Dicas básicas para quem quer administrar um negócio

como administrar um negócio

Dicas básicas de como administrar um negócio

Administrar um negócio de sucesso não é de longe uma tarefa fácil, exige preparo, planejamento, investimento, liderança e diversos outros fatores dignos de um bom chefe. Administrar um negócio vai muito além do que aprendemos em teoria na sala de aula, aqui precisamos tomar decisões que irão afetar diretamente o nosso negócio, seja para o bem ou mal.
É certo dizer que para certas coisas apenas aprendemos verdadeiramente com a pratica e administrar um negócio é uma delas. Como foi mencionado anteriormente, administrar qualquer tipo de negócio exige o preenchimento de certos fatores de quem o administra, como planejamento, preparo, segurança em tomar decisões, firmeza, liderança, investimento e, principalmente, não ter medo de errar e continuar tentando, mesmo com o aparecimento
inevitável de problemas.
A administração de restaurante, por exemplo, vai muito além do que apenas montar os pratos e servir a clientela, o encarregado deve estar ciente de montar um planejamento e controle de tudo que será colocado em prática, deve ser bom com tudo que entra e sai, sabendo exatamente o que deve ser controlado. Ter uma planilha financeira, com os gastos e lucros fixos e variáveis do restaurante, oferecer um treinamento para toda a equipe de cozinha, a criação de um cardápio, controle de desperdícios e rendimentos, organização das mesas, local, cozinha e estoque, tudo faz parte da administração de um restaurante.

administracao-e-negocios

planejamento

A ideia básica de administrar um negócio pode ser resumida em algumas dicas, depois disso, depende apenas de você conseguir ou não colocá-las em prática da melhor maneira possível:

      • Comece com um planejamento estratégico, são essas estratégias que serão a base para você conseguir alcançar os objetivos do negócio.
      • Promova melhorias contínuas, isto é, procure sempre uma oportunidade para inovar e melhorar seus produtos, serviços, métodos e processos, mostre ao seu público que sua empresa/negócio é capaz de manter um bom crescimento.
      • Organize informações, pois elas são necessárias para a execução das atividades.
      • Um olho no negócio, outro na concorrência, sem deixar que o seu negócio esfrie, mantenha-se sempre atento e bem informado sobre seus concorrentes, tantos os antigos quanto os que estão para surgir.

Promovendo qualidade de vida é algo sempre bem visto e aceito por todo tipo de público, garantindo ainda o bem-estar e a satisfação dos colaboradores.

Com a base do seu negócio bem planejada e firme, é possível crescer no mercado sem restrições, tomando sempre cuidado com imprevistos.

Escrito por: Bruno Silva  da Agencia St

Eu gosto de pagar imposto de renda

pagar imposto de renda

Imposto de renda

Quem leu o título vai dizer que sou trouxa, retardado, um verdadeiro idiota. Podem pensar o que quiserem. Pagar imposto de renda sempre foi o meu sonho de consumo. Vocês continuam pensando que eu só posso estar de brincadeira.

Pois bem, esta é a verdade. Eu sempre sonhei com o dia que poderia pagar imposto de renda. Quando eu ouvia as pessoas reclamando em ter que pagar o imposto de renda ficava até revoltado.

A explicação é muito simples. Quem não paga imposto de renda atualmente no Brasil são aquelas pessoas que recebem no máximo até R$ 1.787,77. Portanto, se você não quer pagar imposto de renda a solução é ter um salário abaixo desse valor. Um salário que está muito abaixo até mesmo do que é considerado como salário mínimo ideal para satisfazer as necessidades do trabalhador como diz a nossa Constituição Federal de acordo com dados do DIEESE.

A partir do valor de R$ 1.787,77 quanto maior for o salário maior será a incidência do imposto de renda. Se quanto mais eu ganho mais imposto eu pago, então está tudo bem. Isso significa que estou progredindo e nada mais justo do que pagar imposto por isso. Quanto à aplicação dos impostos pelo Governo aí já é outra história. Aqui estou falando sobre aqueles que reclamam de pagar imposto de renda. Quem não quer pagar que continue trabalhando por miséria e está tudo resolvido.

Concurso Nacional Novos Poetas. Prêmio CNNP 2014

Concurso Nacional Novos Poetas

Concurso Nacional Novos Poetas

Estarão abertas as inscrições para o Concurso Nacional Novos Poetas, Prêmio CNNP 2014.

Podem participar do concurso, todos os brasileiros natos, ou naturalizados, maiores de 16 anos.

Cada candidato pode inscrever-se com até dois poemas de sua autoria, com texto em língua portuguesa.

O tema é livre, assim como o gênero lírico escolhido. Serão 250 poemas classificados.

A classificação das poesias resultará no livro, Prêmio CNNP 2014. Antologia Poética.

Concurso Literário e uma importante iniciativa de produção e distribuição cultural,

alcançando o grande público, escolas e faculdades.

Inscrições gratuitas de 01 de agosto a 05 de setembro de 2014, pelo site: www.cnnp.com.br

Realização: Vivara Editora Nacional

Apoio Cultural: Revista Universidade

Privatização de indústrias brasileiras: foi bom ou ruim?

empresas e setores privatizados no Brasil

Privatização no Brasil

As privatizações realizadas pelos Governos brasileiros nas últimas décadas foram muito criticadas, diziam que o Governo estava entregando seu patrimônio para a iniciativa privada praticamente de graça, e isso traria prejuízos para o Brasil. Mas será que as privatizações foram mesmo um mau negócio? Vamos analisar as principais empresas e setores privatizados no Brasil.

  • Vale do Rio Doce

Hoje se chama simplesmente Vale, a empresa criada pelo Governo Getúlio Vargas foi privatizada na década de 90 pelo Governo Fernando Henrique Cardoso. A privatização recebeu muitas críticas, porém, após a privatização a Vale incorporou outras mineradoras e hoje é uma das maiores mineradoras do mundo e conseqüentemente uma das maiores empresas do mundo. Por mais que os problemas internos fossem resolvidos e a privatização não se concretizasse, dificilmente a empresa teria alcançado este porte e os lucros que tem atualmente.

  • Embraer

A empresa criada na década de 40 e que estava à beira da falência foi privatizada no início dos anos 90, hoje oscila entre terceira e quarta maior indústria aeronáutica do mundo. Portanto, dispensa comentários, de empresa quase falida está hoje entre as maiores do mundo.

  • Telefonia

A Telebrás foi privatizada na década de 90, na época em muitas localidades do país não existia serviço de telefonia e nem ao menos previsão de quando iria existir. Mesmo em regiões onde existia o serviço era preciso esperar até mais de um ano na fila e ainda pagar mais de mil reais por uma linha telefônica.

Atualmente basta querer para ter uma linha telefônica, tanto fixa como móvel. No Brasil existem mais celulares em operação do que o número de habitantes, nos lugares mais remotos existe o serviço de telefonia de no mínimo uma operadora. O setor de telefonia é campeão de reclamações por parte dos usuários, porém, é inegável o avanço nos serviços após a privatização do setor.

  • Energia

O setor de energia elétrica não foi totalmente privatizado, porém, o Brasil possui uma das tarifas elétricas mais caras do mundo. Portanto, pelo menos para o pequeno consumidor esse é um mau negócio e dispensa comentários.

  • Rodovias

Muitas rodovias brasileiras já foram concedidas à iniciativa privada e outras serão concedidas. O Governo mostra que não tem capacidade para manter as rodovias federais e estaduais em condições de trafegabilidade. A cobrança de pedágio é muito criticada principalmente por aqueles que utilizam as rodovias frequentemente, porém, é visível a qualidade das rodovias privatizadas quando comparadas com as que ainda estão sob a responsabilidade do Governo ou do Estado.

Crise no setor automobilístico brasileiro

Produção de automóveis

Crise no setor de automóveis

A indústria automobilística no Brasil tem recebido incentivos do Governo Federal nos últimos anos. Entre eles pode-se citar principalmente a redução ou isenção de IPI para carros novos. Com a isenção o Governo deixou de arrecadar milhões de reais para assim tentar impulsionar as vendas de carros OK, facilitando a compra de veículos novos pelos consumidores e ao mesmo tempo manter a produção de veículos estável e evitar demissões de funcionários pelas industriais de automóveis.

De certa forma deu resultado, as vendas aumentaram consideravelmente. No entanto, parece que o efeito não foi duradouro. No ano de 2014 as vendas de veículos estão bem abaixo do mesmo período de 2013, da mesma forma a produção caiu consideravelmente neste primeiro semestre.

As causas podem ser muitas. Apesar da redução do IPI, os veículos tiveram alta nos preços em 2014 em virtude da legislação que obriga todos os veículos a saírem de fábrica com freios ABS e Air Bag. Portanto, mesmo carros simples estão relativamente caros em virtude desta exigência. Outro ponto é o endividamento do consumidor, quem comprou carro recentemente ainda está pagando o veículo, pois são poucos que conseguem comprar um veículo pagando o valor total a vista. Da mesma maneira carro não é um produto que se troca todos os anos, isso é privilégio de poucos.

As montadoras já estão fazendo promoções para tentar diminuir o número de veículos em estoque, algumas deram férias coletivas para os funcionários e já se ouvem rumores de uma possível crise no setor.

Uma coisa é certa, quando a produção é maior do que a demanda os preços tendem a diminuir, as montadoras precisam reduzir sua margem de lucro para conseguirem aumentar as vendas. Não adianta ter capacidade para produzir em grande quantidade se as vendas não seguem o mesmo ritmo. Da mesma maneira o Governo deveria reduzir a quantidade de impostos que incidem sobre a fabricação de veículos, isso se realmente quer o aumento das vendas. Porém, a redução de IPI é apenas provisória, logo é uma medida que tem resultados apenas provisórios e não garante o aquecimento das vendas por muito tempo.

Governo Nomeia mais Servidores do Concurso de 2011 para a UNEMAT

Unemat Concurso de 2011

Nomeação

Foi publicada no diário oficial do dia 16/07/2014 que circula hoje dia 17/07/2014 mais uma nomeação de servidores técnicos administrativos para a Unemat. A nomeação é do concurso público que foi realizado no ano de 2011, o concurso foi prorrogado até novembro de 2015.

Esta é a quinta nomeação deste concurso, porém ainda existiam vagas que não tinham sido preenchidas, algumas porque os nomeados não tomaram posse. Durante o período também foram criados mais cursos na Unemat e a necessidade de servidores aumentou, como o concurso previa cadastro de reserva em alguns casos estão sendo chamados mais do que era previsto inicialmente.

Os servidores foram nomeados para os Campi de Alta Floresta, Alto Araguaia, Barra do Bugres, Cáceres, Colider, Juara, Luciara, Nova Xavantina, Pontes e Lacerda, Sinop e Tangará da Serra.

O salário inicial para nível fundamental é R$ 1.538,32, para nível médio é de R$ 2.656,30 e para nível superior é de 4.948,28 para 40 horas de trabalho semanal.

A lista de nomeados pode ser conferida no Diário Oficial de MT no link abaixo nas páginas 7 a 9.

http://www.iomat.mt.gov.br/ler_pdf.php?download=ok&edi_id=3751&page=0

Também foram nomeados mais professores do Concurso Público realizado em 2013, os nomeados podem ser consultados no link acima nas páginas 6 e 7.

Grandes empresas que desapareceram do mercado

Empresas que desapareceram

Muito se fala que as empresas geralmente fecham as portas logo nos seus primeiros anos de existência, porém, o fechamento ou falência não é “privilégio” apenas de pequenas empresas que entram no mercado e não conseguem prosperar. Pelo contrário, o fato de ser grande empresa, com décadas de existência e até muitas vezes líder de mercado não é garantia de permanência da empresa no mercado competitivo atual.

Alguém hoje em dia lembra da Olivetti? Certamente só os mais velhos lembram. A Olivetti é uma empresa que foi fabricante de máquinas de escrever “datilografia”, era conhecida mundialmente e todo escritório tinha uma máquinas destas. Porém, com a popularização dos computadores a Olivetti praticamente sumiu do mapa. A Olivetti não faliu, mas demorou muito tempo para se adaptar as mudanças do mercado, hoje em dia existem computadores, tablets, impressoras e outros itens de informática fabricados pela empresa, mas nem de longe a marca possui a fama de antigamente.

Fotos digitais hoje em dia são a coisa mais simples do mundo, mas alguém aí tira fotos com uma Kodak? Acredito que dificilmente encontraremos alguém utilizando uma Kodak. A Kodak foi um ícone quando o assunto era fotografia com os velhos filmes fotográficos, mas perdeu mercado diante das câmeras digitais e não acompanhou a febre das fotografias digitais. Resultado, a empresa com mais de 100 anos pediu falência, mas ainda existe e tenta se reerguer com novos produtos. Só que ninguém ouve falar, é como se não existisse mais.

No Brasil temos exemplos de grandes lojas varejistas que simplesmente sumiram. Arapuã, Mappin, Mesbla, Lojas Hermes Macedo são exemplos de grandes empresas que não conseguiram resistir a concorrência do mercado dos anos 90 e foram a falência. É como se hoje deixassem de existir empresas como a Casas Bahia, Ponto Frio, City Lar, Gazin, Romera, entre outras.

Também na década de 90 o Banco Bamerindus foi comprado pelo HSBC e por um tempo ainda foi chamado de HSBC Bamerindus até que o nome Bamerindus desapareceu completamente. Também nesta época o Banco Nacional e o Banco Econômico quebraram.

A Gurgel foi uma fabricante de veículos 100% nacionais que não resistiu a concorrência e acabou fechando as portas depois de 27 anos de existência.

Como percebemos, as empresas estão expostas a concorrência do mercado e o surgimento de novas tecnologias, aquelas que não conseguem se adaptar podem desaparecer do mercado engolidas pela concorrência ou por falta de inovação.

Campeão de vendas desde 1987, Volkswagen Gol está ameaçado, será?

Veículo líder de vendas no Brasil

Carro mais vendido

Vou falar de Gol, mas desta vez não tem nada a ver com Copa do Mundo.

Vinte e sete anos consecutivos o veículo mais vendido do Brasil, este sim merece o título de Campeão. O Volkswagen Gol superou outro campeão de vendas da própria marca, o Volkswagen Fusca foi líder de vendas entre 1959 e 1982. Aliás, desde 1959, apenas em quatro anos a Volkswagen não liderou as vendas anuais, de 1983 a 1986 a Chevrolet liderou as vendas com o Chevette e o Monza.

Desde então vários veículos tentaram bater o Gol, mas sem sucesso. O Volkswagen Gol passou por várias modificações, de Gol quadrado passou por uma total reestilização e passou a ser chamado de Gol bola, atualmente já está na quinta geração e mesmo apesar das mudanças continua líder de vendas. No entanto, neste ano os veículos fabricados no Brasil não podem ser produzidos sem freios ABS e Air Bag, fato que de certa forma obrigou a Volkswagen a encerrar a produção do Gol G4 que ainda estava em produção e ajudava significativamente nas vendas totais do Gol, pois eram computadas como se fossem apenas um veículo. A queda nas vendas é visível, no primeiro semestre de 2014 foram vendidos 93.611, contra 121.356 no primeiro semestre de 2013. A mesma coisa ocorreu com o Fiat Uno, segundo colocado nas vendas em 2013, as vendas do Uno Mille eram computadas as do novo Fiat Uno, com o fim da produção do Uno Mille em 2014 as vendas despencaram e no primeiro semestre de 2014 o Fiat Uno é apenas o 6º veículo mais vendido. No primeiro semestre de 2013 foram vendidas 96.508 unidades contra apenas 61.049 unidades no primeiro semestre de 2014.

Porém, a Fiat tinha a segunda e terceira colocação nas vendas, o Fiat Palio assumiu a segunda colocação e mesmo mantendo a mesma média de vendas do ano passado já está ameaçando o reinado do Volkswagen Gol, no acumulado de 2014 a diferença é de apenas 10.721 unidades a mais para o Gol, e neste ano o Palio já superou o Gol em duas ocasiões, no mês de março e novamente agora no mês de junho. Será que é o fim da liderança está a caminho?

Apesar da Volkswagen  ter o carro mais vendido, a liderança das vendas é da Fiat, certamente seria ruim para a Volkswagen perder também a posição de carro mais vendido, justamente para a líder de vendas no Brasil.

 

Quais ensinamentos podemos tirar desta Copa do Mundo

Copa do Mundo no Brasil

Copa do Mundo 2014

A cada quatro anos é a mesma história, os brasileiros ficam ansiosos por mais um título da nossa seleção brasileira. Não importa se o time é excelente ou meia boca, o brasileiro sempre quer o título. No entanto, apesar de o Brasil ser o maior campeão até o momento com cinco títulos, está é a vigésima Copa do Mundo, e o Brasil só ganhou cinco. Isso quer dizer a cada quatro Copas disputadas o Brasil ganha apenas uma, se esta média prosseguir nas próximas quatro Copas o Brasil vai ganhar apenas uma. A Itália já ganhou a Copa quatro vezes, com mais um título já se iguala ao Brasil e se a Alemanha ganhar esta já se igualará a Itália também. Existem outras seleções que podem ganhar, o Brasil não é o único favorito, além disso, novos campeões surgiram nas últimas Copas, França em 1998 e Espanha em 2010.

Nossa seleção passou vinte e quatro anos sem ganhar a Copa até o título de 1994 nos Estados Unidos, a mesma coisa aconteceu com a Itália que ficou vinte e quatro anos até ganhar novamente em 2006 na Copa da Alemanha. A própria Alemanha está a vinte e quatro anos sem vencer, sua última conquista foi em 1990 e a Argentina não ganha desde 1986, qualquer que seja a vencedora sairá de um longo jejum sem título. O próprio Brasil já estará a dezesseis anos sem ganhar a Copa em 2018 na Rússia.

Não é de hoje que a maioria dos jogadores brasileiros convocados para a seleção brasileira atuam no futebol europeu, os clubes não conseguem segurar seus craques e cada vez mais cedo eles são vendidos para os clubes do velho continente. Prova disso foi nossa seleção nesta Copa, dois goleiros reservas e dois atacantes que atuam no Brasil foram convocados, por sinal os dois atacantes já passaram pelo futebol europeu e apenas um foi titular. Analisando os convocados para a seleção alemã, dezesseis jogadores atuam no futebol alemão, dos que entraram em campo contra o Brasil seis jogam no Bayern de Munich. Isso mostra a incapacidade do futebol brasileiro em manter seus jogadores atuando no país, eles só voltam quando não estão bem na Europa, o sonho de todos é jogar na Europa e esse tem sido um critério para atuar pela seleção brasileira em Copas do Mundo. Outro detalhe foi a utilização de um atacante de 36 anos pela seleção alemã, Klose mesmo com seus 36 anos foi titular contra o Brasil e já marcou dois gols nesta Copa se tornando o maior artilheiro de todas as Copas. Os técnicos brasileiros não gostam de jogadores veteranos, exemplo disso que Rivaldo ficou fora da Copa de 2006 quando tinha plena forma aos 34 anos, Kaká ficou fora desta Copa com 32 anos. O próprio Romário ficou fora da Copa de 2002 por indiferenças com Felipão, apesar de estar com 36 anos Romário estava em seu melhor momento na carreira, foi a época que marcou mais gols e era o maior artilheiro da seleção brasileira em atividade, ainda bem que tínhamos Rivaldo, Ronaldinho Gaúcho e Ronaldo e o Brasil foi campeão assim mesmo.

Torcida não ganha jogo. Se torcida ganhasse jogo a seleção da China ganharia todas as Copas. É muito bonito a torcida cantando o Hino Nacional Brasileiro nos estádios, mas não passa disso, aliás o Hino Nacional deveria ser cantado nas escolas e em todo e qualquer tipo de evento, afinal é o Hino Nacional Brasileiro e não o Hino da seleção brasileira.

Um técnico brasileiro não ganha a Copa duas vezes com a seleção brasileira, Zagallo ganhou em 1970 e não conseguiu em 1998, Parreira foi campeão em 1994 e tentou em 2006 e Felipão venceu em 2002 e não conseguiu em 2014, o único a conseguir tal feito foi Vittorio Pozzo com a Itália em 1934 e 1938.

Ganhar a Copa das Confederações não serve de parâmetro para a Copa do Mundo. Felipão disse que a seleção ganhou a Copa das Confederações e o time estava pronto para a Copa do Mundo. No entanto, nunca uma seleção campeã da Copa das Confederações conseguiu ganhar a Copa do Mundo no ano seguinte e isso se confirmou mais uma vez. Além disso, nenhum dos participantes da Copa das Confederações conseguiu passar para as quartas de final desta Copa do Mundo com exceção do Brasil. Isso mostra que os adversários não eram tão bons assim e que o Brasil não estava com esta bola toda.

E o Brasil não ganhou a Copa

Copa do Mundo no Brasil

Brasil perde a Copa em casa mais uma vez

Desde o início da Copa a seleção brasileira não apresentou bom futebol, por isso a minha desconfiança quanto a conquista do título pela seleção brasileira. Quase a seleção foi eliminada pelo Chile e depois também sofreu para derrotar a seleção da Colômbia. Chegamos a semifinal sem enfrentar uma grande seleção. Mas desta vez pela nossa frente tínhamos a seleção da Alemanha.

Os brasileiros estavam confiantes na vitória, mas em um jogo destes não existe favorito, qualquer um pode vencer. Muito se falou que Neymar faria falta para a seleção, concordo que sim, mas não a ponto de abalar o time da maneira que aconteceu. Afinal, se o Neymar fez tanta falta assim, então quer dizer que todos tinham razão, a seleção era dependente do Neymar?

Prefiro acreditar que não. Uma seleção brasileira não pode depender apenas de um jogador com tantos craques que temos no país. Prefiro acreditar que faltou experiência e principalmente qualidade para alguns jogadores, não por deficiência técnica, mas sim por má fase de alguns dos jogadores. Também faltou controle emocional, disseram que o fator emocional não estava atrapalhando, mas não foi isto que vimos no jogo. Depois do primeiro gol o time se perdeu em campo. Levar cinco gols em menos de trinta minutos de jogo, sendo quatro gols em sequência, isso não tem desculpa.

Entre as seleções campeãs mundiais a França jogou duas copas em casa ganhou uma, a Alemanha também, a Itália também. A Argentina, a Inglaterra e o Uruguai jogaram apenas uma Copa em casa e venceram. O Brasil passou a ser a única seleção que jogou duas Copas em casa e perdeu as duas. Derrota no Maracanã lotado em 1950 na final e vexame nesta Copa de 2014 perdendo de goleada para a Alemanha na semifinal por incríveis 7 X 1, a maior goleada da história, justamente em uma Copa disputada no Brasil. A Espanha fica de fora porque sediou apenas uma Copa em 1982 quando ainda nem era Campeã.

Uma coisa é certa, não coloquem um técnico campeão da Copa pela seleção brasileira para tentar outro título, Zagallo ganhou em 1970 e perdeu em 1998, Parreira ganhou em 1994 e perdeu em 2006, Felipão ganhou em 2002 e tentou neste ano, definitivamente isto não dá certo.

Em 2002 Felipão foi contra o clamor popular e não levou Romário, mas Ronaldo fenômeno e Rivaldo foram excelentes e o Brasil ganhou. A mesma sorte não teve Dunga em 2010, não levou Neymar e P. H. Ganso em ótima fase no Santos, o resultado todos sabem.

Felipão também foi muito criticado pela lista de convocados, levou jogadores que não estavam em boa fase ou em recuperação de lesão. Os torcedores estavam com razão, em seis jogos Fred fez apenas um gol, Hulk não marcou nenhum. Onde já se viu atacante que não faz gol? Não vou falar de qual jogador deveria ser convocado, mas tínhamos jogadores em boa fase que não foram convocados por preferência do treinador.

Agora resta esperar a próxima Copa na Rússia em 2018.