Administração e Sucesso

Assuntos sobre administração, economia, política, atualidades, educação, dicas para Word, Excel e muito mais

Mês: novembro 2010

Sistema de Amortização Constante – SAC

Sistema de amortização constante

Sistema de amortização constante

Como o próprio nome já diz, o Sistema de Amortização Constante (SAC) é um sistema onde a amortização é constante, ou seja sempre o mesmo valor.

Primeiramente precisamos encontrar o valor da amortização, basta dividir o Saldo devedor pelo número de parcelas do empréstimo, depois é só achar os juros sobre o saldo devedor, e somar amortização + juros para obter a prestação. No SAC a amortização é constante, os juros e a prestação diminuem com o passar do tempo, pagamento das parcelas.

Ex: Empréstimo de 100.000, com 15% de juros a.a., com 5 prestações anuais.

Numero de parcelas Saldo Devedor Amortização Juros Prestação
1 100.000,00 20.000,00 15.000,00 35.000,00
2 80.000,00 20.000,00 12.000,00 32.000,00
3 60.000,00 20.000,00 9.000,00 29.000,00
4 40.000,00 20.000,00 6.000,00 26.000,00
5 20.000,00 20.000,00 3.000,00 23.000,00
Total 0 100.000,00 45.000,00 145.000,00

Sistema de Amortização Francês – SAF

Sistema de amortização

Sistema de amortização francês

       O sistema de amortização francês (SAF), é um sistema onde as prestações pagas são sempre iguais, a prestação é composta da soma da amortização + os juros do período, ao contrário do Sistema de Amortização Constante (SAC) onde a amortização é constante como o próprio nome diz, possui sempre o mesmo valor.

No SAF a amortização aumenta a cada período e os juros diminuem a cada período, apenas relembrando a amortização é a quantia que realmente foi paga da dívida, por exemplo, se eu pego 100.000 emprestado e pago 5.000 de amortização e 15.000 de juros na primeira prestação, totalizando 20.000, a minha dívida ainda estará em 95.000, pois foi amortizado apenas 5.000.




Mas como eu encontro os valores?

Utilizando a Calculadora HP 12 C é muito fácil, eu digito 100.000, depois CHS e depois PV, depois eu digito a taxa de juros, depois (i), depois o período de prestações, depois (n), aí é só apertar PMT que eu terei o valor das prestações.

Agora é só achar os juros, basta multiplicar o valor da dívida pelo juro que você pagará no período, encontrando o juro é só fazer a Prestação ( – ) Juros para encontrar o valor da amortização do período. Depois é só pegar o saldo devedor ( – ) a amortização para encontrar o novo saldo devedor, lembrando que o juro do próximo período deve ser calculado sobre o novo saldo devedor, como a prestação não muda, então é só fazer o mesmo processo até chegar na última parcela da dívida.

Exemplo: Empréstimo de 100.000,00, com juros de 15 % a.a. em 5 prestações anuais.

Pode ser utilizada a seguinte fórmula:

P = [ (1 + i)n x i ]    =   [ (1 + 0,15)5 x 0,15]

        (1 + i)n – 1             (1 + 0,15)5 – 1

Agora basta multiplicar o valor do empréstimo por esse número

100.000,00 x 0,298315552 = 29.831,55

 Prestação = 29.831,55

 Juro = 0,15 x 100.000 = 15.000

 Valor amortizado = prestação – juro

                                       = 29831,55 -15.000,00 = 14.831,56

Este post já foi visualizado mais de 54 mil vezes.

A fórmula acima encontra-se no livro:

SOBRINHO, José Dutra Vieira. Matemática Financeira: edição compacta. 3 ed. São Paulo: Atlas, 2000.

Número de parcelas Saldo Devedor Amortização Juros Prestação
1 100.000,00 14.831,56 15.000,00 29.831,56
2 85.168,44 17.056,29 12.775,27 29.831,56
3 68.112,15 19.614,74 10.216,82 29.831,56
4 48.497,46 22.556,95 7.274,61 29.831,56
5 25.940,46 25.940,46 3.891,07 29.831,56
Total 0 100.000,00 49.157,80 149.157,80

 




Indicadores de Atividade: análise de balanços

Os Indicadores de Atividade demonstram como está sendo o Ciclo Operacional da empresa, que o quanto menor, melhor para a empresa, demonstra também o Ciclo de Caixa que também é bom para a empresa quando seus valores ficam baixos ou até mesmo negativos.

Os indicadores de atividade são o Prazo Médio de Estocagem PME, Prazo Médio de Recebimento PMR e o Prazo Médio de Pagamento PMP, para se obter o PME utiliza-se a média de estoque de dois anos, divide-se pelo Custo da Mercadoria Vendida CMV e multiplica-se por 360 para se obter a média anual.

Para encontrar o PMR, obten-se a média do cliente dos dois anos, divide-se pela Receita Bruta menos a Devolução de Vendas e multiplica-se por 360.

O PMP é obtido através da média do fornecedor dividido pelo CMV e multiplicado por 360.

Ex: PME = 77

 PMR = 36

CO = 113

 PMP = 44

CC = 69

Neste caso a empresa está com um ciclo Operacional muito alto, 113 dias, a solução seria reduzir o PME que está em média sendo de 77 dias. Não sendo possível fazer isso a outra solução seria aumentar o seu PMP que foi em média de 44 dias, sendo assim a empresa reduziria o seu Ciclo de Caixa que está muito alto, 69 dias.

Ficaria melhor assim:

PME = 30

PMR = 36

CO = 66

PMP = 50

CC = 16

Neste caso a empresa só está precisando financiar os clientes em 16 dias, o restante está sendo financiado pelos seus fornecedores.

Veja aqui um Trabalho relacionado ao assunto apresentado na Faculdade, arquivo em PDF

Gostou do Blog, ajude a divulgar curtindo nossa página no Facebook

Este artigo foi visualizado mais de 20.000 vezes até 17/08/2016

Indicadores Dinâmicos de Capital de Giro

A análise dinâmica de capital de giro mostra como está a situação financeira da empresa, e como a empresa está sendo financiada.

Os indicadores dinâmicos são divididos em 4 itens, Saldo de Disponibilidade (SD), Necessidade de Investimento em Giro (NIG), Variável de Longo Prazo (LP) e Capital de Giro (CDG).

Uma empresa está com uma situação financeira boa quando o seu Saldo de Disponibilidade for positivo, ou seja quando o Ativo financeiro for maior que o Passivo Financeiro, quando o SD for negativo significa que a empresa está utilizando recursos de curto prazo para financiar sua atividade, ele pode entrar em dificuldades financeiras se essa situação persistir.

A empresa tem necessidade de investimento em giro quando o seu Ativo Operacional for maior que o seu Passivo Operacional. Quando o Ativo realizável a longo prazo (ARLP) da empresa for menor que o Passivo exigível a longo prazo (PELP), isso quer dizer que a empresa possui recursos de longo prazo financiando sua atividade. Se o Ativo Permanente (AP) da empresa for maior que o Patrimônio Líquido (PL), isso quer dizer que a empresa precisa de Capital de Giro, ao contrário se o Patrimônio Líquido for maior então ela não precisa de CDG.

Ex 1 :

SD = 1500

NIG = 2500

LP = ( – ) 5500

CDG = 1500

Neste exemplo os recurso de longo prazo LP no valor de 5500 estão financiando o CDG em 1500, a NIG em 2500 e estão financiando o SD em 1500, neste caso o  SD é positivo, com esse valor a empresa pode investir em sua atividade operacional, esta é uma situação satisfatória pra a empresa.

Ex. 2 :

SD = ( – ) 1500

NIG = 2500

LP = ( – ) 4000

CDG = 3000

Neste segundo exemplo os Recursos de longo prazo LP 4000, estão financiando o CDG em 3000, e a NIG em 1000 e o restante necessário para financiar a NIG 1500 está vindo do SD, nesse caso em que o SD está negativo a empresa está utilizando recursos de curto prazo para financiar a sua atividade, pois os recursos de longo prazo não foram suficientes, nesse caso a empresa pode entrar em dificuldades financeiras.

Ciclo Operacional e Ciclo de Caixa

O Ciclo Operacional e o Ciclo de Caixa são obtidos através dos Indicadores de Atividade da empresa, ou seja, prazo médio de estocagem (PME), prazo médio de recebimento (PMR) e prazo médio de pagamento (PMP).

O ciclo operacional é a soma do PME + PMR, portanto é a soma do período em que a empresa comprou o produto e o mesmo ficou armazenado em estoque acrescentando o período que a empresa demorou para receber o valor pelo produto vendido. PMP é o tempo médio que a empresa demorou para pagar seus fornecedores. Ciclo de Caixa é obtido da seguinte maneira: Ciclo Operacional – PMP = Ciclo de Caixa

1 Caso: Supondo que uma empresa obteve um PME de 30 dias e um PMR de 35 dias, chegamos a um Ciclo Operacional de 65 dias. Se esta empresa obteve PMP de 25 dias isso significa que o seu Ciclo de Caixa foi de 40 dias, ou seja, a empresa vai receber suas vendas com 65 dias, mas vai pagar seus fornecedores com apenas 25 dias, neste caso a empresa precisará de recursos para financiar os seus clientes durante 40 dias.

Quanto menor for o Ciclo de Caixa melhor será para a empresa, no caso exposto anteriormente a empresa precisa melhorar o seu desempenho, reduzindo seu PME e seu PMR para assim diminuir seu Ciclo Operacional, ou conseguir com os fornecedores um maior prazo na compra de produtos (PMP).

2 Caso: Supondo que a empresa obteve PME de 10 dias e PMR de 30 dias, chegamos a um Ciclo Operacional de 40 dias, supondo que o PMP da empresa foi de 45 dias chegamos a um Ciclo de Caixa de ( – ) 5 dias, isso significa que os cliente estão sendo totalmente financiados pelos fornecedores, a empresa está comprando, estocando, vendendo e recebendo o valor de suas vendas para só depois pagar seus fornecedores. Este caso apresenta a melhor situação para a empresa, mas caso não seja possível ter um Ciclo de Caixa negativo, a empresa precisa reduzi-lo o máximo possível.

Veja aqui um Trabalho relacionado ao assunto apresentado na Faculdade: arquivo em PDF

Trabalho de Análise de Balanço sobre a Empresa Camargo Corrêa Cimentos S/A

Este post já foi acessado mais de 49.000 vezes até 17/08/2016

Gostou, curta nossa página no Facebook




Tempo: o que fazer com ele?

 

Muitas vezes nos falta tempo para quase tudo, ficamos esperando ter um tempinho para poder fazer outras coisas, aprender coisas novas. No entanto muitas vezes as pessoas tem o tempo disponível, mas não sabem aproveitá-lo da maneira correta. Um exemplo clássico de inutilização do tempo é ficar com um computador ligado várias horas e ficar batendo papo mo MSN e outros programas. Um computador pode ser muito útil, mas é preciso saber utilizá-lo, podem me dizer que é muito fácil usar um computador, realmente não é tão difícil, mas existem muitas coisas que só se aprende praticando. O Word por exemplo, ele não se resume em digitar textos, além disso ele faz gráficos, autoformas, tabelas, etc.

O excel é uma planilha eletrônica, sabendo usá-la você não precisa de uma calculadora para nada, além disso ela faz muitas coisas que o Word faz também. O Powerpoint faz lindas apresentações de slides, com fotos, som e video, mas para quem não sabe usá-lo parece um bicho de sete cabeças. O Movie Maker é um programa para produzir videos sem muita complicação, mas existem alguns detalhes que é preciso saber para não perder horas tentando fazer algo que demoraria minutos. E a internet, é uma ferramenta poderosa para quem está interessado em aprender muitas coisas, em vez de ficar olhando mulher pelada, use o google ou qualquer outro sistema de busca para ficar por dentro de assuntos da atualidade, pesquise sobre algo que você tem interesse, em vez de ficar jogando Colheita Feliz no Orkut, ou enviando recados o tempo todo, em vez disso crie um Blog e escreva sua opinião sobre alguma coisa, escreva sobre alguma coisa que você conhece bem, visite sites com conteúdo de qualidade.

Normalmente deixamos para aprender a utilizar os programas apenas quando somos obrigados, então ficamos apanhando, perdemos tempo errando, aquilo que se aprende hoje pode não ser utilizado logo, mas se um dia precisar você saberá como fazer ou aonde buscar as informações necessárias para fazer.

 

O Bolsa-família e a eleição

O que já era previsto aconteceu, Dilma se elegeu principalmente devido aos votos da Região Nordeste, podem falar que se excluir as regiões Norte e Nordeste mesmo assim Dilma ganharia a eleição, ganharia sim, mas por uma diferença muito pequena. A verdade é que a diferença de votos obtida por Dilma, aproximadamente 12 milhões de votos, foi conseguida nessas duas regiões. Coincidência ou não são as duas regiões brasileiras onde existem mais pessoas beneficiadas com o Bolsa-família, no Brasil aproximadamente 12 milhões de famílias recebem o Bolsa-família, considerando que em média cada família tem quatro pessoas, então são mais de 40 milhões de pessoas beneficiadas pelo programa, sem exageros pode-se dizer que 12 milhões de votos são de beneficiários do programa, considerando apenas um voto por família.

O Bolsa-família acaba se transformando em Bolsa-voto, pois aqueles que recebem-no ficam com medo de que um candidato da oposição possa acabar com o Programa. Isso pode fazer com que a oposição não consiga mais eleger um presidente. A candidata eleita até já prometeu aumento para o Programa, na realidade é mais fácil reajustar o Bolsa-família para essas pessoas que se contentam com R$ 200,00 mensais, do que criar empregos para elas.

As pessoas se contentam com pouca coisa, Serra prometeu um salário mínimo de R$ 600,00 para o ano que vem, mas não se elegeu.

O aumento do Mínimo depende do crescimento do PIB segundo a candidata eleita, então se o PIB crescer 1% o salário vai aumentar só isso. Coitado daqueles que recebem o salário mínimo.

O Governo FHC em 8 anos passou o Salário  Mínimo de R$ 70,00 para R$ 200,00, um aumento de 186%, Lula pegou o Salário em R$ 200,00 e em 8 anos aumentou para R$ 510,00, parece um aumento extraordinário, mas isso representa apenas 155% de aumento. Nos primeiros 4 anos Lula reajustou o Mínimo em 75%, se Dilma fizer o mesmo que Lula, em 2014 quando acabar seu mandato o Salário Mínimo deverá ser de R$ 892,50. As chances de isso acontecer são poucas, pois para o primeiro ano o aumento previsto é de aproximadamente 5%, mas para quem está satisfeito com Bolsa-família esse valor é excelente.

Administração e Sucesso