Administração e Sucesso

Assuntos sobre administração, economia, política, atualidades, educação, dicas para Word, Excel e muito mais

Month: setembro 2011

Redução de Impostos? Só no papel

Redução da CIDE

O governo mais uma vez reduziu a CIDE, que  é um tributo que incide na importação e comercialização da gasolina. O valor cobrado era de 0,23 centavos por litro de gasolina, agora será de 0,19 centavos por litro, no entanto segundo o governo, o preço final para o consumidor não terá alterações.

Além da redução da CIDE, haverá também redução da mistura de etanol na gasolina, a partir de 1º de outubro o percentual de etanol na gasolina cairá de 25% para 20%, essa medida deve-se ao fato da produção do etanol não ser suficiente para abastecer o mercado, correndo-se risco de desabastecimento de etanol.

O governo alega que terá perda de arrecadação de 50 milhões de reais em 2011, com a redução da CIDE, porém a perda deve ser compensado com aumento do consumo da gasolina.

O aumento do consumo de gasolina obriga a Petrobrás a importar o produto para atender o mercado, pois a sua capacidade está no limite, ou seja, o consumo é maior do que a capacidade produtiva. Portanto, existe falta de planejamento, a produção de etanol também não é suficiente para atender a demanda. A única vantagem dos carros bi-combustíveis é nessa ocasião, se houver falta de um combustível, abastece-sse com o outro.

O contribuinte não tem escolha, tem que pagar o preço que está na bomba, quando existe alta do Dólar, aumento internacional do petróleo, crise econômica, falta de produto, o aumento dos preços é empurrado para cima dos cidadãos, porém quando o barril de petróleo tem seu preço reduzido, quando o Dolár está em queda, ninguém vê falar em redução do preço dos combustíveis.

Administradores – Video Institucional

Confira o novo vídeo institucional do Administradores, o maior veículo on-line voltado à Administração e Negócios.

[youtube=http://www.youtube.com/watch?v=9Za8q9IwyQs]

Será que o Brasil Precisa de mais Impostos?

Mais Impostos!

Em recente entrevista para o Fantástico, a presidente Dilma disse tranquilamente como se fosse uma coisa sem muita importância, que o Brasil investe 42% menos em saúde do que a Argentina. Além disso a presidente disse que o Brasil precisa investir mais em saúde, mas que tem que arranjar a fonte destes recursos. A primeira opção seria a criação de um novo imposto.

Muitos se queixam de que a Saúde no Brasil perdeu com o fim da CPMF, mas alguém pode comprovar que durante a vigência da CPMF a qualidade da saúde era satisfatória?

Além disso, apenas uma parte dos recursos estava realmente sendo investida em educação. A criação da CSS, Contribuição Social para a Saúde foi rejeitada, seria mais um imposto para os brasileiros. A previsão é de que a arrecadação de impostos bata novo recorde em 2011, e que aproximadamente 34% do PIB seja composto de impostos.

Será que realmente é necessário criar mais impostos? Segundo o IPEA, os pobres pagam mais impostos do que os ricos, uma pessoa que ganha R$ 40.000,00 anuais paga a mesma alíquota de quem ganha R$ 400.000,00 anuais, ou seja 27,5%.

A constituição de 1988 criou o IGF, Imposto sobre Grandes Fortunas, porém até hoje ela ainda não foi regulamentado.

Se os pobres pagam a maior parcela de impostos, nada mais justo do que tributar as grandes fortunas, quem sabe assim as desigualdades diminuiriam um pouco.

O governo investe em benefício da população, porém muitas coisas só são usufruídas pelos que possuem poder aquisitivo maior. O governo investe em estradas, o pobre não tem carro e quando viaja vai de ônibus, investe em aeroportos, mas pobre não viaja de avião, o governo federal possui universidades públicas, porém a maioria dos que nelas estudam são pessoas com melhor situação financeira.

Uma boa opção de fonte de recursos para a saúde seria cortar o salário dos deputados em pelo menos 60%. Assim sobraria uma boa quantia para investimentos em saúde.

Fim da Segunda Fase do Desafio Sebrae 2011

DESAFIO SEBRAE 2011

Terminou a segunda fase do Desafio Sebrae 2011 no dia 21/09, o ranking com as posições de cada equipe foram liberados no dia 23/09/2011, para aqueles que conseguiram se classificar para a terceira fase, o início será no dia 29/09/2011.

Para aqueles que não conseguiram se classificar, fica a experiência, além do certificado de participação, aqueles que enviaram todas as decisões terão direito ao certificado referente a 2ª Fase.

Como era de se esperar, a segunda fase foi mais difícil, foram um total de 7 decisões e apenas a melhor equipe de cada grupo se classificaria para a próxima fase. Cada decisão tem a sua importância, uma estratégia errada pode prejudicar todo o desempenho da equipe.

Para aqueles que continuarão, uma boa sorte.

Trabalhar em Empresa Pública ou Privada?

Trabalhar em Empresa Pública ou Privada?.

trabalhar em empresa pública ou privada

Público x privado

A cada ano aumenta o número de pessoas que buscam através de concursos uma vaga no setor público. Por que será?

Todos os anos milhares/milhões de pessoas prestam concurso em todos os órgãos públicos, sejam eles federais, estaduais ou municipais. Geralmente aqueles cargos que oferecem melhores salários são os mais desejados, mas também são os mais concorridos e consequentemente as chances de ser aprovado é pequena.

Mas qual é o motivo que leva essas pessoas a batalharem tanto por uma dessas vagas? Aquelas pessoas que acabaram de sair da faculdade encontram muitas dificuldades para encontrar um emprego com rendimentos razoáveis, por outro lado se forem aprovados em um concurso, seu salário inicial será correspondente ao seu nível de escolaridade, e a cada nova titulação alcançada terá aumentos de salário.

Na empresa privada, uma pessoa recém formada ficará em experiência, geralmente ganhando menos do que outros que já possuem experiência comprovada. A aquisição de novas habilidades, cursos de pós-graduação não é garantia de aumento de salário, aliás, são poucas as empresas privadas que possuem planos de carreira. Na realidade algumas dão até mais benefícios para seus empregados do que as empresas públicas, mas nenhuma empresa privada dá garantia de que daqui um ano você ainda estará trabalhando nela.

Quem passa em concurso público tem garantia de que não perderá seu emprego, a menos que cometa algo muito grave. Recebe férias, décimo terceiro e possui previdência, porém não tem direito a seguro desemprego e também não tem direito a Fundo de Garantia por Tempo de Serviço – FGTS. Portanto o servidor público não tem motivos para pedir demissão.

O servidor público sabe qual é seu salário mensal, assim pode planejar melhor sua vida, se fizer um financiamento sabe que terá condições de honrá-lo, por outro lado o trabalhador do setor privado pode ser demitido a qualquer momento e ficar endividado.

São muitas as vagas oferecidas em concursos públicos, mas os melhores salários são para aqueles que possuem curso superior, quem entra com nível médio tem a motivação para continuar estudando, pode até pagar uma faculdade privada, pois sabe que terá retorno do capital investido. Na empresa privada não existe essa garantia de aumento de salário por qualificação profissional.

Grande parte das pesquisas realizadas no país são feitas por professores e acadêmicos de instituições públicas. A EMBRAPA, Empresa Brasileira de Pesquisa Agropecuária é um exemplo de empresa pública que busca desenvolver novas tecnologias e melhorar a produtividade da agropecuária brasileira. As secretarias de fazenda dos estados são responsáveis por fiscalizar a arrecadação de impostos, portanto assim como as empresas privadas movimentam a economia, as empresas públicas também são importantes para o desenvolvimento do país.

Pessoalmente em 16 anos de empresa privada nunca fui reconhecido profissionalmente, posso garantir que em 6 anos no setor público consegui evoluir muito mais que nos 16 anos anteriores.

Em cidades pequenas existem poucas empresas privadas que oferecem bons salários, ou seja, para quem quer melhores oportunidades, a solução é passar em um concurso público.

Também Publicado em http://www.administradores.com.br/artigos/economia-e-financas/trabalhar-em-empresa-publica-ou-privada/58283/

Classe Média Brasileira Cresceu: será?

Classe média brasileira

É Possível Trabalhar Isoladamente na Empresa?

É possível trabalhar isoladamente na empresa?

trabalhar em grupo

Trabalho em grupo

Por mais difícil que seja a vivência em grupo, é impossível vivermos isoladamente, seja o lugar que for.

O homem é um ser social, não consegue viver isolado, sente a necessidade de viver em grupo, porém se dependesse apenas da vontade de cada indivíduo, os grupos seriam formados de acordo com a escolha de cada um, obviamente estariam no mesmo grupo aqueles que possuem mais afinidades, um exemplo disso são os grupos que se formam durante a faculdade.

No entanto, isso tem seu lado negativo, nem sempre poderemos escolher quem participará de nosso grupo, quando estivermos em uma empresa não teremos essa opção de escolha, na maioria das vezes iremos trabalhar com pessoas com quem não conseguiremos ter afinidades.

Existem muitos problemas na empresa que só poderão ser resolvidos em grupo, as opiniões devem ser respeitadas, a crítica pode existir, mas jamais alguém pode impedir o outro de dizer o que pensa. O lado pessoal deve ser separado do lado profissional, na empresa o profissionalismo vem em primeiro lugar.

Uma palavra errada pode ser o início de um conflito. Porém devemos saber contornar essas situações, não podemos simplesmente tirar a pessoa de nosso grupo de trabalho, ignorá-la, ou mudar de setor por conta própria.

Isso acontece na empresa da mesma maneira que acontece em nossas casas, na sociedade, em qualquer lugar as pessoas tem opiniões diferentes. O que devemos fazer é nos adaptar para viver em sociedade, pois é impossível vivermos isolados neste mundo.

Publicado também em http://www.administradores.com.br/

Assunto relacionado: Dicas para melhorar nossos relacionamentos na empresa

Dia do Administrador

Dia do Administrador

Dia do Administrador

Hoje dia 09 de setembro é dia do administrador, a profissão está completando 46 anos, é uma profissão muito jovem, no entanto segundo o Censo da Educação Superior de 2009, Administração era o curso superior mais procurado. Isso deve-se principalmente a grande quantidade de áreas onde os profissionais formados em Administração podem atuar. Administração de empresas, de fazendas, administração hospitalar, gestão de pessoas, recrutamento e seleção, marketing, consultoria, administração financeira, professor de graduação, gestão estratégica, etc. Essas são apenas algumas áreas onde o Administrador pode atuar.

As empresas não são obrigados a terem um profissional Administrador, porém o reflexo disso é que a maioria das empresas abrem e fecham suas portas nos primeiros anos de vida. A administração é importante para as empresas, mas também é útil para nós mesmos, para que saibamos administrar nossas próprias vidas.

Temos muito a comemorar neste dia, mas precisamos nos empenhar para que nossa profissão seja mais reconhecida ainda, infelizmente ainda vemos muitas pessoas dizendo que são administradores, porém nunca cursaram Administração e nem ao mesmo utilizam as técnicas e teorias da Administração.

Parabéns aos Administradores e estudantes de Administração!

Imposto Sobre Grandes Fortunas – IGF: será que um dia entrará em vigor?

Em geral acredita-se que no Brasil quem paga mais impostos são os ricos e que pobre não paga impostos, mas isso está totalmente errado. Segundo o IPEA – Instituto de Pesquisas Econômicas e Aplicadas, do total de impostos arrecadados pelo país em 2008, a maior parte, 53,9% era pago por quem recebe até 2,5 salários mínimos e aqueles que recebem mais de 30 salários mínimos eram responsáveis por apenas 29% dos impostos arrecadados. Portanto vemos que os pobres são na verdade quem pagam mais impostos, até mesmo porque a maior parte da população está dentro desta faixa que recebe até dois salários mínimos. O Imposto sobre Circulação de Mercadorias e Serviços – ICMS, é o principal vilão da história, todos independentemente da renda pagam a mesma quantia de impostos na hora de comprar um pacote de feijão por exemplo. Nesse sentido a regra que diz que quem ganha mais paga mais deixa de existir. Uma maneira de mudar essa desigualdade seria a criação de um imposto que incidisse sobre o patrimônio dos mais ricos, e na realidade esse imposto já existe há muito tempo, o Imposto sobre Grandes Fortunas – IGF, foi criado em pela Constituição Federal de 1988 através do Art. 153, VII, porém passados 23 anos ainda não foi aprovada lei complementar que o regulamente para que possa ser cobrado.

A verdade é que grande parte dos que estão no poder não tem interesse de que este imposto entre em vigor, pois eles os políticos teriam que pagar o imposto também, tendo em vista que praticamente todos possuem grandes fortunas. Muitos estão lá apenas para defender seus próprios interesses. Teoricamente eles foram eleitos para defender os direitos do povo, se isso fosse verdade esse imposto já estaria valendo há muitos anos.

Princípios Constitucionais: conceitos básicos

Como a própria palavra já diz, princípios são o início, o ponto de partida. Na Constituição Federal os princípios constitucionais são o ponto de onde nascem as normas jurídicas. Para o legislador agir certamente ele estará baseado em algum princípio, isso é normal não apenas para quem está legislando, mas todos nós agimos de acordo com nossos princípios, muitas vezes deixamos de realizar algo porque não está de acordo com nossos princípios.

Os princípios constitucionais precisam ser respeitados, caso o Estado deixe de observá-los pode ocorrer desestruturação do sistema e as ações realizadas fora dos princípios constitucionais perderão seu valor.

Os primeiros artigos da Constituição Federal tratam também dos princípios fundamentais, é dever do Estado buscar uma maneira de torná-los realidade. É dever do Estado dar condições para que se construa uma sociedade livre, justa e solidária, garantir o desenvolvimento nacional, erradicar a pobreza e as desigualdades sociais e promover o bem de todos sem discriminação. Apesar de esforços do Estado, é visível que esses princípios estão longe de serem seguidos corretamente. Os investimentos do Estado acontecem com maior frequência nas regiões onde existe maior número de habitantes, lugares pouco povoados sofrem com o abandono do Estado. As desigualdades sociais e regionais também estão longe de serem amenizadas, afinal por mais que estejam acontecendo ações nesse sentido, ainda é muito pouco em relação ao tempo que nada foi feito. O Estado brasileiro tem investido muito para melhorar a qualidade da educação, e esse é o caminho principal para resolver os problemas citados acima. No entanto o sistema ainda é deficiente, apesar dos investimentos, grande parte dos alunos do país não conclui o ensino médio. Na outra ponta apesar do aumento das universidades federais e disponibilização de bolsas para estudo, ainda existem muitas cadeiras vazias nas universidades.

Portanto colocar em prática os princípios constitucionais é tarefa difícil, não apenas por motivos de princípios, mas também por falta de recursos e de interesse da própria população.

Administração e Sucesso