque, algumas deram férias coletivas para os funcionários e já se ouvem rumores de uma possível crise no setor.

Uma coisa é certa, quando a produção é maior do que a demanda os preços tendem a diminuir, as montadoras precisam reduzir sua margem de lucro para conseguirem aumentar as vendas. Não adianta ter capacidade para produzir em grande quantidade se as vendas não seguem o mesmo ritmo. Da mesma maneira o Governo deveria reduzir a quantidade de impostos que incidem sobre a fabricação de veículos, isso se realmente quer o aumento das vendas. Porém, a redução de IPI é apenas provisória, logo é uma medida que tem resultados apenas provisórios e não garante o aquecimento das vendas por muito tempo.